Não é que você não tenha tempo, é que não tem interesse

· 28 de março de 2018
Ao invés de demonstrar um interesse fingido, comece a externalizar o que realmente sente. Pare de mentir para os outros e, principalmente, para você mesmo.

Sempre tem-se tempo para aquilo que queremos fazer. Porém, em ocasiões, usamos a desculpa da falta de tempo para não fazer as coisas pelas quais não temos interesse.

Por exemplo, talvez somos convidados a um jantar entre amigos, mas não queremos ir. Talvez estejamos cansados ou existam outras coisas que queremos fazer mais.

Então dizemos: “Ah, desculpa, não posso ir, não tenho tempo!”.

Nossos amigos podem pensar que isso é assim, mas, quando essa resposta se transforma em uma constante, algo está acontecendo.

Não finja que você está interessado

Mulheres que não têm interesse no jantar

Fingir interesse por alguém ou por algo para, depois usar uma desculpa para não estar com a pessoa ou fazer algo que não estamos com vontade é consequência de desejarmos passar uma imagem que não corresponde com o que somos.

Queremos sem bem vistos, é assim que nos ensinaram, a não dizer “não”, a não negar diante de algo que é considerado socialmente aceitado.

Porém, aqui há um conflito entre o que é desejável e o que nós queremos. Se não desejarmos ficar com nossos amigos porque não temos vontade, é melhor dizer a verdade. Não devemos usar desculpas sobre um tempo que, na realidade, nós temos sim.

O pior disso não é que saibamos fingir bem, mas sim que acreditemos nesta mentira que contamos aos outros e a transformemos em nossa forma de agir.

Se nos descobrirem, perderemos a confiança daqueles a quem amamos porque não soubemos ser sinceros com eles e expressar nossas necessidades sem no sentirmos mal por isso.

Porém, é algo que temos que praticar, porque desde muito pequenos nos educaram para satisfazer as necessidades dos outros, mas não as próprias.

Você pode dizer “não” sem se sentir mal

Pessoa mentirosa

Não nos educaram para dizer o que queremos, para expressar o que desejamos, para dizer “não” se é o que pensamos.

Educaram-nos no “sim” a tudo e nas desculpas quando isso não se corresponde com nossas necessidades. Estamos jogando para manter as aparências enquanto nos enganamos e, também, enganamos aos outros.

Dizer “não” faz com que nos sintamos mal, não só pelo fato de negarmos algo, mas sim pelo medo de como as outras pessoas vão reagir.

Porque essa falta de negação de nossos desejos faz com que criemos um mundo onde sabemos que, peçamos o que peçamos, a resposta será sempre sim.

Isso causa muitos problemas, pois no começo essas desculpas podem funcionar, mas depois as pessoas começam a perceber sua falta de interesse.

 Se for assim, com certeza você se dará conta de que uma vez pode ser, duas também, mas, quando já é uma constante, denota uma grande falta de interesse.

Isso faz com que você se sinta mal, mas… não é verdade que você também age assim? Ser consciente disso permitirá começar a agir de outra forma, não dar a desculpa da falta de tempo por pouco interesse em algo e começar a manifestar o que você quer e sente de verdade.

Comece a ser você mesmo

Mulher com falta de interesse em outras pessoas

Comece a mostrar sua falta de interesse em um encontro social, para uma pessoa ou em qualquer outro cenário em que esteja, se assim você se sentir.

Não é necessário usar desculpas, porque vai ter que pôr muito cuidado para que ela não saia pela culatra. Do contrário, podem te descobrir!

A falta de tempo é muito usada, mas por acaso já não é hora de começarmos a ser sinceros? Sempre estamos pedindo que os outros sejam sinceros conosco e, em contrapartida, fazemos o contrário.

Diga “não” se você sente que deve, negue-se a fazer algo se não quer e, principalmente, seja honesto com todas aquelas pessoas que podem ter interesse em ficar com você ou em manter amizade ou relacionamento, para não machucá-las.

Ninguém tem porque supor que temos falta de interesse. Também não temos que mentir para nós mesmos dizendo que não temos tempo.

É melhor que comecemos a ser tal e como somos, sem medo.