Dicas para prevenir e detectar a tempo os cistos nos seios

14 Janeiro, 2020
Devemos realizar um autoexame frequente para comprovar se existe algum tipo de anomalia nos seios para relatar ao médico. Isso não significa que essas anomalias serão sempre tumores, mas é conveniente estar sempre atenta.

Para muitas mulheres o termo “cisto” pode ser muito alarmante, ainda mais quando se examinam e detectam cistos nos seios.

Mesmo que isso deva sempre ser motivo para uma consulta médica, o fato é que na maioria dos casos trata-se de um tumor benigno que não representa maiores riscos para a saúde.

Os cistos são sentidos como pequenos “nós” que, a princípio, podem ser confundidos com aqueles causados por um câncer de mama. Por isso, é muito importante saber do que se trata e consultar o médico para receber o tratamento mais adequado e, o mais importante, a tempo.

Se você quiser saber como preveni-los, leia este artigo. Primeiro, precisamos saber o que exatamente são os cistos nos seios.

O que são os cistos mamários?

Os cistos mamários ão como sacos de tamanho pequeno a médio, cheios de líquido, que crescem no interior das mamas quando as glândulas mamárias são bloqueadas ou aumentam de tamanho.

Quem tem cistos pode apresentar um ou vários ao mesmo tempo, visto que podem ser de diferentes tamanhos (tão pequenos quanto uma ervilha ou tão grandes quanto uma bola de ping pong).

Segundo a American Cancer Society, são mais frequentes em mulheres entre 40 e 49 anos de idade, embora possam ocorrer em mulheres de qualquer idade. As alterações hormonais de cada mês geralmente fazem com que os cistos cresçam e se tornem mais dolorosos e, às vezes, mais evidentes antes da menstruação.

Como detectar os cistos nos seios?

Quando o cisto tem um tamanho considerável é comum detectá-lo apalpando o seio, ou seja, fazendo o autoexame.

Ao tocar um dos seios é possível sentir algo como uma “bolinha” firme ou macia por dentro, que é o principal sinal de alerta.

mamografia

Quando não é tratado imediatamente, seu tamanho aumenta com o passar do tempo e pode chegar a causar dor poucos dias antes da menstruação, durante a tensão pré-menstrual (TPM), sendo este o momento mais adequado para detectá-lo.

Porém, existem alguns cistos muito pequenos que só podem ser detectados por meio de mamografia ou ecografia.

Quando a presença de cistos é evidenciada na mamografia, realiza-se uma ecografia mamária para determinar se o nódulo está preenchido por líquido ou se é sólido, se é “simples” ou “complexo”.

Este último exame é a melhor forma de detectar o problema, já que a probabilidade de identificá-lo e diagnosticá-lo é de 95% a 100%.

Os cistos nos seios causam câncer?

Esta é uma das perguntas e preocupações mais frequentes das mulheres, já que se sabe que os nódulos nos seios são um sinal de câncer. Porém, a maioria dos diagnósticos são de “cistos simples” e nunca se tornam cancerígenos.

Calcula-se que apenas 1 em cada 1000 cistos contenham um tumor e, na maioria dos casos, pode-se detectá-los de forma oportuna para evitar o risco de câncer de mama.

Descubra: Principais causas do câncer de mama que você deveria conhecer

Por isso, assim como para prevenir ao câncer, é recomendável fazer um autoexame nos seios mensalmente, com a finalidade de detectar qualquer mudança estranha a tempo.

Dicas de prevenção

De acordo com as causas dos cistos nas mamas, existem alguns alimentos e hábitos que podem contribuir para que apareçam. Mas, em nenhum caso são “produtos milagrosos” que curam ou previnem completamente o câncer.

Uma vez feito esse aviso, tome nota:

Fibras

Os alimentos ricos em fibras não devem faltar em nenhum plano de alimentação, já que têm muitos benefícios para o corpo.

Fibra-500x334

Dentre os recomendados para prevenir o desenvolvimento de cistos nos seios, estão:

  • Aveia
  • Leguminosas
  • Abacate
  • Pera
  • Maçã
  • Brócolis
  • Arroz integral

Vegetais crucíferos

Esse tipo de verdura contém um composto chamado indol 3-carbinol, que pode contribuir para reduzir a capacidade dos estrogênios de se aderir ao tecido mamário.

Verduras-crucíferas-500x330

Você pode escolher as seguintes:

  • Couve
  • Couve-de-bruxelas
  • Brócolis
  • Couve-flor
  • Nabo
  • Rabanete
  • Extrato de chá verde (uma xícara por dia é o recomendado)

Seu alto teor de antioxidantes contribui para combater a ação dos radicais livres que se acumulam no corpo e que estão associados ao desenvolvimento de tumores benignos e malignos.

Diminuir o consumo de gordura e carboidratos

Os tecidos mamários são sensíveis aos alimentos ricos em gordura e carboidratos refinados, já que elevam ao máximo os níveis de estrogênio.

Ao produzir esses hormônios em excesso, o tecido mamário se estimula e aumenta o risco de sentirmos dor, sofrermos de inflamações, cistos ou tumores.

Leia também: Novo método promete destruir os tumores de câncer de mama em pouco tempo

Os alimentos que devemos evitar são:

  • Carnes processadas
  • Carnes vermelhas
  • Laticínios
  • Manteiga vegetal
  • Frituras e doces
  • Pão branco
  • Xarope de bordo
  • Bolos
  • Comidas rápidas e pré-cozidas
  • Molhos industrializados

Por último, vale lembrar que a partir dos 40 anos o ideal é fazer um exame médico regular para se assegurar de que não existem anormalidades nos seios.

Em resumo, você já aprendeu a detectar e prevenir possíveis cistos mamários. Embora você deva sempre consultar seu médico, temos certeza de que nossos conselhos serão muito úteis.

  • Dupont, W. D., & Page, D. L. (1985). Risk Factors for Breast Cancer in Women with Proliferative Breast Disease. New England Journal of Medicine312(3), 146–151. https://doi.org/10.1056/NEJM198501173120303
  • Gupta, S., Kumar, D., & Sharma, A. (2011). Data Mining Classification Techniques Applied for Breast Cancer Diagnosis and Prognosis. Journal of Computer Science2(2), 188–195.
  • Rauscher, G. H., Ferrans, C. E., Kaiser, K., Campbell, R. T., Calhoun, E. E., & Warnecke, R. B. (2010). Misconceptions about breast lumps and delayed medical presentation in urban breast cancer patients. Cancer Epidemiology Biomarkers and Prevention19(3), 640–647. https://doi.org/10.1158/1055-9965.EPI-09-0997