O que são os alimentos enriquecidos e fortificados?

16 de junho de 2019
De laticínios e macarrão a produtos de higiene pessoal, muitos possuem vitaminas, minerais e outros nutrientes adicionados que, em tese, os tornam "mais saudáveis".

É possível que, quando você vai às compras, leia com frequência nos rótulos de alguns alimentos que eles são enriquecidos e fortificados. Mas, o que essas palavras significam e qual é a diferença entre elas? É realmente bom para sua saúde comprar esses alimentos? Será que eles são melhores do que outros?

Desde laticínios e macarrões até produtos de higiene pessoal, muitos possuem vitaminas, minerais e outros nutrientes adicionados que os tornam “mais saudáveis”.

O que são os alimentos enriquecidos e fortificados?

Alimentos fortificados

Um alimento fortificado é aquele ao qual se adicionou nutrientes, ou substâncias em geral, que não estavam originalmente no alimento antes de ser processado. Alguns alimentos não contêm certos nutrientes por si mesmos. Assim, ao adicionar esses nutrientes, é possível fazer com que o alimento tenha características diferentes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um Guia para fortificação de alimentos com micronutrientes. As diretrizes são elaboradas a partir de uma perspectiva nutricional e de saúde pública, para fornecer guias práticos sobre como a fortificação de alimentos deve ser implementada, monitorada e avaliada.

Alimentos enriquecidos

Mulher lendo rótulo alimentos enriquecidos

São aqueles aos quais foram adicionadas uma ou mais substâncias que eles já continham antes de serem processados, seja porque possuem pouca quantidade, ou porque perderam durante o processamento. Às vezes, são adicionadas quantidades muito maiores do que as contidas no alimento original.

Por exemplo, o leite contém vitamina D, embora em quantidade limitada. Quando a vitamina D é adicionada, se enriquece o leite com essa vitamina. Outro exemplo, quando o trigo é refinado, uma grande parte das vitaminas é perdida. Por isso, para repor, as mesmas vitaminas são adicionadas.

Você pode estar interessado em ler: Quem é mais propenso a ter deficiência de vitamina D?

Por que fortalecer ou enriquecer alimentos?

O fortalecimento e enriquecimento têm sido usados com sucesso há décadas para reduzir a prevalência de certas deficiências nutricionais. Assim, isso melhorou muito a saúde e a qualidade de vida de milhões de pessoas.

A principal vantagem da fortificação e enriquecimento, em comparação com outros métodos para melhorar o teor de micronutrientes da dieta, é que não exigem uma mudança de comportamento por parte da população, através da sua aplicação em alimentos básicos que são consumidos praticamente em todo o mundo.

A fortificação consegue aumentar o consumo de micronutrientes sem que a população tenha que modificar sua dieta habitual. Assim, todos os setores da população, incluindo aqueles que vivem em locais com poucos recursos, podem se beneficiar.

Alguns exemplos da importância da fortificação e enriquecimento de alimentos

  • O iodo e a deficiência a ele

Alimentos enriquecios com iodo que você deve adicionar à sua dieta

O declínio da deficiência de iodo em vários países é a primeira história de sucesso da fortificação de alimentos. O iodo é necessário para a formação dos hormônios tireoidianos responsáveis ​​pela regulação do crescimento e dos processos metabólicos.

Assim, sua deficiência leva à incapacidade intelectual e hipertireoidismo congênito em bebês e crianças, ou bócio em adultos. O iodo é encontrado em vários alimentos que vêm do mar, como peixes, mariscos e algas marinhas. Para as populações que vivem perto do mar, a deficiência de iodo raramente é um problema.

Portanto, não é surpreendente que os primeiros exemplos de um programa eficaz de iodo tenham ocorrido na Suíça, um país sem litoral, e no Michigan, no centro da América do Norte.

Leia também: 7 bebidas ricas em iodo para fazer o seu trabalho da tireoide

  • O ácido fólico e os defeitos do tubo neural

No início da década de 1970, uma possível relação entre a alimentação e a incidência de defeitos do tubo neural já havia sido identificada. Um tipo de defeito que afeta o desenvolvimento correto do cérebro, da medula espinhal ou da coluna vertebral do embrião.

Por isso, em meados da década de 1970, essa relação entre ácido fólico e defeitos congênitos foi usada como base para os primeiros estudos clínicos que demonstraram que a suplementação com ácido fólico era uma maneira eficaz de reduzir a incidência de defeitos do tubo neural.

Por fim, recomenda-se monitorar o consumo regular de alimentos fortificados por um profissional de nutrição para limitar as indicações e evitar excessos não notados.

  • Allen, L. H., De Benoist, B., Dary, O., & Hurrell, R. (2017). Guías para la fortificación de alimentos con micronutrientes.
  • Smithells RW, Sheppard S, Schorah CJ. Vitamin deficiencies and neural tube defects. Arch Dis Child. 1976 Dec;51(12):944-50. PubMed PMID: 1015847; PubMed Central PMCID: PMC1546171.
  • Zimmermann MB. Research on iodine deficiency and goiter in the 19th and early  20th centuries. J Nutr. 2008 Nov;138(11):2060-3. PubMed PMID: 18936198.
  • Czeizel, A.E., et al., Prevention of neural-tube defects with periconceptional folic acid, methylfolate, or multivitamins? Ann Nutr Metab, 2011. 58(4): p. 263-71.