O que é a intersexualidade?

Você tem dúvidas sobre o que é intersexualidade? Hoje vamos discutir suas características, como é classificada e alguns equívocos a respeito do tema.
O que é a intersexualidade?

Última atualização: 12 Outubro, 2021

A maior parte da população interpreta a sexualidade de forma binária. Ou seja, com os rótulos homem e mulher. Nas últimas décadas, vimos um despertar na forma como os gêneros são classificados. Em muitos casos, as mudanças foram baseadas em evidências científicas. Hoje falaremos sobre o que é a intersexualidade e quais são as suas características.

Intersexualidade é um rótulo que se distancia de outros, como transgênero ou transexual. Porém, boa parte da população desconhece totalmente o seu significado. Nas próximas linhas, explicaremos meticulosamente do que se trata e esclareceremos alguns conceitos errôneos sobre ele.

Características da intersexualidade

Intersexualidade é uma palavra geral usada para descrever uma variedade de condições caracterizadas pela alteração da anatomia sexual, reprodutiva, hormonal ou genética de uma pessoa. Isso impede o uso de padrões clássicos masculinos ou femininos.

O termo é relativamente novo. Em um artigo publicado em 2006, a Lawson Wilkins Pediatric Endocrine Society (LWPES) e a European Society for Pediatric Endocrinology (ESPE) concordaram em chamar todas essas condições de distúrbios do desenvolvimento sexual.

O uso desse rótulo não é isento de controvérsias, uma vez que alguns pesquisadores o utilizam também para agrupar a síndrome de Klinefelter e a síndrome de Turner. Independentemente da nomenclatura, o importante é que a intersexualidade seja caracterizada pela ambiguidade genital, hormonal ou genética (esta última gera mais polêmica).

Por exemplo, uma pessoa pode ter órgãos sexuais masculinos do lado de fora, mas órgãos femininos por dentro (ou vice-versa). Também pode se referir a homens com pênis muito pequeno ou mulheres com clitóris muito grande. Um distúrbio na sequência genética pode fornecer células XX (masculinas) ou XY (femininas) na mesma pessoa.

Não deixe de ler: 5 tipos de orientação sexual

Classificação da intersexualidade

Se o uso da terminologia é controverso, a classificação também é. Frequentemente, esses estados são chamados de estados intersexuais.

O problema é que, embora a intersexualidade tenha sido objeto de estudo de milhares de cientistas, na realidade é uma condição que não possui parâmetros fixos de determinação. Em muitos casos, como veremos mais adiante, a atribuição do rótulo intersexo é feita de forma subjetiva.

Questões de gênero na intersexualidade
A classificação e a nomenclatura dessas situações não possuem um consenso único no mundo.

Pseudo-hermafroditismo masculino

Este grupo inclui pessoas com testículos ou órgãos genitais que não se desenvolveram totalmente. Também possui subcategorias (leve, grave ou atípica).

A condição mais importante nesta categoria é a síndrome de insensibilidade aos andrógenos, também conhecida como síndrome de Morris. Algumas das suas características são as seguintes:

  • Vagina cega.
  • Ausência de pelos nas axilas e púbis.
  • Níveis de testosterona semelhantes aos de um homem saudável.

Pseudo-hermafroditismo feminino

Também é conhecido como hiperplasia adrenal congênita ou, em alguns contextos, como síndrome adrenogenital. É dividido em clássico, leve, masculinizante e atípico.

Algumas características que se distinguem neste grupo são as seguintes:

  • Fenótipo com traços masculinos.
  • Vagina e útero normais nos casos clássicos ou leves. Na masculinização, a genitália externa tende a se desenvolver com uma aparência masculina.
  • Clitóris hipertrofiado.

Hermafroditismo verdadeiro

O hermafroditismo verdadeiro é uma condição que se refere a pessoas nascidas com células ovarianas e testiculares. De acordo com as evidências, os sintomas mais comuns são genitália ambígua, hipertrofia do clitóris e hipospádia (a abertura da uretra não está na ponta do pênis). No fim, o paciente tem testículos e ovários.

