Meus filhos não comem peixe: o que posso fazer?

· 9 de outubro de 2018
Você se preocupa com a alimentação de seu filho? É o momento de ajudá-lo a se alimentar de acordo com seus gostos. Leia como garantir uma dieta saudável.

Meus filhos não comem peixe: Estou preocupada! No início da alimentação complementar, muitos pediatras recomendam incluir peixe branco. Isso se deve à grande quantidade de nutrientes e vitaminas contidas neste alimento. No entanto, muitas crianças costumam recusá-lo, mas não se preocupe! Existe uma grande quantidade de alimentos que podem perfeitamente substituir o peixe.

Como mãe, um dos maiores desejos é que nosso filho coma e desfrute cada prato que preparamos. Porém, realmente, a maioria das crianças recusa provar muitos alimentos. Não importa o que façamos, ainda que disfarcemos o peixe ou as verduras, nosso filho provavelmente os deixará no prato.

Preocupar-se com a alimentação de nossos filhos é totalmente normal. Em parte, seu desenvolvimento, saúde e crescimento dependem dos alimentos que consuma.

Meus filhos não comem peixe: importância de entender o que querem comer

Cada criança é um mundo. Com certos gostos, apetites e tempos de adaptação determinados. Assim como existem bebês que caminham aos 10 meses e outros com mais de um ano, as diferenças individuais na alimentação são normais em todas as crianças. Portanto, não devemos pressioná-los para que comam algo que não estão acostumados a comer.

Confira os 5 requisitos para ter uma boa alimentação 

Se seus filhos não comem peixe não os obrigue

Seu filho tem seu próprio estilo de alimentação. Assim como seu pequeno nasce com um caráter determinado, também tem preferências alimentares. Por exemplo, algumas crianças são inapetentes, ou seja, dá no mesmo comer ou não comer. Outros, pelo contrário, têm um apetite invejável. Adoram provar novas texturas e sabores. Existem outros mais caprichosos que somente comem alguns alimentos em particular.

Se você forçar, chantagear ou ameaçar seu filho para que coma o que é servido na mesa, somente fará com que odeie e rejeite o alimento. Deve ser paciente e ensiná-lo que existe mais de uma opção na hora de comer.

Sente-se do lado dele e coma. Ele, por repetição, provará as coisas que você está comendo. Além disso, lembre-se de que sempre você sempre será o exemplo para seu filho. Se quiser mudar seus hábitos alimentares, comece por demonstrar a ele que você desfruta estes alimentos. 

Meus filhos não comem peixe porque não gostam do sabor

Nem todos os alimentos, em particular o peixe, conseguem chamar a atenção das crianças. Isso se deve ao fato de que durante a infância, a percepção gustativa e olfativa está muito desenvolvida.

Se seu filho não gostar de peixe, e se encontrar nos primeiros anos de vida, deve-se ao fato de suas papilas gustativas ainda serem altamente sensíveis. Por isso, é mais provável que rejeite alguns alimentos, principalmente aqueles cujo sabor é muito forte.

Meus filhos não comem peixe porque são vegetarianos

Depois do primeiro ano de vida, a maioria dos pediatras recomenda que as crianças consumam os mesmos alimentos que seus pais. Mas, o que acontece se os pais forem vegetarianos?

Se seus filhos não comem peixe não dê bronca neles

Especialistas da Academia Americana de Pediatria, afirmam que as dietas lacto-vegetarianas, que incluem leite e as ovo-lacto-vegetarianas, que permitem o leite e o ovo, cobrem as necessidades nutricionais das crianças.

O fundamental é que a criança leve uma dieta variada e bastante equilibrada, consumindo peixe ou não. Quando os bebês vegetarianos recebem as quantidades necessárias de leite materno e suas dietas fornecem os nutrientes necessários como ferro, vitamina B12 e vitamina D, seu crescimento é completamente normal.

Meus filhos não comem peixe porque os danifica

Durante o primeiro e segundo ano de vida, as crianças podem manifestar alergia a certos alimentos. E o peixe não é a exceção. Se seu filho não come peixe porque se sente mal ao ingeri-lo, deve estar atento aos sintomas que apresenta.

Quando o corpo ingere algum alimento que o machuca, o sistema imune reage tentando enfrentar o agente invasor. Como consequência, o organismo libera diferentes substâncias químicas. Entre elas, a histamina. Quando isso acontece, podem aparecer os seguintes sintomas: tosse, dor de estômago, brotoejas, opressão da garganta, respiração sibilante, entre outros.

Meus filhos não comem peixe: Quais vegetais podem substituí-lo?

Se seu filho não comer peixe, não se preocupe, pode substituí-lo em sua dieta. Somente deve levar em consideração as propriedades nutricionais desse alimento e substituí-las com alguns dos produtos vegetais das seguintes listas.

Não perca o artigo: Comer frutas e vegetais regularmente evita o câncer?

Se seus filhos não comem peixe substitua-o com verduras

Para trazer ômega 3 e 6 para sua dieta:

  • Sementes de girassol
  • Frutos secos: nozes, castanha de caju, amêndoas, avelã
  • Lecitina de soja
  • Sementes de chia, linhaça e cânhamo
  • Soja

Para trazer vitaminas A e B para a dieta inclua:

  • Cenoura
  • Batata
  • Verduras de folhas verdes
  • Legumes
  • Couve
  • Abóbora
  • Alface
  • Melão

Alimentos com altas quantidades de iodo:

  • Algas
  • Brócolis
  • Couve
  • Espinafre
  • Mirtilos

Para que seus filhos consumam a quantidade necessária de proteínas, pode lhes oferecer:

  • Alcachofra
  • Tofu
  • Aspargos
  • Couve-flor
  • Milho macio
  • Ervilhas frescas
  • Grãos
  • Cereais

Conclusão

As crianças podem ser muito suscetíveis na hora de comer. Principalmente se se encontram na etapa de desmame ou ainda são lactantes. Isso acontece porque durante os primeiros anos de vida das crianças, suas papilas gustativas são altamente sensíveis e percebem melhor os sabores que os adultos.

Se seu filho não desfruta comer peixe, não deve se alarmar. Às vezes, pode ser alérgico ao alimento. Mas, sempre terá mais de uma opção para assegurar que seu filho cresça de forma saudável.

Procure ser criativo na cozinha e brincar com os diferentes alimentos de origem vegetal que possam substituir o peixe. Somente lembre de levar em consideração as necessidades alimentares da criança.