Quais são as causas dos nódulos mamários?

Você já apalpou nódulos nos seios? Você já se perguntou por que eles aparecem? Não se assuste! É possível que seja algo benigno.
Quais são as causas dos nódulos mamários?

Última atualização: 02 Janeiro, 2021

O câncer de mama é uma das doenças mais temidas por mulheres de todas as idades. Portanto, não é surpreendente que algumas se assustem quando sentem a presença de nódulos mamários. No entanto, na maioria dos casos, eles são benignos. Mas por que eles aparecem? A seguir, explicamos a você.

Em primeiro lugar, é importante esclarecer que as mamas são compostas por diferentes tipos de tecido. Dessa forma, podemos encontrar partes glandulares, adiposas e conectivas, sendo comum notar caroços ou massas sem que haja alteração na mama.

O que são os nódulos mamários?

Esse é um motivo frequente de consulta com os ginecologistas, pois encontrar um caroço nos seios causa medo e preocupação. Os nódulos mamários são lesões profundas com textura diferente do tecido circundante e de diâmetro variável.

Além disso, essa lesão não apresenta nenhuma modificação ao longo do ciclo menstrual, mas pode gerar assimetria em relação à mama contralateral. Em algumas ocasiões, os caroços podem ser dolorosos e ser acompanhados por algum tipo de secreção do mamilo.

Muitas pessoas associam nódulos mamários ao câncer de mama. No entanto, estudos têm demonstrado que em mais de 80% dos casos eles são benignos. Muitos deles podem até ser gerados por alterações hormonais causadas pelo ciclo menstrual ou durante a lactação.

Dores nos seios
Embora a dor nos seios possa acompanhar a existência de um nódulo na mama, isso não é necessariamente um sinal de câncer.

Tipos de nódulos mamários

Atualmente, são inúmeras as doenças capazes de gerar esse tipo de lesão nas mamas. Porém, para facilitar o seu estudo, é conveniente dividir os nódulos em dois grupos: benignos e malignos.

Nódulos benignos

Nódulos benignos da mama são aqueles que apresentam baixo risco de desenvolver câncer de mama ou que não são indicativos da presença da doença. Nesse sentido, quando apalpamos, encontramos um nódulo móvel, com bordas definidas, macio, doloroso e com poucas alterações na pele.

Entre as causas mais comuns deste tipo de lesão, estão as seguintes:

Nódulos malignos

Na maioria dos casos, os nódulos mamários malignos se formam a partir de lesões benignas que se tornaram malignas, gerando um carcinoma. Desta forma, quando apalpamos, sentimos um caroço duro, com bordas irregulares, imóvel, não doloroso e com alterações na pele ou no mamilo.

Esse tipo de massa é mais frequente em mulheres próximas aos 40 anos e, na presença delas, diversos exames complementares devem ser realizados para obter o diagnóstico correto. Isso pode incluir uma ultrassonografia da mama, mamografia ou biópsia.

Possíveis causas dos nódulos mamários

Mencionamos algumas das patologias que podem gerar esse tipo de lesão. No entanto, vamos ver em detalhes as três causas mais comuns. Todas elas requerem atendimento médico.

1. Abcessos mamários

Essa patologia é comum em mulheres jovens que estão grávidas ou amamentando. Os abscessos mamários se manifestam como massas muito dolorosas com alterações inflamatórias locais. Dessa forma, a área pode ficar vermelha, inflamada e quente.

Essa lesão é produto de uma infecção bacteriana e geralmente começa como uma mastite. Quando não é tratada com antibióticos, ocorre uma superinfecção e um acúmulo de líquido purulento, dando origem ao abscesso.

O tratamento dos abscessos mamários não difere daqueles que aparecem em outras partes do corpo. Nesse sentido, dependendo do seu tamanho, o líquido que está retido deve ser drenado. Embora sejam muito dolorosos, a sua evolução é favorável e geralmente desaparecem em poucas semanas.

2. Cistos mamários

Os cistos são a causa mais comum de caroços nos seios. De fato, estima-se que 90% das mulheres os apresentem. Esse tipo de malformação é comum em jovens entre 20 e 40 anos. Embora não se possa determinar a sua causa com precisão, as alterações hormonais poderiam influenciar o seu aparecimento.

São líquidos que se acumulam em uma cápsula de consistência mole, móvel, de tamanho variável e que pode se tornar bilateral. Ao contrário dos abscessos mamários, o fluido não infecciona, portanto não haverá alterações inflamatórias.

