Medicamentos que afetam a capacidade de dirigir

13 Março, 2020
Existem medicamentos que afetam a atenção, a concentração e o sono. Por isso, ao consumi-los, não se deve dirigir ou operar máquinas pesadas.

Muitos fármacos comumente usados ​​têm vários efeitos adversos desconhecidos e podem ser perigosos. Alguns dos efeitos que eles podem provocar incluem náuseas, vômitos e dor abdominal. Além disso, existem alguns medicamentos que afetam a capacidade de dirigir e de manusear máquinas pesadas, por provocarem sonolência e diminuírem a capacidade de atenção.

Absolutamente todos os medicamentos que são comercializados podem desencadear algum efeito adverso. Os efeitos adversos dos medicamentos variam em gravidade e frequência. Entendemos reações adversas como todos os eventos indesejados e não intencionais que ocorrem de forma esperada após o consumo de um medicamento.

Ao longo deste artigo, explicaremos quais são alguns dos medicamentos que podem afetar a capacidade de dirigir devido à sonolência diurna que podem provocar.

Principais medicamentos que afetam a capacidade de dirigir

1. Benzodiazepínicos

Benzodiazepínicos

Os benzodiazepínicos são medicamentos que atuam no sistema nervoso central. Eles são capazes de produzir efeitos sedativos, anticonvulsivantes e hipnóticos. Por isso, são amplamente utilizados no tratamento da ansiedade, insônia, e outras doenças como, por exemplo, epilepsia ou abstinência alcoólica.

São os medicamentos psicotrópicos mais prescritos, principalmente pelos médicos de atenção primária. 15% dos pacientes que tomam ansiolíticos e 1,6% de todos os adultos entre 18 e 79 anos da população geral que fazem uso de benzodiazepínicos por alguns dias ou semanas passam a usar o medicamento de forma crônica e praticamente indefinida.

Pacientes que tomam mais doses do que as indicadas podem sofrer sedação, perda da coordenação dos movimentos e depressão respiratória, principalmente se o consumo for associado à ingestão de álcool.

Além disso, esses fármacos podem causar uma redução da atenção, concentração e função motora, mesmo em doses terapêuticas, o que limita seriamente a capacidade de condução de veículos.

Os benzodiazepínicos também podem desencadear uma depressão, uma ocorrência mais comum em pacientes que já sofreram com esse distúrbio do humor alguma vez.

Após a administração deste tipo de medicamento, sua interrupção repentina pode causar sintomas de abstinência. Quando a retirada é estabelecida, há ansiedade, irritabilidade, tremor e alucinações, entre outros sintomas.

Alguns pacientes que fizeram um tratamento com benzodiazepina de longo prazo, mas em doses mais baixas, podem sentir ansiedade e insônia quando o consumo é interrompido. Isso pode ocorrer devido à falta da medicação ou à recorrência dos sintomas originalmente tratados.

2. Anti-histamínicos clássicos ou de primeira geração

Ao contrário de outros anti-histamínicos, os de primeira geração são capazes de atravessar a barreira hematoencefálica. Esse fato faz com que esse tipo de anti-histamínico provoque efeitos colaterais como:

  • Sonolência
  • Visão turva
  • Perturbações visuais
  • Alucinações

É por causa de todos esses possíveis efeitos que o uso desses medicamentos no momento da direção é totalmente desencorajado.

O efeito é diferente se o paciente tomar anti-histamínicos de segunda geração como, por exemplo, ebastina, loratadina ou cetirizina. No entanto, até certo ponto, eles também podem desencadear uma série de efeitos no sistema nervoso central, podendo afetar a capacidade de dirigir veículos, mas em menor grau.

Leia também: Como controlar as alergias com anti-histamínicos naturais

3. Antidepressivos

Mulher assustada ao volante

Os antidepressivos são outro tipo de medicamento não recomendado para quem vai dirigir. Assim como os anteriores, eles podem causar sonolência. Na verdade, segundo alguns estudos, eles podem favorecer o sono de pacientes que sofrem de depressão e insônia.

É cada vez mais comum que os médicos prescrevam um antidepressivo sedativo em doses baixas para o tratamento da insônia devido aos resultados positivos que estão sendo obtidos, mesmo que o paciente não sofra de depressão. É tarefa do profissional de saúde alertar sobre os possíveis efeitos colaterais e precauções para o uso desses medicamentos.

4. Antiepilépticos

Esses medicamentos apresentam, como efeitos adversos, alguns dos seguintes sintomas:

  • Sonolência
  • Estados de confusão ou atordoamento
  • Perda de memória ou concentração

Além desses efeitos perigosos para a direção, a própria epilepsia pode alterar as funções motoras e cognitivas dos pacientes.

Leia também: Tipos de crises epilépticas

Conclusão sobre os medicamentos que afetam a capacidade de dirigir

É essencial estar informado a respeito de quais medicamentos causam sonolência excessiva. Se você não souber o que está consumindo, a probabilidade de acidentes graves aumenta consideravelmente.

Consulte o médico e o farmacêutico se tiver alguma dúvida sobre esse problema e, acima de tudo, nunca se automedique. Se você já está tomando benzodiazepínicos ou antidepressivos, busque alternativas para não dirigir e não se expor a riscos.

  • MJ, Antonijoan, R., García-Gea, C., Clos, S., Grasa, E., & Giménez, S. (2003). Fármacos que pueden producir somnolencia excesiva. Vigilia-Sueño.
  • Josefina Velert, Lucrecia Moreno1 , Luis Salar, M.a Teresa Climent, S. A. (2006). Estudio sobre la adecuación de la prescripción de Benzodiazepinas en la Comunidad Valenciana. E-Farmacéutico Comunitario.
  • Caro, I., Aguas, M., Ayestarán, A., & Pascual, B. (2007). Antiepilépticos. Revista Multidisciplinar de Gerontologia. https://doi.org/10.1016/s1245-1789(14)67013-x