A medicina realmente aumentou nossa expectativa de vida?

A expectativa de vida aumentou no último século para quase o dobro dos dados anteriores. Explicamos quais fatores influenciaram esse fato.
A medicina realmente aumentou nossa expectativa de vida?

Última atualização: 19 junho, 2022

A expectativa de vida aumentou notavelmente nas últimas décadas. Principalmente nos países desenvolvidos. O conceito se refere ao número de anos que, em média, uma pessoa de uma determinada idade espera viver.

Por exemplo, pode-se dizer que as pessoas que hoje têm 65 anos têm uma expectativa de vida de cerca de 20 anos a mais. Até há relativamente pouco tempo, a esperança de vida rondava os 30 ou 40 anos.

Felizmente, esses dados mudaram. Muitas pessoas atribuem esse fato aos avanços da medicina. Neste artigo, explicamos como a medicina influenciou a expectativa de vida e quais outros fatores foram determinantes.

Aumento da expectativa de vida no mundo

A expectativa de vida é o número médio de anos que uma determinada população vive em um determinado período. Até recentemente, os seres humanos tinham uma expectativa de vida menor.

Tanto assim, que a expectativa de vida ao nascer era em torno de 30 anos. De acordo com uma publicação no The New York Times, este valor já aumentou significativamente. Desde 1900, estima-se que a expectativa de vida em todo o mundo dobrou.

O recorde de longevidade foi alcançado há mais de vinte anos. Uma francesa chamada Jeanne Calment morreu aos 122 anos. É um fato excepcional, pois a maioria das pessoas nem chega aos 90 anos de idade.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), a população das Américas ganhou em média 16 anos de vida nos últimos 45 anos, ou seja, quase 2 anos por quinquênio. Nesse sentido, uma pessoa nascida no continente americano pode viver até 75 anos ou mais, o que representa quase 5 anos a mais que a média mundial.

A medicina realmente aumentou a expectativa de vida?

A expectativa de vida no mundo quase dobrou no último século. A medicina tem desempenhado um papel preponderante neste fato. Graças a isso, a mortalidade por doenças infecciosas foi reduzida.

Por exemplo, o desenvolvimento de vacinas e antibióticos ajudou a controlar doenças como a varíola ou a malária. No entanto, existem outros fatores determinantes. A melhoria da qualidade da água, dos alimentos, a limpeza dos espaços públicos ou mesmo a promoção da higiene têm sido fundamentais.

Graças aos avanços da medicina, as condições de gravidez e parto também melhoraram. Da mesma forma, as taxas de mortalidade infantil foram reduzidas.

Pesquisas afirmam que a expectativa de vida no México era em torno da quarta década de vida há 100 anos, e hoje está próxima da sétima década. Um fator determinante dessa conquista é o avanço da medicina preventiva e a nova cultura de promoção de um estilo de vida saudável.

A diminuição da mortalidade por causas infecciosas fez com que o câncer e outras patologias crônicas ganhassem peso. No entanto, os avanços no diagnóstico e tratamento de doenças complexas também aumentaram a expectativa de vida.

A medicina avançou até mesmo em doenças raras. As opções terapêuticas estão aumentando. Embora seja verdade que não tenha sido encontrada uma cura para muitos delas, como a esclerose lateral amiotrófica, estamos cada vez mais perto de alcançá-la.

Avanços na medicina.
Os avanços médicos tornaram possível a cura de patologias que não tinham solução há 50 ou 60 anos.

As taxas de mortalidade diminuíram

A expectativa de vida aumentou e as taxas de mortalidade diminuíram. A taxa de mortalidade geral é um pouco alta na infância e diminui durante a primeira fase da vida, em geral.

Durante a idade adulta, aumenta um pouco novamente. No entanto, não é até a idade de 70, quando ela atinge seu maior ponto. É verdade que as taxas de mortalidade diminuíram graças à medicina. No entanto, existem muitos outros aspectos que influenciaram esse fato.

A transição epidemiológica é definida como a mudança nos padrões de mortes e doenças que afetam uma população. O que aconteceu nas últimas três décadas é apenas isso.

Alguns países conseguiram passar de altas taxas de mortalidade por doenças infecciosas e tempos de fome para doenças degenerativas como as principais causas de morte.

Assim, nos países desenvolvidos as principais causas de morte são as doenças cardiovasculares, doenças respiratórias crônicas, diabetes e câncer. Além disso, espera-se que nos próximos anos haja um aumento na taxa de óbitos por essas causas devido ao crescimento populacional, envelhecimento e exposição a fatores ambientais.

No entanto, nos países em desenvolvimento as 6 principais causas de morte continuam a ser as doenças infecciosas. A razão é que a transição epidemiológica não é equitativa. Isso significa que a expectativa de vida também é diferente em cada lugar.

Viva depois dos 100 anos

A expectativa de vida após 100 anos é limitada. Os limites da longevidade humana ainda são desconhecidos. A partir dos 70 ou 80 anos, há uma alta prevalência de comorbidades.

Isso significa que a população acima de 100 anos apresenta uma fragilidade significativa. As demências constituem o grupo de patologias mais frequente nesta idade. O mesmo acontece com a hipertensão, processos cancerígenos e outras doenças degenerativas.

Estudos têm demonstrado que danos celulares inevitáveis ocorrem ao longo da vida. Esses danos são parcialmente reparados. Portanto, com o passar do tempo, o corpo enfraquece.

O chamado platô de mortalidade pode ser em torno de 105 anos. A partir desse momento, a probabilidade de uma pessoa morrer no ano seguinte é de 50%. Ou seja, o risco de morte não progride à medida que você envelhece além desse ponto.

Mulher longeva.
A longevidade é um tema em estudo. Após 100 anos, é difícil estabelecer a expectativa de vida a médio prazo.

A expectativa de vida é uma estimativa

A expectativa de vida é uma estimativa de quantos anos uma determinada população vive. Não é ajustado especificamente para cada pessoa, mas é um número indicativo. No século passado, aumentou para quase o dobro do que era estimado décadas atrás.

As pessoas nos países desenvolvidos têm uma expectativa de vida de cerca de 80 anos. Devemos ter em mente que isso não se aplica a todos os países do mundo igualmente.

Não se sabe qual pode ser a idade máxima humana. A medicina tem ajudado consideravelmente a melhorar a expectativa de vida, mas não tem sido o único fator de influência.

Pode interessar a você...
A alimentação vegetariana: guia para iniciantes
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
A alimentação vegetariana: guia para iniciantes

A alimentação vegetariana e a vegana são baseadas na ideia de não consumir produtos vindos dos animais, incluindo ou não ovos e lácteos, conforme o...



  • Domínguez Alonso, Emma, and Armando H. Seuc. “Esperanza de vida ajustada por algunas enfermedades crónicas no transmisibles.” Revista Cubana de Higiene y Epidemiología 43.2 (2005): 0-0.
  • ¿Cuántos años puede vivir un ser humano? – The New York Times. (n.d.). Retrieved May 17, 2021, from https://www.nytimes.com/es/2018/07/05/espanol/expectativa-de-vida-longevidad.html
  • Arredondo García, José Luis. “Transición epidemiológica.” (2019).
  • PRIETO GÓMEZ, BERTHA, ROCÍO CONTRERAS PÉREZ, and MIREYA VELÁZQUEZ PANIAGUA. “El envejecimiento y los radicales libres.” Ciencias 075.
  • Rivero Serrano O, Martínez L. La medicina actual. Rev. Fac. Med. (Méx.). 2011  Abr;  54( 2 ): 21-32.