O que é a hipoplasia do esmalte e como ela pode ser tratada?

A hipoplasia do esmalte é uma alteração no desenvolvimento do tecido que cobre e protege os dentes. A seguir, contaremos como ela se manifesta, suas complicações, as causas e as alternativas para tratá-la.
O que é a hipoplasia do esmalte e como ela pode ser tratada?

Última atualização: 03 Agosto, 2021

A hipoplasia do esmalte é o enfraquecimento desse tecido muito importante nos dentes. Essa alteração na cobertura dos dentes pode causar muitos transtornos à pessoa que sofre com ela.

O esmalte dentário é o tecido mais superficial e externo dos dentes e é composto principalmente por minerais. É constituído por um conjunto de cristais de cálcio denominado hidroxiapatita, sendo o material mais duro e resistente em todo o corpo. Sua principal função é cobrir e proteger.

Se essa estrutura for insuficiente ou estiver enfraquecida, podemos estar enfrentando a hipoplasia do esmalte. Neste artigo, vamos contar a você o que significa essa alteração nos dentes, a que se deve e quais complicações ela pode causar. Além disso, o que você pode fazer se sofrer dessa condição.

O que é a hipoplasia do esmalte?

A hipoplasia do esmalte é uma condição desse tecido dentário que não se desenvolveu corretamente. Em geral, ocorre durante a formação da peça dentária.

O resultado é um dente com deficiência de esmalte ou baixa qualidade do tecido. Às vezes, as manifestações dessa condição são quase imperceptíveis, mas em outras ocasiões elas são muito óbvias.

Elas podem ser vistas como manchas brancas ou amareladas, ranhuras, buracos, amassados, sulcos ou deterioração na forma e textura dos dentes. A superfície é rugosa e os defeitos mencionados são castanhos ou amarelados. Nos casos mais graves, há ausência total de esmalte e os dentes são menores e deformados.

Como já mencionamos, o esmalte se encarrega de cobrir e proteger os dentes. Quando esse tecido é insuficiente ou danificado, as camadas mais internas e menos duras do dente podem ficar expostas.

Isso gera algumas das seguintes complicações:

  • Dor.
  • Sensibilidade ao frio, calor e doces.
  • Maior risco de cáries.
  • Sorriso com aparência desagradável.

Causas e condições relacionadas

Na maioria dos casos, é difícil determinar a causa da hipoplasia do esmalte. Como já mencionamos, o problema surge durante o crescimento e formação do dente, mas é visto algum tempo depois, quando o dente aparece na boca.

Geralmente são condições ou situações que favorecem seu aparecimento e que acontecem durante a gestação da pessoa ou na infância. A seguir, detalharemos algumas dessas circunstâncias que dão origem à hipoplasia do esmalte.

Problemas durante a gravidez

Os dentes são formados no útero. Os minerais de cálcio são depositados, constituindo assim o que será a coroa das futuras peças.

Qualquer fator que afete a gravidez pode afetar o desenvolvimento do esmalte, interrompendo ou retardando a sua formação. Assim, uma doença materna, febre alta, infecção durante a gravidez, ingestão de certos medicamentos, dependência de drogas ou deficiências nutricionais podem causar hipoplasia do esmalte do bebê em desenvolvimento.

Problemas durante a gravidez
Existem medicamentos que não podem ser tomados durante a gravidez porque afetam o desenvolvimento do feto, incluindo os seus dentes.

Problemas na primeira infância

Assim como no útero, nos primeiros anos de vida os dentes continuam a se formar. Qualquer evento prejudicial que ocorra neste período pode afetar as células que estão desenvolvendo o esmalte e causar hipoplasia.

Situações prejudiciais que podem ocorrer na infância incluem nascimento prematuro, baixo peso ao nascer, desnutrição, deficiência de vitaminas, infecção, doença sistêmica, uso de certos medicamentos e febres muito altas.

O trauma infantil é uma causa muito comum da hipoplasia do esmalte. Em geral, o que acontece é que o golpe atinge o dente de leite e, pela raiz, o germe do dente definitivo que está embaixo é ferido.

Herança genética

Existem padrões genéticos herdados que afetam a formação dos dentes na boca. Alguns defeitos ocorrem em uma pequena região de um único dente, mas pode haver casos mais sérios nos quais vários elementos estão envolvidos.

A hipoplasia do esmalte de origem genética é, muitas vezes, mais uma manifestação de uma síndrome complexa e com outros sinais agregados no resto do organismo.

