Por que meu bebê sempre quer colo?

15 de julho de 2018
O contato físico é uma fonte de saúde e bem-estar para os bebês. Quando um bebê chora porque quer ter a mãe por perto, é melhor seguir o seu instinto e ir pegá-lo no colo.

“Meu bebê sempre quer colo desde o primeiro respiro”, as mães reconhecem. Muitas em êxtase, outras surpresas. E em vez de nos deixar levar pelos nossos instintos, ouvimos o que as outras mães ou especialistas dizem.

Ao nascer, um bebê pode não reconhecer quem é sua mãe. No entanto, desde a primeira respiração, sensores que lhes permitem preservar a vida são instintivamente ativados. A linea nigra que cruza a barriga da gestante indica o caminho para alcançar o peito de sua mãe, de onde ele retira seu alimento.

O bebê passa nove meses no útero e, no nascimento, ainda é imaturo. Depende inteiramente de sua mãe para sobreviver. O apego será o caminho para garantir o seu bem-estar desde o nascimento até a maturidade, e o amor será sua força vital para viver.

O bebê sempre quer colo

Com amor te abraço, meu filho, e agradeço sua luz brilhante, sua respiração, a pequenez de seu corpo, que me dão carinho e conquistam meu coração“, dirá uma mãe mais inspirada. Mas em vez de segurá-lo no colo, muitas vezes nos deixamos levar pelas opiniões que dizem que toda vez que o bebê chora, não devemos ir ao seu encontro.

Leia também: Por que os bebês chutam na barriga?

Mãe segurando seu bebê no colo

Dizem que se você pegar o bebê no colo toda vez que ele chorar, ele aprende a nos manipular. Além disso, que sua capacidade futura de ser independente será diminuída. Como se um bebê entendesse o que é manipulação ou independência. O bebê é um mamífero e, como tal, depende da proximidade da mãe para sobreviver e crescer.

O amor é o melhor estímulo para criar laços afetivos com o bebê e favorecer seu bom desenvolvimento. O bebê sempre quer colo porque o amor é uma necessidade primordial, tanto quanto a comida ou a higiene.

O bebê precisa da exterogestação 

O bebê precisa da proximidade de sua mãe por pelo menos mais nove meses para poder se adaptar à vida fora do útero. Só assim o seu desenvolvimento integral é garantido. É o que chamamos de exterogestação.

O bebê reconhece o amor materno por meio da proximidade e do contato físico. Se o bebê chorar, não é só porque ele está com fome, com sono ou sua fralda está suja. O bebê sempre quer colo porque sua pele é o principal sensor do amor de sua mãe. 

Não perca este artigo: A chupeta em bebês e crianças

Mãe ninando seu filho bebê

Ao mesmo tempo, o bebê desperta instintos de apego na mãe, porque a natureza também tem instintos para nós. Mas somos capazes de silenciar o que sentimos para ouvir uma opinião, confirmar uma teoria ou retomar a vida profissional. Mesmo assim, o bebê continua pedindo e precisando que a mãe esteja por perto.

Muitos insistem que ele precisa dormir sozinho no quarto, que ele precisa de horários fixos para se alimentar ou que você não deve atendê-lo toda vez que ele chora. Não nos damos conta de que eles passaram nove meses apoiados pelo útero, eles dormiram presos ao nosso coração, foram continuamente alimentados através do cordão umbilical e nós estávamos sempre ao lado deles.

A falta de contato físico

Na década de 1940, o Dr. Rene Spitz, um médico psicanalista austríaco, conduziu um estudo que o levou a concluir que a morte em massa de bebês em orfanatos era devido à falta de amorEle comparou bebês isolados em berços de hospital com bebês criados por suas próprias mães dentro de uma prisão.

Os bebês criados por suas mães, mesmo quando encarcerados, cresciam mais depressa e gozavam de boa saúde. Em contraste, os bebês que foram isolados cresceram com deficiências físicas e mentais. Infelizmente, 37% dos bebês em orfanatos, que não tiveram o abraço e cuidado de suas mães, não sobreviveram.

A tese de Spitz foi duramente criticada e questionada por décadas. No entanto, em 2007, a revista “Science” conduziu um estudo realizado na Romênia que buscou avaliar a veracidade da teoria de Spitz.

Pais com seu filho bebê

Na nova pesquisa, todas as críticas clínicas feitas ao estudo austríaco foram levadas em consideração, e mesmo assim os resultados foram os mesmos. O amor é uma fonte de bem-estar e desenvolvimento para o bebê.

Os bebês criados em orfanatos romenos que não tinham a proximidade da mãe tinham mais problemas para crescer e sobreviver do que as crianças em lares adotivos.

O amor é natural

Da mesma forma que meu bebê sempre quer colo, eu sempre quero tê-lo comigo, disse uma mãe que quer criar com apego. Ela segura o bebê perto do corpo porque é natural.

É verdade que não podemos criar filhos dependentes e incapazes de decidir por si mesmos o destino de suas vidas. Mas temos dificuldade em esperar que eles concluam cada um dos seus estágios de maturação no devido tempo. Vivemos em um mundo acelerado e, gostando ou não, aceleramos o crescimento de nossos filhos.

Os nove meses de exterogestação o preparam para começar o caminho em direção à sua autonomia. Um caminho que só começa aos 2 anos e, depois de completar diferentes estágios de independência na infância e adolescência, termina 15 ou 18 anos depois.

Segurar o bebê no colo é a melhor maneira de fazê-lo se sentir amado; e um ser amado é feliz. Não há limites para expressar o amor, ou não deveria haver, se quisermos viver em um mundo melhor.

Recomendados para você