Intubação com laringoscópio de Bullard

6 de outubro de 2019
A principal vantagem do laringoscópio de Bullard é que permite realizar a intubação com um mínimo de movimento da cabeça e do pescoço.

O laringoscópio de Bullard é um instrumento usado para realizar a intubação orotraqueal e que pertence à categoria dos chamados dispositivos ópticos. Além disso, é considerado um dos meios mais seguros para realizar este tipo de procedimento.

A laringoscopia inicialmente foi desenvolvida para visualizar as cordas vocaisDe fato, data do século XIX. Com o tempo, o aparelho foi aperfeiçoado e permitiu chegar até um ponto além da epiglote e, logo depois, a toda extensão da laringe.

Processo de intubação

intubação com estilete com luz

A intubação é um procedimento em que é colocada uma sonda ou cânula na traqueia, através do nariz ou da boca. Ainda, realiza-se principalmente com o propósito de abrir a via respiratória para administrar oxigênio, anestesia ou medicamentos.

Este procedimento também permite oferecer assistência respiratória, eliminar obstruções, bem como proteger os pulmões quando há risco de inalação de líquidos. Além disso, permite visualizar e explorar as vias respiratórias.

A intubação é realizada mediante uma laringoscopia. Na laringoscopia convencional é necessário alinhar a boca, a laringe e a faringe. Isso é feito, quase sempre, com a hiperextensão da cabeça. Contudo, o laringoscópio de Bullard torna desnecessário tal alinhamento, o que representa uma vantagem significativa.

Descubra: Descongestionantes naturais

Os dispositivos ópticos

Na última década, foram desenvolvidos uma série de aparelhos para o manejo da via aérea difícil. Esta última se refere às dificuldades para manter uma oxigenação e ventilação adequadas durante a intubação. Em resumo, implica no estabelecimento de uma via aérea permeável.

Isso levou ao desenvolvimento de dispositivos ópticos, que são aparelhos que permitem visualizar a glote de forma indireta, para fazer corretamente a intubação traqueal. Isso é realizado por meio de uma câmera que integra tais dispositivos.

Os dispositivos ópticos são classificados em: laringoscópios rígidos, estiletes fibróticos e fibroscópio flexível. O laringoscópio de Bullard pertence à categoria dos rígidos. Por isso, traz a possibilidade de realizar uma microcirurgia na área da laringe.

O laringoscópio de Bullard

O laringoscópio de Bullard foi inventado por Roger Bullard, que era anestesista e obstetra na Escola de Medicina da Geórgia. Começou a ser usado em 1980 e desde o ano de 2003 figura no algoritmo de manejo da via aérea difícil da Sociedade Americana de Anestesiologia.

Este instrumento é composto por uma pá curva que contém fibra óptica e um cabo. A folha metálica curva está na pá e tem 13.2 cm de comprimento por 1.3 cm de largura. Além disso, conta com um visor óptico para o olho ou para que seja conectado a uma câmera e um monitor.

O laringoscópio de Bullard é basicamente apto para a intubação pela boca. Reduz a necessidade de mover o pescoço e a cabeça para visualizar a laringe. Ademais, exige um tempo maior para a intubação, mas é considerado um instrumento extremamente seguro.

Este instrumento traz garantias suficientes de segurança na ventilação, mas principalmente durante a intubação traqueal. No entanto, seu uso exige destreza por parte do profissional que realiza o procedimento.

Talvez te interesse ler: Transplante de cabeça

A intubação com laringoscópio de Bullard

Intubação do paciente

O laringoscópio de Bullard pode ser usado em situações de rotina, mas é especialmente útil quando a mobilização da cabeça do paciente se encontra limitada, ou é contraindicada. Ademais, quando a abertura oral é reduzida.

Antes de realizar o procedimento deve-se explorar a via aérea para detectar problemas óbvios que possam dificultar as ações. A expressão via aérea faz referência ao trato superior, composto por: nariz, boca, faringe, laringe, traqueia e brônquios principais.

A cavidade oral deve estar em posição neutra. Além disso, deve-se escolher um dispositivo normal ou pediátrico, conforme o caso. Também deve-se ajustar a dioptria da lente ocular. No geral, aplica-se uma sedação com pequenas doses de benzodiazepínicos.

Quando a laringe é visualizada, o tubo endotraqueal deve deslizar pela guia metálica que está montada ao lado da folha metálica do dispositivo. O laringoscópio de Bullard oferece uma excelente visualização da laringe e é um dos procedimentos mais recomendados.