O que é a artropatia degenerativa

14 de junho de 2019
A artropatia degenerativa provoca dor, inflamação e impede que possamos realizar movimentos cotidianos com normalidade.

A artropatia degenerativa engloba um conjunto de transtornos que afetam o cartilagem hialina e o osso subcondral.  Existe um crescimento hipertrófico de todos os tecidos presentes ou que estão ao redor das articulações afetadas.

A artropatia degenerativa provoca dor, inflamação e impede que possamos realizar com normalidade os movimentos do dia a dia. A cartilagem é uma túnica que reveste os ossos e é indispensável para o bom funcionamento das articulações.

Causas da artropatia degenerativa

Como tratar a artropatia degenerativa

A artrose é a doença articular mais frequente na Espanha. Estima-se que mais de 7 milhões de espanhóis com mais de 21 anos sofrem de artrose no joelho, mãos ou coluna.

No Brasil estão registrados atualmente mais de 10 milhões de casos.

Esta doença, de acordo a estatísticas, é mais frequente em mulheres que em homens.

O aumento da expectativa de vida e o envelhecimento da população farão com que a artropatia degenerativa se converta na quarta causa de invalidez no ano 2020. Não se conhecem ao certo quais são as causas que originam a artrose, mas existem alguns fatores de risco associados ao seu surgimento:

  • Idade: aumenta de forma exponencial a partir dos 50 anos.
  • Sexo: afeta principalmente mulheres maduras com idades entre 50 e 55 anos.
  • Genética: pode ser também uma doença hereditária. Esse fator pode ser responsável por 65% dos casos da doença.
  • Atividade laboral: a repetição dos movimentos articulares pode provocar a longo prazo, uma sobrecarga articular.
  • Atividade física elevada: os esportistas de elite têm maior risco de desenvolver a doença.
  • Menopausa: a diminuição dos níveis de estrogênio que é consequência da chegada da menopausa é um dos fatores de risco para o desenvolvimento da artrose.
  • Obesidade: este problema parece não contribuir diretamente no desenvolvimento da doença, entretanto, pode agravar o problema em determinadas articulações como os joelhos.
  • Traumatismos: fraturas e lesões podem ser fatores que desencadeiem a doença.

Não deixe de ler também: Dieta para a menopausa: nutrientes essenciais

Sintomas

A artropatia degenerativa começa de forma gradual. Afeta uma ou várias articulações e posteriormente evolui a uma rigidez matutina, geralmente breve, melhorando com o movimento.

À medida que a doença avança, a mobilidade da articulação vai diminuindo. Por esse motivo, aparecem contraturas nas flexões, sensibilidade dolorosa com pressão e sensação de “estalos” nas articulações.

Às vezes podem gerar-se bloqueios mecânicos como consequência da presença de osteófitos ou de corpos livres no interior das articulações.

As dores e a inflamações articulares também podem aparecer depois de longos períodos de inatividade física durante o dia. O crescimento dos extremos ósseos que formam as articulações pode provocar que estas se deformem.

Os sintomas da artrose são muito variados e progressivos. Entretanto, os mais frequentes são as dores articulares, a limitação dos movimentos, os estalos e, em algumas ocasiões, o derrame articular.

O sintoma que mais preocupa a maioria das pessoas com artropatia degenerativa é a dor. Ao princípio, a dor cessa com o descanso. Entretanto, quando a doença se agrava a dor aparece tanto em repouso como em movimento.

Quer saber mais? Então leia: Diferenças entre artrite, artrose e osteoporose que valem a pena conhecer

Tratamento da artropatia degenerativa

Tratamentos para a artropatia degenerativa

O principal objetivo do tratamento da artropatia degenerativa é aliviar as dores e a invalidez funcional, sem provocar efeitos secundários.

Para conseguir isso, o primeiro passo que devem dar os especialistas é ensinar aos pacientes a maneira de evitar tudo o que possa lesar as articulações. Também se aconselha que cada pessoa tenha um roteiro de exercícios personalizados e adaptados.

Na fase mais aguda, a dor aumenta por causa da inflamação da região afetada. Quando isso ocorre, pode ser necessária a prescrição de anti-inflamatórios e/ou analgésicos para reduzir o inchaço da zona e assim acalmar a dor.

Medicamentos condoprotetores

São os únicos medicamentos específicos para tratar a artropatia degenerativa, porque agem diretamente sobre a articulação afetada.

Não somente aliviam a dor e melhoram a mobilidade, como também possuem a capacidade de atacar a doença pela raiz. Entre eles podemos encontrar fármacos como o sulfato de condroitina, o sulfato de glucosamina e o ácido hialurônico.

Mas lembre-se de que o fundamental sempre é a consulta com o médico, porque somente ele poderá orientar sobre o melhor tratamento a seguir.

Então, este artigo foi útil para você? Sendo assim, continue com a gente porque temos mais dicas para a sua saúde e bem-estar.

  • Schinca, N., & Alvarez, J. (2012). artropatía neuropática o Pie de Charcot. TraumaTología Revista Biomedicina |Traumatología.

  • Paz Jiménez, J.; González-Busto Mújica, I.; Paz Aparicio, J. (2002). Artrosis : patogenia y desarrollo. Rev Ortop Traumatol.

  • Wainstein, E. (2014). Patogénesis de la artrosis. Revista Médica Clínica Las Condes. https://doi.org/10.1016/S0716-8640(14)70098-7