Outras causas adquiridas

A perda e o desgaste do esmalte também podem ser causados ​​pela ação de fatores externos nas superfícies dos dentes. Isso diminui a qualidade e a espessura do tecido, expondo as camadas mais macias e profundas.

Embora não seja um defeito do desenvolvimento, como a própria hipoplasia, ocorrem as mesmas alterações que caracterizam um dente mole.

Estas são algumas das situações associadas:

  • Erosão dentária: a exposição da superfície do dente a alimentos ácidos, vinagres, refrigerantes e frutas cítricas destrói o esmalte de forma irreversível. O refluxo ácido também pode causar esse problema.
  • Bruxismo: ranger os dentes desgasta as peças dentárias, expondo as camadas mais internas.
  • Traumas: golpes na boca podem causar pequenos ferimentos, como fissuras no esmalte.
  • Práticas de higiene muito traumáticas: escovar os dentes com movimentos muito rápidos, com muita força ou cerdas muito duras pode desgastar o esmalte protetor.

Tratamentos disponíveis para a hipoplasia do esmalte

Atualmente, existem várias alternativas de tratamento para solucionar a hipoplasia do esmalte. A escolha da abordagem será de acordo com cada caso clínico, dependendo do grau de comprometimento do elemento dentário e das necessidades do paciente.

É necessária uma avaliação prévia e um exame rigoroso feito pelo dentista. Das opções disponíveis, explicaremos as mais usadas a seguir.

Clareamento dental

É uma terapia conveniente quando a hipoplasia do esmalte se manifesta com manchas brancas. Ao realizar o clareamento dental, as tonalidades são uniformizadas e uma cor mais uniforme é obtida em todos os dentes.

Através do uso de substâncias químicas específicas que são aplicadas na superfície dentária, é possível clarear a cor. O tratamento pode ser realizado no consultório odontológico, em casa sob as instruções do dentista ou combinando os dois métodos.

Microabrasão dentária e obturações com resina

É um tratamento útil quando a manifestação da hipoplasia do esmalte é de uma coloração intensa. Consiste em polir a área do dente danificado até que a mancha seja totalmente eliminada.

Em seguida, o local deve ser preenchido com um composite da mesma cor do elemento dentário. Em alguns casos, a manobra é realizada com instrumentos rotatórios, mas em outros eles não são necessários e apenas o ácido clorídrico precisa ser utilizado.

Selagem dentária

A selagem dentária consiste na colocação de material resinoso fluido nas ranhuras, orifícios ou pontos nos quais a hipoplasia do esmalte se manifesta. Esta massa é, então, endurecida com a ação de uma luz especial e polida para um melhor acabamento.

Em geral, é usada quando as imperfeições são leves e superficiais. Assim, é possível proteger o elemento dentário e reduzir a retenção da placa bacteriana e o risco de cáries na área.

Facetas ou coroas dentárias

Esta opção é considerada para casos muito graves, ou seja, quando há uma grande área afetada. As facetas ou coroas permitem cobrir manchas muito perceptíveis, superfícies ásperas e dentes deformados.

As facetas são colocadas na parte frontal do dente após o seu desgaste prévio. O material de fabricação é porcelana ou composite.

As coroas, por outro lado, cobrem todo o dente, como um tampão. Neste caso também é necessário esculpir o dente para posicioná-las, com o desgaste sendo maior do que nas facetas. Elas podem ser feitas de porcelana, metal e porcelana ou zircônio.

A cor, a forma e o tamanho são levados em consideração no design. Eles são personalizados para cada caso clínico particular.

Consulta com dentista
As facetas dentais escondem os defeitos, sendo posicionadas acima do dente danificado para cobri-lo.

Implante dentário ou ponte

Os casos em que uma prótese deve ser utilizada como solução para a hipoplasia do esmalte são raros e extremos. São aqueles momentos em que a deterioração é tanta que há pouco dente e é melhor retirá-lo e substituí-lo por uma peça artificial.

Dependendo das possibilidades e condições do paciente, um implante ou uma ponte podem ser usados para reabilitar a perda do dente.

Recomendações para cuidar do esmalte

A hipoplasia do esmalte não pode ser prevenida na maioria das vezes. No entanto, o cuidado com os dentes é fundamental para evitar que outras patologias, como as cáries, se instalem.

