O que é hipocloridria?

02 Janeiro, 2020
Na hipocloridria, a produção de ácido clorídrico no estômago é diminuída. Embora pareça ser uma solução para problemas como gastrite, na verdade é uma situação patológica. Neste artigo, mostramos como é gerada e o que pode ser feito para combatê-la.

Hipocloridria é a diminuição da produção da substância conhecida quimicamente como ácido clorídrico no organismo. Pode ser encontrada dentro do estômago em um ambiente controlado.

O ácido clorídrico – HCl, de acordo com seus símbolos químicos – cumpre uma série de funções específicas no estômago. Essas funções são basicamente de proteção contra agentes externos e digestão.

O estômago produz ácido clorídrico através de células estomacais especializadas. As células produtoras de ácido são estimuladas pela substância histamina, que por sua vez é estimulada pelo hormônio gastrina. Por outro lado, quando o ácido é suficiente ou excessivo, o próprio estômago indica ao corpo que deixe de ser estimulado com gastrina.

Em condições normais, se o sistema de autorregulação funcionar, não haverá gastrite ou hipocloridria. Entretanto, se a geração de ácido clorídrico diminui muito abaixo dos níveis desejados, fala-se em hipocloridria e até mesmo de acloridria quando nenhum ácido é gerado.

Entre as propriedades do ácido clorídrico no estômago, podemos destacar que:

  • Desnatura as proteínas que ingerimos para poder processá-las.
  • Participa no processo digestivo de carboidratos.
  • Destrói os micro-organismos nocivos que podem entrar no corpo juntamente com os alimentos.

Embora pareça uma situação sem gravidade, a hipocloridria tem sido associada ao câncer de estômago. Pacientes que sofrem com esse distúrbio há muito tempo são mais propensos a essa neoplasia.

Causas da hipocloridria

Ao longo do tempo, várias causas de hipocloridria foram determinadas. Entre elas, as mais importantes são:

  • Estados de estresse e ansiedade: uma das causas mais importantes de hipocloridria. Diante do estresse, as células podem parar de produzir ácido clorídrico.
  • Envelhecimento: ao longo dos anos, nossas células perdem a função devido à deterioração da idade. Entre essas funções perdidas está a secreção hormonal correta, sendo assim, a gastrina pode ser afetada. Além disso, as células produtoras de ácido clorídrico também envelhecem e diminuem o seu metabolismo. Estima-se que entre as pessoas com mais de sessenta anos haja uma prevalência de hipocloridria em trinta por cento.
  • Uso abusivo de antiácidos: pessoas que sofrem de gastrite repetida correm o risco de usar medicamentos como a ranitidina ou o omeprazol em excesso. Esses medicamentos bloqueiam a produção de ácido para aliviar os sintomas da gastrite. No entanto, embora seja o efeito desejado, o uso excessivo pode levar à hipocloridria.
  • Distúrbios da hipófise: quando esse órgão funciona incorretamente, a via de comunicação hormonal entre gastrina e histamina pode ser alterada.
  • Hipotireoidismo: porque é uma doença que afeta muitas funções corporais, a baixa presença de hormônios da tireoide também afeta o eixo hormonal da gastrina e da histamina.
  • Cirurgias gástricas: alguns procedimentos invasivos no estômago têm como efeito adverso a alteração na produção de ácido clorídrico. Principalmente cirurgias em que parte do órgão é ressecada, subsequentemente levam à hipocloridria.
A hipocloridria altera a digestão

Leia mais: 5 infusões de plantas para combater a indigestão

Sintomas de hipocloridria

Não é tão fácil determinar que há baixa produção de ácido clorídrico. A hipocloridria apresenta sintomas semelhantes a outras patologias e portanto, confunde sua apresentação com outras condições.

Sob suspeita, os médicos possuem alguns recursos de diagnóstico para descartar outras doenças. De qualquer forma, sabe-se que a hipocloridria é mais comum de ocorrer quando há:

  • Alterações na digestão de carnes: depois de comer um pouco de carne, o corpo não a processa adequadamente ou com a velocidade que deveria.
  • Gases e inchaço: a digestão mais lenta devido ao déficit de ácido clorídrico produz mais gases intestinais.
  • Anemias: na hipocloridria, menos nutrientes são absorvidos incluindo ferro e vitamina B12. Sendo assim, podem ocorrer problemas de anemia crônica difíceis de controlar.
  • Gastroenterite: quando a proteção contra micro-organismos externos falha, a gastroenterite infecciosa aparece repetidamente.
  • Colesterol alto: quando falta o ácido clorídrico para auxiliar na digestão, o processo de absorção de gordura é alterado, com a consequente possibilidade de aumentar o colesterol que circula no sangue.
Problemas digestivos

Descubra conosco: 10 alimentos saudáveis ​​para normalizar a digestão

Tratamentos para hipocloridria

Se o médico detectar uma patologia básica que causa hipocloridria, como por exemplo, hipotireoidismo, ele concentrará seu tratamento na referida doença. Uma vez resolvido o distúrbio subjacente, os sintomas devem desaparecer.

Pelo contrário, se a hipocloridria não tiver uma causa clara, serão tomadas medidas gerais. Essas diretrizes ajudam o corpo humano a recuperar a produção adequada de ácido clorídrico. Essas medidas são:

  • Mastigar devagar: a mastigação indica ao corpo que a digestão começará, então os mecanismos para isso serão ativados. Enquanto mastigamos, o hormônio gastrina, entre outros, começa a funcionar.
  • Infusões quentes: o uso de bebidas quentes após o almoço ou jantar estimula a produção de ácido clorídrico. É um mecanismo natural que pode ser utilizado. O oposto acontece com a água fria, que não é indicada na hipocloridria porque inibe a geração de ácido gástrico.
  • Substâncias naturais: vinagre de maçã, mel e sal marinho são produtos associados à estimulação do ácido clorídrico. Estes são apenas adjuvantes no âmbito de outras medidas que devem ser tomadas no caso da hipocloridria.

Em conclusão

A baixa produção de ácido clorídrico pode ser o gatilho para vários desconfortos digestivos. Está inclusive associada à anemia e aos altos níveis de colesterol. Portanto, é adequado receber um diagnóstico oportuno e, assim, determinar o tratamento adequado de acordo com a causa.

  • Lussana F, Betti S, et cols. Evaluation of the prevalence of severe hyperhomocysteinemia in adult patients with thrombosis who underwent screening for thrombophilia. Thromb Res. 2013 Dec;132(6):681-4
  • Robles Calderón, Javier Alejandro. Incidencia de la hipoaclorhidria o aclorhidria y nitritos en la mucosa gástrica como desencadenante de la atrofia y metaplasia gástrica en pacientes atendidos en el área de gastroenterología del hospital de Solca-Riobamba. MS thesis. Universidad de Guayaquil. Facultad de Ciencias Químicas, 2013.
  • Bendezu, Rogger Alvaro, et al. “¿ SON SEGUROS LOS INHIBIDORES DE LA BOMBA DE PROTONES?.” SESIONES HOSPITALARIAS 2011-2012 COMPLEJO HOSPITALARIO TORRECÁRDENAS: 39.