Disgenesia gonadal

Finalmente, a disgenesia gonadal se refere a uma variedade de condições que são caracterizadas pelo desenvolvimento deficiente das gônadas (ovários ou testículos). Os pesquisadores destacam que a mais comum de todas é a síndrome de Turner, que já discutimos, com 1 caso a cada 2.500 nascimentos.

Entre suas características distintivas, destacamos o seguinte:

  • Ausência de puberdade.
  • Infertilidade
  • Infantilismo sexual.
  • Ausência de características sexuais secundárias.
Cromossomos sexuais
A intersexualidade genética é a mais discutida de todas, uma vez que não há clareza sobre sua classificação e tipificação.

Essas quatro categorias são usadas para descrever casos de intersexualidade. Claro, muitos dos pacientes podem ser agrupados em vários deles, e os rótulos às vezes não são suficientes para descrever completamente alguns casos.

Quão comum é a intersexualidade?

Dada a ambiguidade do termo intersexualidade, visto que em muitos casos o diagnóstico é feito subjetivamente, não se sabe quão comum é a intersexualidade. A bióloga e especialista em estudos de gênero Anne Fausto-Sterling propôs, há algumas décadas, que o número de pessoas intersexo pode ser em torno de 1,7% da sociedade.

Este número não é isento de controvérsia, já que alguns pesquisadores o criticaram severamente. Eles afirmam que a prevalência é menor, uma vez que muitas doenças que se integram nas categorias delineadas não podem ser consideradas como parte da intersexualidade. Nesse sentido, o número real poderia ficar por volta de 0,018%.

É importante adicionar mais uma variável: nem todas as pessoas intersexo são diagnosticadas. Na verdade, muitos deles chegam ao fim da vida sem saberem do problema. Isso acontece com doenças genéticas ou naquelas em que o desenvolvimento genital externo não sofreu alterações.

Equívocos sobre a intersexualidade

Para encerrar este artigo sobre intersexualidade, apontaremos alguns equívocos a respeito desse termo. No início, dissemos que ele não deveria ser confundido com o termo transgênero ou transexual. Uma pessoa intersexo não é um transgênero, nem é um transexual.

Embora seja verdade que uma pessoa intersexual possa se identificar em algum momento de sua vida como transgênero, isso não significa que todos irão fazê-lo. Da mesma forma, as opções de tratamento baseadas em cirurgia ou hormônios não implicam que eles se tornem transexuais.

Este último nos leva ao seguinte equívoco: o de que esta é uma condição que sempre deve ser tratada na infância. Como a Anistia Internacional aponta, suas consequências podem ser sentidas no âmbito psicológico, na identidade de gênero, na saúde e na vida sexual. Muitas das intervenções são desnecessárias ou condicionam completamente o futuro da criança.

Outro equívoco é de que todas as pessoas intersexo têm uma aparência feminina ou andrógina. Muitos casos de intersexualidade não têm nada a ver com a aparência física.

Embora tenhamos usado o termo hermafrodita nas categorias de classificação, esta é uma palavra com a qual muito poucas pessoas intersexo se sentem identificadas. Ela é usada apenas na literatura médica.

Pode interessar a você...
Assexualidade: quando não se sente desejo sexual
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Assexualidade: quando não se sente desejo sexual

Apesar de parecer impossível, existem pessoas que naturalmente não sentem desejo sexual algum e estão felizes dessa forma. Isso denomina-se assexua...



  • Breehl, L., & Caban, O. Genetics, Gonadal Dysgenesis. StatPearls [Internet]. 2020.
  • Hughes, I. A., Houk, C., Ahmed, S. F., Lee, P. A., & Society, L. W. P. E. Consensus statement on management of intersex disorders. Journal of pediatric urology. 2006; 2(3): 148-162.
  • Sax L. How common is intersex? a response to Anne Fausto-Sterling. J Sex Res. 2002 Aug;39(3):174-8.
  • Yordam N, Alikasifoglu A, Kandemir N, Caglar M, Balci S. True hermaphroditism: clinical features, genetic variants and gonadal histology. J Pediatr Endocrinol Metab. 2001 Apr;14(4):421-7.