O paracetamol é perigoso durante a gravidez?

25 Maio, 2020
Alguns estudos foram realizados para avaliar a segurança do uso de paracetamol durante a gravidez. Graças a eles, foi possível chegar a uma conclusão.
 

A administração de paracetamol durante a gravidez é um tema polêmico, e muitos especialistas ainda têm opiniões conflitantes. O acetaminofeno é um dos medicamentos mais vendidos no mundo. O problema com os medicamentos de venda livre é que, muitas vezes, os pacientes desconhecem seus efeitos adversos e contraindicações.

Até recentemente, as recomendações sobre o uso de paracetamol durante a gravidez indicavam que era perigoso usá-lo nessa condição. No entanto, com base na experiência clínica reunida, não há evidências da associação entre o uso do medicamento e o impacto no sistema urogenital ou em alterações no neurodesenvolvimento da criança.

Para que serve o paracetamol e como ele exerce seu efeito no corpo?

Este medicamento amplamente utilizado possui propriedades analgésicas e antipiréticas, ou seja, reduz a dor e também a febre. É um medicamento semelhante à aspirina, mas, diferentemente desta, não tem a capacidade de reduzir condições inflamatórias ou exercer qualquer efeito antiplaquetário.

Devido a essas propriedades, o paracetamol é usado no tratamento de dor moderada, aguda e crônica. É considerado o analgésico mais receitado para pacientes com mais de 50 anos de idade pela maioria dos profissionais.

Por outro lado, não se sabe exatamente como o paracetamol é capaz de desencadear seus efeitos, embora se saiba que ele atua de forma central. A hipótese mais amplamente aceita na comunidade científica é de que o paracetamol aumenta o limiar da dor inibindo as ciclo-oxigenases, moléculas que participam da síntese das prostaglandinas.

 

As prostaglandinas são proteínas relacionadas à dor. No entanto, o paracetamol não é capaz de inibir as ciclo-oxigenases no nível periférico, isto é, fora do sistema nervoso central. Por esse motivo, não possui atividade anti-inflamatória. Além disso, o paracetamol também inibe a síntese e os efeitos de vários mediadores químicos que sensibilizam os receptores da dor a estímulos mecânicos ou químicos.

Quanto à sua eficácia na redução dos sintomas febris, o paracetamol é capaz de bloquear a área do cérebro que controla a temperatura do corpo. Portanto, ele consegue dissipar o calor, desencadeando a vasodilatação e aumentando o fluxo sanguíneo periférico e a transpiração.

Comprimido de paracetamol
O acetaminofeno é um medicamento de venda livre, o que o torna amplamente utilizado.

Leia também: Por que um médico prescreve opioides?

Reações adversas do paracetamol

O paracetamol é hepatotóxico – possui toxicidade que afeta o fígado – embora na maioria dos casos essa toxicidade seja o resultado de uma overdose ou de doses excessivas administradas cronicamente. A hepatotoxicidade induzida pelo paracetamol se manifesta como:

  • Necrose hepática;
  • Icterícia: coloração amarela da pele e mucosas;
  • Sangramento digestivo ou hematomas na pele;
 
  • Encefalopatia.

Além dessa toxicidade, também pode provocar outros efeitos colaterais, como:

  • Neutropenia: diminuição dos glóbulos brancos;
  • Urticária e outras reações alérgicas.

Novas recomendações sobre o uso de paracetamol durante a gravidez

Mulher grávida tomando comprimido

O Ministério da Saúde da Espanha, por exemplo, alterou recentemente por meio da Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (AEMPS) as recomendações para o uso de paracetamol durante a gravidez. Quando um medicamento é comercializado, uma série de estudos observacionais é realizada para avaliar sua segurança a longo prazo ou detectar perigos que não puderam ser avaliados nas fases anteriores de estudo.

Durante essa avaliação periódica do paracetamol pelos departamentos de farmacovigilância da Espanha, mais foi investigado sobre o perigo que pode representar para o feto se uma mulher grávida seja medicada com paracetamol. Todos os novos dados de segurança deste medicamento, que foram gerados com esses estudos observacionais, foram incluídos nas especificações técnicas e nas bulas dos medicamentos que contêm esse ingrediente ativo.

 

Dessa maneira, a AEMPS tem uma base sólida para dar seu veredito final. Depois de realizar todas as revisões correspondentes, concluiu-se que não há evidências de que o uso pré-natal de paracetamol produza um impacto no sistema urogenital ou em distúrbios do desenvolvimento neurológico da criança.

Não deixe de ler: Nascem na Espanha as primeiras meninas livres do gene do câncer de mama hereditário

Conclusão sobre o uso de paracetamol durante a gravidez

Em resumo, é possível concluir que uma mulher grávida pode tomar paracetamol se este for clinicamente indicado para ela. No entanto, o uso abusivo deste medicamento deve ser evitado. As mulheres nessa condição devem tomar um cuidado especial ao usar qualquer medicamento, evitando, em todos os casos, a automedicação.

 
  • Farré, M., Abanades, S., Álvarez, Y., Barral, D., & Roset, P. N. (2004). Paracetamol. DOLOR. https://doi.org/10.12968/jprp.2019.1.1.7
  • Graham, G. G., Davies, M. J., Day, R. O., Mohamudally, A., & Scott, K. F. (2013). The modern pharmacology of paracetamol: Therapeutic actions, mechanism of action, metabolism, toxicity and recent pharmacological findings. Inflammopharmacology. https://doi.org/10.1007/s10787-013-0172-x
  • Eyers, S., Weatherall, M., Jefferies, S., & Beasley, R. (2011). Paracetamol in pregnancy and the risk of wheezing in offspring: A systematic review and meta-analysis. Clinical and Experimental Allergy. https://doi.org/10.1111/j.1365-2222.2010.03691.x