Meu filho é reprovado em várias matérias, o que posso fazer?

As falhas das crianças podem responder a muitas razões. Encontrá-las e agir é a melhor maneira de promover o desempenho escolar do seu filho. Contaremos por onde começar.
Meu filho é reprovado em várias matérias, o que posso fazer?

Última atualização: 03 agosto, 2022

Antes das férias, chega um dos momentos mais temidos por pais e filhos: a entrega das notas. Essas classificações podem desencadear elogios e celebrações, conversas embaraçosas em algumas famílias e batalhas em outras. Os pais se perguntam “o que eu faço se meu filho falhar em várias disciplinas?”.

Essas situações podem ser um duro golpe para crianças e adolescentes, mas também para seus pais, que podem não saber como lidar e melhorar a situação. A realidade é que não existe uma razão única para notas baixas, nem existe uma solução universal. Portanto, queremos oferecer-lhe algumas chaves para proceder nestas circunstâncias.

Por que meu filho é reprovado em várias matérias?

Muitas vezes, o mais simples é culpar a criança por suas notas ruins e atribuir esses resultados à sua falta de esforço. Embora em muitas ocasiões seja a falta de dedicação que é a causa, pode haver mais razões.

Problemas de aprendizagem

Uma criança ou jovem pode não alcançar o sucesso acadêmico porque tem dificuldades adicionais que não foram identificadas. Dislexia, TDAH, síndrome de Asperger, distúrbios motores ou discalculia são algumas condições que podem dificultar o aprendizado em sala de aula e fora dela.

Se seu filho sofre de algum deles e não recebe o acompanhamento, tratamento ou apoio adequado, será muito difícil para ele se manter nos estudos.

Falta de motivação

Em outras ocasiões, os pais brigam constantemente com os filhos para que estudem todos os dias e se concentrem no que estão fazendo. Eles sempre encontram uma desculpa para adiar esse momento e encontram qualquer pretexto para se distrair de suas tarefas (algo que está se tornando mais fácil com as redes sociais).

Esta situação nem sempre ocorre porque o filho é irresponsável, mas sim porque está desmotivado. As aulas, o estilo de aprendizagem ou o funcionamento do sistema educativo não atraem a sua atenção, não despertam a sua curiosidade ou o seu desejo de aprender.

Desta forma, ele pode considerar o estudo uma perda de tempo.

Hábitos e técnicas de estudo inadequados

Muitas crianças se esforçam para estudar e fazer a lição de casa; mesmo assim, continuam tirando notas baixas. É verdade que investem várias horas por dia, começam a estudar com antecedência e aproveitam o tempo (não se distraem); no entanto, eles não obtêm os resultados esperados.

Isso geralmente ocorre porque eles têm maus hábitos de estudo. Lembremos que não se trata de estudar mais, mas de estudar melhor.

Falta de tempo

Também é possível que, se seu filho for reprovado em várias disciplinas, seja porque ele não tem tempo suficiente para se dedicar aos estudos. Crianças e adolescentes às vezes têm agendas lotadas entre as atividades escolares, aulas, esportes etc. Eles não apenas tiram tempo dos estudos, mas também carregam um nível de estresse que os impede de realizar as coisas da maneira certa.

Problemas emocionais

Por fim, se a criança está passando por momentos difíceis pessoalmente, na família ou na escola, isso pode afetar suas notas. Divórcio dos pais, luto por um ente querido, sofrer bullying ou não saber administrar as emoções podem tornar extremamente difícil se concentrar em seus estudos.

O que fazer se seu filho for reprovado em várias matérias?

A origem das notas baixas pode ser muito diversa. Portanto, as medidas a serem tomadas dependerão do caso concreto.

Mostramos algumas chaves que podem ser úteis:

  • Caso suspeite da existência de um problema de aprendizagem, o melhor é procurar um profissional para uma avaliação psicológica. Ele poderá determinar os suportes e adaptações mais adequados, bem como ensinar-lhe estratégias.
  • É importante estabelecer uma rotina e incutir bons hábitos de estudo. Seu filho precisa aprender a planejar e organizar, ter espaço adequado e trabalhar todos os dias. Deixar tudo para antes do exame não é uma boa opção. Ele pode precisar aprender novas habilidades de estudo que funcionem para ele. No início você pode ajudá-lo (ou procurar ajuda externa) com esse objetivo, mas é importante que ele se responsabilize progressivamente por seu progresso.
  • Às vezes, pode ser útil priorizar atividades para aliviar a agenda e dar à criança mais tempo para estudar. Estresse excessivo não é positivo.
  • Se ele tiver problemas de concentração ou um determinado assunto for difícil para ele, você pode se oferecer para ajudá-lo. No entanto, quando os pais atuam como professores, a emotividade torna a experiência muito negativa para ambos. Um professor particular pode ser uma boa solução.
  • Para combater a falta de motivação, a criança deve ser ajudada a se envolver com seu próprio projeto de vida. Incentive-os a se projetar no futuro, imaginar a vida que desejam viver e entender como os estudos desempenha um papel importante nesse plano. Embora a escola não o motive a curto prazo, ele terá um incentivo para continuar.
Família faz lição de casa.
O apoio dos pais não pode ser ignorado, mas não pode ultrapassar certos limites, para que a criança se torne responsável por si mesma.

Se seu filho falhar nas matérias, você não ganha nada com a punição

Brigas e punições excessivas não são uma boa alternativa educacional.

Essas práticas minam a autoestima dos filhos e minam os laços afetivos entre pais e filhos. É preferível focar no reforço positivo e na busca de soluções conjuntas.

Se o seu filho falhar em várias disciplinas, sente-se com ele para discutir as possíveis causas e as soluções disponíveis. Envolva-o neste processo para que ele se responsabilize pelo ocorrido, mas ao mesmo tempo, deixe-o saber que tem o seu apoio para encontrar uma solução adequada.

O reforço positivo pode ser usado para motivar a criança, mas não é conveniente usar recompensas materiais excessivas para recompensá-la. A motivação intrínseca (que surge do próprio desejo de aprender, melhorar ou atingir seu próprio objetivo) é muito mais forte do que o reforço externo.

Pode interessar a você...
Escola dá bolsa de estudos para menina que estudava debaixo de caixas de papelão na rua
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Escola dá bolsa de estudos para menina que estudava debaixo de caixas de papelão na rua

María foi flagrada enquanto estudava debaixo de caixas de papelão com uma mesa improvisada pelo pai dela, que trabalha lavando carros.



  • Aguilar, J., González, D., & Aguilar, A. (2016). Un modelo estructural de motivación intrínseca. Acta de investigación psicológica6(3), 2552-2557.
  • Artigas-Pallarés, J. (2002). Problemas asociados a la dislexia. Revista de neurología34(1), 7-13.
  • Enríquez Villota, M. F., Fajardo Escobar, M., & Garzón Velásquez, F. (2015). Una revisión general a los hábitos y técnicas de estudio en el ámbito universitario. Psicogente18(33), 166-187.