Alguns cistos mamários podem ser dolorosos e causar dor nos seios durante a menstruação. Embora não existam estudos que relacionem esta alteração com o risco de câncer de mama, é aconselhável fazer uma check-up constante dos mesmos.

No momento, não há tratamento específico para essa lesão. Se causarem muito desconforto ou forem grandes, o especialista pode recomendar drená-los, mas existe o risco de que apareçam novamente.

3. Fibroadenoma

É um nódulo benigno da mama que se forma quando a glândula mamária cresce irregularmente. Muitas vezes é confundido com um nódulo maligno, pois é duro, indolor, móvel e pode crescer com o tempo.

A medicina descreve 3 tipos de fibroadenomas: simples, complexos e gigantes. Os primeiros são aqueles tumores menores de 5 centímetros em que todas as células que os constituem têm características semelhantes. Ou seja, não há risco de malignidade.

Por outro lado, os fibroadenomas complexos apresentam um certo grau de atipia celular, ou seja, as células passaram a variar entre si. No entanto, de acordo com a Sociedade Americana de Câncer, o risco de desenvolver um carcinoma a partir desse tipo de tumor não aumenta significativamente.

Finalmente, os gigantes são aqueles que ultrapassam os 5 centímetros de diâmetro. Na maioria dos casos, esse tipo de massa desaparece com o tempo. Só será necessário um monitoramento constante para detectar se há alguma alteração no tamanho.

Em casos extremos, quando é excessivamente incômodo ou grande, pode ser feita uma remoção cirúrgica. No entanto, como no caso dos cistos mamários, eles podem voltar.

Exame de imagem
A realização de exames de imagem complementares é uma opção de abordagem.

Recomendações na presença de nódulos mamários

Como você pode ver, sentir um caroço na mama não é sinônimo de câncer. Muito provavelmente é um tumor benigno que não representa nenhum risco à vida. No entanto, é importante ir ao médico e fazer todos os exames correspondentes para um diagnóstico preciso.

Além disso, todas as mulheres devem fazer um autoexame das mamas pelo menos uma vez por mês. Só assim estaremos familiarizadas com a anatomia dos nossos seios, e assim, poderemos detectar a tempo qualquer anormalidade.

Pode interessar a você...
Tratamentos usados para combater os cistos nos seios
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Tratamentos usados para combater os cistos nos seios

Os cistos nos seios, também chamados de cistos mamários, são pequenos sacos de líquido que se formam no tecido mamário. Saiba mais aqui!



  • Jiménez VX, Rivera HM, García RFM, et al. Nódulo mamario palpable. Abordaje diagnóstico. Revista del Hospital Juárez de México. 2011;78(1):35-40.
  • Gallego G. Nódulo palpable de mama. Revista Colombiana de Obstetricia y Ginecología. 2005;56(1):82-1.
  • Aznar F, Cortadellas T, Xercavins J. Patología benigna de la mama II: Tumores benignos de mama. Fundamentos de Ginecología. Sociedad Española de Ginecología y Obstetricia SEGO. 2005:483-92.
  • Bajo Arenas J, Melchor Marcos J, Mercé Alberto L. Fundamentos de Ginecología (SEGO). Sociedad Española de Ginecología y Obstetricia; 2009.
  • Gallego G. Nódulo Palpable de Mama. Revista de Colombiana de Obstetricia y Ginecología. 2005;56(1):82-91.
  • Kosir M. Tumoraciones mamarias (nódulos de mama) – Ginecología y obstetricia – Manual MSD versión para profesionales [Internet]. Manual MSD versión para profesionales. 2019.
  • Gallardo, María García, et al. “Lesiones papilares intraductales mamarias: nuestra experiencia 2007-2017.” Revista de Senología y Patología Mamaria 33.3 (2020): 88-93.
  • Mendoza Salazar, Jennifer Vanessa. Nivel de asociación entre nódulos mamarios en adolescentes y su menarquía. Diss. Universidad de Guayaquil. Facultad de Ciencias Médicas. Carrera de Medicina, 2018.
  • Delgado, S., et al. “Mastitis infecciosas durante la lactancia: un problema infravalorado (I).” Acta Pediatr Esp 67.2 (2009): 77-84.
  • Loke, Benjamin Nathanael, et al. “Genetics and genomics of breast fibroadenomas.” Journal of Clinical Pathology 71.5 (2018): 381-387.
  • Rodríguez López, Pilar, et al. “Fibroadenoma gigante juvenil de mama: Presentación de un caso clínico.” Revista chilena de obstetricia y ginecología 85.4 (2020): 376-382.