Como dissemos a vocês, este tecido cobre e protege os tecidos mais internos dos dentes, e se estiver danificado, não é capaz de se regenerar. Estes são alguns bons hábitos que permitirão que você cuide deste importante material:

  • Dieta: o consumo de alimentos altamente ácidos, duros ou com alto teor de açúcar deve ser reduzido. É conveniente reduzir a ingestão de refrigerantes, bebidas gasosas, vinagres, cidras e frutas cítricas.
  • Higiene dental: escovar os dentes três vezes ao dia com creme dental com flúor é fundamental para manter os dentes livres da placa bacteriana. Os movimentos devem ser suaves, assegurando-se de atingir todas as faces de todos os dentes. A suplementação com fio dental e enxaguantes bucais também é necessária.
  • Visite o dentista regularmente: ir ao dentista a cada seis meses permite detectar e tratar qualquer problema a tempo. Além disso, as limpezas e aplicações de flúor no consultório protegem o esmalte.
  • Uso de flúor: este elemento confere uma proteção extra ao esmalte. O dentista pode prescrever o uso de um creme dental ou enxaguante com flúor especial para cuidar melhor dos dentes.

Com esses cuidados básicos não só o esmalte dos dentes fica protegido. Além disso, muitos problemas bucais podem ser evitados, cuidando do sorriso em geral.

Agora você sabe o que é a hipoplasia do esmalte. Portanto, se você suspeita de que você ou alguém que você conhece tem esse problema, o melhor a fazer é consultar imediatamente o dentista. O profissional é quem vai ajudar a resolver este problema.

Pode interessar a você...
Traumatismo dentário: o que é e quais tipos existem?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Traumatismo dentário: o que é e quais tipos existem?

Bater a boca e sofrer um traumatismo dentário é uma situação bastante comum. Neste artigo, vamos contar como esses acidentes se manifestam.



  • Ancco Olaguivel, Nilver Renan. “Relación de la ingesta de amoxicilina con la hipoplasia de esmalte en niños de 7-10 años del hospital Rafael Ortiz Ravinez Juli–2016.” (2017).
  • Mendoza, Arrieta, Elena Yazzuri, and Edgar Mauricio Pérez Peláez. “El proceso de caries en niños y su relación con la hipomineralización e hipoplasia del esmalte.” Oral 17.53 (2017): 1333-1336.
  • Salazar, Juan Francisco Torres, and Daniel Rodríguez Ortega. “Signos dentales de la sífilis congénita.” Revista Asociación Dental Mexicana 74.6 (2017): 286-292.
  • Ramírez-Barrantes, Juan Carlos. “Rehabilitación estética mínimamente invasiva en diente anterior afectado por hipoplasia de esmalte: Reporte de caso clínico.” Odovtos International Journal of Dental Sciences 21.3 (2019): 17-31.
  • Carvalho, Sara Mayla Coriolano, and Maurício Yugo De Souza. “HIPOPLASIA DO ESMALTE DO DIAGNÓSTICO AOS PROTOCOLOS DE TRATAMENTO: REVISÃO DE LITERATURA.” Revista Ciências e Odontologia 5.1 (2021): 38-45.
  • Campos, Luis Fernando Rodríguez, Sonia Salazar Rodarte, and Hilda Ceballos Hernández. “Tratamiento estomatológico del paciente con síndrome nefrótico congénito e hipoplasia generalizada del esmalte. Informe de un caso.” Revista de la Asociación Dental Mexicana 74.5 (2017): 261-268.
  • Ferreira, Ozania Alves, et al. “Hipoplasia dental relacionada a causas sistêmicas.” Revista de Odontologia Contemporânea 3.1 Supl 1 (2019): 34-34.
  • Espinoza Baque, María Estefanía. Tratamiento del desgaste del esmalte por Hipoplasia en dientes temporarios. BS thesis. Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología, 2019.
  • Fonseca, Maria Luiza Bernardo, Driele Schneidereit Santana, and Jéssica Marielle Araújo Tavares. “HIPOPLASIA DE ESMALTE: avaliação clínica patológica da cavidade oral dos cães.” Psicologia e Saúde em debate 5.Suppl. 2 (2019): 98-98.
  • Rabelo, Guilherme Micheloto, and Luana Andrade Solis. “Anomalias dos esmalte dental: amelogênese imperfeita, hipoplasia do esmalte e fluorose.” (2018).
  • Poma Torres, Esthefania Mirella. Manejo y protocolo de atención de la hipoplasia en niños. BS thesis. Universidad de Guayaquil. Facultad Piloto de Odontología, 2021.