Metformina: usos e precauções

23 de novembro de 2019
É importante saber que a metformina é um medicamento contraindicado em pacientes com insuficiência hepática e naqueles com quadro clínico de insuficiência renal. Saiba mais sobre este medicamento neste artigo!

A metformina é um medicamento que pertence à família dos agentes hipoglicêmicos. Sua principal indicação é para o tratamento da diabetes tipo 2 em adultos. Portanto, é um antidiabético.

Atualmente, a metformina é considerada um tratamento de primeira linha no início da doença em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. É usada tanto em quem tem ganho de peso quanto em quem tem peso normal.

Além disso, este medicamento demonstrou eficácia significativa em estudos realizados para prevenir diabetes mellitus e outras indicações associadas à resistência à insulina.

Características gerais da metformina

Geração de insulina

A metformina é quimicamente uma biguanida. Especificamente, é a única biguanida disponível na Europa e, desde 1995, nas Américas.

É importante mencionar que ela pode ser usada tanto em monoterapia quanto em combinação com outros tipos de antidiabéticos orais ou com insulina. Assim, oferece um perfil único de efeitos terapêuticos.

É um medicamento que não causa ganho de peso, como pode acontecer com outros medicamentos indicados para esta doença, e tende a reduzir o hiperinsulinismo. Assim, serve para neutralizar a resistência à insulina e suas sequelas clínicas.

Aprendendo sobre o diabetes mellitus tipo 2

O diabetes tipo 2 é uma das doenças mais prevalentes na população dos países desenvolvidos. Afeta a regulação da glicose, sendo esta a principal substância açucarada do organismo.

Pessoas com esta doença têm um problema com o funcionamento da insulina. A insulina é a substância responsável pela redução dos níveis de glicose no sangue, permitindo sua entrada nas células.

Assim, pacientes com diabetes mellitus tipo 2 apresentam hiperglicemia, o que pode causar sérios problemas de saúde, como infartos do miocárdio.

É importante conhecer as diferenças entre diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2:

Por fim, cabe mencionar que as causas desta doença estão associadas a uma série de fatores de risco como, por exemplo, a obesidade. A razão para isso é que o excesso de gordura dificulta a resposta das células à insulina.

Descubra: Canetas de insulina: características e administração

Como a metformina exerce sua ação no organismo?

Cápsulas de metformina

Atualmente, os aspectos moleculares do mecanismo de ação da metformina não são totalmente conhecidos.

No entanto, sabe-se que sua ação é baseada principalmente no aumento da sensibilidade à insulina hepática e na facilitação do transporte de glicose em situações em que os níveis são muito altos; também quando há resistência à insulina.

Para atingir esses objetivos, acredita-se que este medicamento consiga diminuir a gliconeogênese no fígado, ou o que é o mesmo, a síntese de glicose. Além disso, melhora a sua utilização no músculo esquelético e no tecido adiposo, isto é, no tecido gorduroso.

Assim, ele consegue aumentar o transporte de glicose na membrana celular. Isso pode ser uma consequência de uma melhor ligação da insulina aos seus receptores, uma vez que a metformina não é eficaz em diabéticos nos quais não há secreção residual de insulina.

Que precauções devem ser tomadas no tratamento com metformina?

É importante saber que a metformina é um medicamento contraindicado em pacientes com insuficiência hepática e naqueles com quadro clínico de insuficiência renal.

Por sua vez, as mulheres grávidas não devem ser tratadas com metformina, pois as informações sobre este medicamento nesses casos ainda são limitadas e podem prejudicar o bebê.

Por outro lado, deve-se ter cautela ao dirigir, pois esse medicamento, combinado com outros antidiabéticos, pode causar hipoglicemia.

Leia também: Intoxicação por medicamentos: o que fazer?

Conclusão

A metformina é um antidiabético usado como primeira linha de tratamento para diabetes mellitus tipo 2. É especialmente útil em pacientes com excesso de peso e que não conseguem controlar os níveis de glicose apenas com dieta e exercício.

É importante conhecer as possíveis complicações que podem desencadear o tratamento com este medicamento, a fim de evitar complicações, como um quadro hipoglicêmico durante a condução.

Por isso, recomendamos que consulte o médico sobre como usar a metformina e para que te aconselhe a esse respeito.

  • Comité de Medicamentos de la Asociación Española de Pediatría. (2015). Metformina. Pediamecum.
  • Santomauro, A. C., Ugolini, M. R., Santomauro, A. T., & Do Souto, R. P. (2008). Metformina e AMPK: Um antigo fármaco e uma nova enzima no contexto da síndrome metabólica. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia.
  • AEMPS, C. (2016). Ficha técnica metformina. CIMA AEMPS. https://doi.org/10.1007/s13398-014-0173-7.2