Quais são os métodos contraceptivos não hormonais?

12 Setembro, 2020
Os métodos contraceptivos não hormonais agem como uma barreira. A eficácia de alguns deles, como o DIU, é de 99%.

Os métodos contraceptivos não hormonais são aqueles que cumprem a função de evitar a fertilização do óvulo pelo espermatozoide, sem que isso interfira no ciclo menstrual feminino. Esses tipos de métodos geralmente agem como uma barreira. Sua função é impedir o contato entre o óvulo e o espermatozoide.

Outros tipos de contraceptivos não hormonais são os métodos de planejamento. Eles nos dizem quando evitar a relação sexual de acordo com a fase em que você está no ciclo menstrual.

Embora possam ser muito eficazes, os contraceptivos não hormonais também apresentam algumas desvantagens. Abaixo, mostramos em detalhes tudo relacionado a este tema.

Tipos e benefícios de métodos contraceptivos não hormonais

Como destaca uma das publicações da Associação de Profissionais de Saúde Reprodutiva dos Estados Unidos, existe uma grande variedade de contraceptivos não hormonais cujo uso oferece vantagens e desvantagens. Alguns são mais eficazes do que outros, e nem todos oferecem proteção contra doenças sexualmente transmissíveis.

Métodos contraceptivos não hormonais: preservativo masculino

O preservativo masculino é uma capinha de látex que impede a passagem dos espermatozoides para o útero. Segundo a Associação de Profissionais de Saúde Reprodutiva, com este método, o risco de gravidez indesejada é de 18%. Sua principal vantagem, além da sua eficácia contraceptiva, é que ele protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

Suas desvantagens têm a ver com o uso. Ao contrário de outros métodos que atuam permanentemente, é preciso colocá-lo toda vez que a relação sexual começar, e ele deve ser substituído quantas vezes for necessário.

Saúde sexual e prevenção
O preservativo masculino continua sendo um dos métodos contraceptivos não hormonais mais eficazes. Além disso, ele possui uma função dupla porque ajuda a prevenir doenças sexualmente transmissíveis.

Diafragma

O diafragma é um anel flexível de látex que é colocado dentro da vagina antes da relação sexual. Sua principal vantagem é que a própria mulher controla sua colocação, além de cobrir completamente o colo do útero.

Sua desvantagem tem a ver com o fato de não proteger contra doenças sexualmente transmissíveis. Além disso, ele deve ser deixado dentro da vagina horas após o ato sexual. Segundo os pesquisadores, esse método tem 12% de chance de falhar como contraceptivo.

Não deixe de ler: Implantes anticoncepcionais: saiba tudo aqui

Preservativo feminino

Assim como o preservativo masculino, ele consiste em um revestimento de látex que impede que o esperma passe para o útero. Também protege contra doenças sexualmente transmissíveis. A principal desvantagem está na dificuldade de colocá-lo.

DIU de cobre

É um método mais invasivo e permanente (duração de 10 a 20 anos). Consiste em um objeto feito de plástico e cobre que é colocado no colo do útero. Sua função é criar um ambiente hostil para os espermatozoides, para que eles não atinjam o óvulo. Eles também liberam partículas de cobre que impedem a implantação de um óvulo fertilizado.

Entre suas vantagens, podemos colocá-lo e esquecê-lo por um longo tempo. Tem uma eficácia de mais de 99%. No entanto, uma desvantagem é que não previne doenças sexualmente transmissíveis.

Mulher segurando um DIU
Embora o DIU ofereça alta proteção contra a gravidez, ele não tem a capacidade de prevenir doenças sexualmente transmissíveis.

Esterilização masculina e feminina

A esterilização é um processo cirúrgico que funciona como um método contraceptivo sem hormônios. Nos homens, é conhecida como vasectomia, que é permanente e realizada para impedir a passagem de espermatozoides para o sêmen.

Sua principal vantagem é a eficácia contraceptiva. Por outro lado, não impede a ejaculação nem afeta a virilidade. Por sua vez, a esterilização feminina é procedimento pelo qual as trompas da mulher são amarradas ou cortadas, evitando que os espermatozoides encontrem o óvulo e o fecundem.

Esponja contraceptiva

É uma esponja sintética impregnada com espermicida. Bloqueia o colo do útero, absorve o sêmen e combate o esperma. Uma de suas vantagens é a eficácia, desde que seja usada corretamente. Ela é de aproximadamente 88% em mulheres que nunca deram à luz e 76% naquelas que já tiveram filhos. Além disso, pode ser colocada pela própria mulher.

Entre as desvantagens, além da baixa eficácia para as que já são mães, sua colocação pode ser complicada e ela também não protege contra doenças sexualmente transmissíveis. Além disso, deve permanecer no local por pelo menos 6 horas após a relação sexual.

Leia também: O que você deve saber sobre as injeções anticoncepcionais

Planejamento natural como método contraceptivo não hormonal

Este método não é apenas livre de hormônios, mas também não requer o uso de nenhum produto especial ou intervenção cirúrgica. O planejamento natural consiste em programar a atividade sexual dependendo da fase do ciclo menstrual.

O objetivo é evitar as relações sexuais nos dias férteis da mulher. É um método que pode ser eficaz quando o ciclo é regular. No entanto, existem muitos riscos de imprecisão que dependem da natureza.

Os métodos contraceptivos não hormonais têm vantagens e desvantagens

Os contraceptivos não hormonais oferecem várias vantagens em comparação com os hormonais. No entanto, eles nem sempre são tão eficazes. É importante que você consulte um médico, ginecologista ou profissional de saúde sexual e reprodutiva para determinar o método contraceptivo mais adequado para as suas particularidades.

  • Patil E, Jensen JT. Update on permanent contraception options for women. Curr Opin Obstet Gynecol. 2015;27(6):465–470. doi:10.1097/GCO.0000000000000213
  • Bahamondes, L., Bahamondes, M. V., & Shulman, L. P. (2015). Non-contraceptive benefits of hormonal and intrauterine reversible contraceptive methods. Human Reproduction Update21(5), 640–651. https://doi.org/10.1093/humupd/dmv023
  • Gupta, S. (2006). Non-oral hormonal contraception. Current Obstetrics and Gynaecology16(1), 30–38. https://doi.org/10.1016/j.curobgyn.2005.11.008
  • Mansour, D., Inki, P., & Gemzell-Danielsson, K. (2010, February). Efficacy of contraceptive methods: A review of the literature. European Journal of Contraception and Reproductive Health Care. https://doi.org/10.3109/13625180903427675
  • Non-hormonal Contraceptive Methods. (2012). Retrieved 7 June 2020, from https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:LgQqWkge3S0J:https://www.arhp.org/images/uploadDocs/nonchoosingqrg.pdf+&cd=12&hl=es&ct=clnk&gl=es&client=firefox-b-d