Melhor Com Saúde
 

Hipomagnesemia: baixo nível de magnésio no sangue

A hipomagnesemia é a presença de níveis baixos de magnésio no sangue. Explicamos quais são as causas e como esta condição é tratada.

Hipomagnesemia: baixo nível de magnésio no sangue

Última atualização: 13 Dezembro, 2020

Falamos de hipomagnesemia quando a quantidade de magnésio no sangue é menor do que o considerado normal (entre 1,7 mg/dL e 2,2 mg/dL). Com base nestes números, define-se hipomagnesemia quando os resultados laboratoriais forem inferiores a 1,7 mg/dL.

Se quiser saber por que isso ocorre e quais são os seus sintomas, convidamos você a continuar lendo este artigo.

O magnésio no corpo

O magnésio é um cátion, ou seja, um elemento com carga elétrica positiva. Entre os cátions do corpo humano, é o mais abundante fora das células. Por sua vez, dentro das células é o segundo mais abundante (depois do potássio).

Quanto aos tecidos onde está presente, a maior parte do magnésio encontra-se nos ossos. Os músculos contêm 20% do total e o restante é distribuído nos outros órgãos.

A alimentação e a eliminação da urina regulam a quantidade de magnésio no organismo. Assim, em uma dieta normal e variada, há 360 miligramas de magnésio. Essa quantidade é suficiente para manter o funcionamento normal do organismo.

Os alimentos que mais contribuem com magnésio para o corpo humano são os cereais, as oleaginosas e as leguminosas. Os vegetais de folhas verdes e os frutos do mar também fornecem magnésio.

Causas de hipomagnesemia

Os especialistas Joel Michels Topf e Patrick T. Murray discutem quatro causas principais de hipomagnesemia:

  • Menor entrada no organismo: é uma causa rara e pouco frequente desta doença. Quando há diminuição da ingestão de magnésio, é difícil para o sistema renal retê-lo. Pode ocorrer quando há estados de desnutrição ou alcoolismo crônico. Da mesma forma, a hipomagnesemia é um efeito adverso em pessoas que são alimentadas por via parenteral (pela veia) e não por via oral.
  • Perdas maiores: a hipomagnesemia também ocorre se o aparelho digestivo não conseguir reter e absorver o magnésio que entra com os alimentos. Uma diarreia, por exemplo, pode ser a causa da menor absorção.

A hipomagnesemia pode causar insuficiência renal

Leia também: Nutrição e insuficiência renal: tudo o que você precisa saber

  • Hiperparatireoidismo: como explica Helbert Rondón-Berríos, as pessoas que sofrem dessa patologia são afetadas pelo que se chama de “redistribuição de magnésio”. Como existe uma deficiência do hormônio da paratireoide (um hormônio que aumenta o cálcio no sangue), o metabolismo do magnésio é alterado. Desta forma, os ossos o absorvem, mas ele não estará presente no sangue.
  • Disfunção renal: como o equilíbrio do magnésio depende da sua excreção renal, quando há patologias nos rins também pode haver hipomagnesemia. Na verdade, existe uma condição genética – conhecida como síndrome de Gitelman em que as crianças nascem com uma alteração dos túbulos renais que as impede de reter potássio, cálcio e magnésio.

Sintomas de hipomagnesemia

Na maioria dos casos, a hipomagnesemia não causa sintomas por si só. Na verdade, outros problemas associados são os que tornam os sinais mais evidentes. Portanto, o principal gerador de sintomas é a falta de potássio que causa a hipomagnesemia.

Alimentos fonte de potássio

Não deixe de ler: Alimentos que fornecem mais potássio

Uma vez que o corpo é deficiente em magnésio e potássio, o cálcio também diminui. Portanto, a hipocalcemia será outro dos principais sintomas.

Desta forma, o especialista James L. Lewis detalha o seguinte quadro clínico:

  • Náuseas e vômitos.
  • Fraqueza e cansaço.
  • Anorexia: falta de apetite.
  • Tremores musculares: podem ser pequenos, como contrações musculares ou espasmos intensos.
  • Sintomas tetânicos: gerados por uma contratura extrema dos músculos.
  • Convulsões: de acordo com vários pesquisadores do Hospital Universitário Getafe, as alterações no fluxo sanguíneo interno também podem alterar a transmissão nervosa dos neurônios.

Tratamento a seguir

Se a hipomagnesemia não for grave e for detectada apenas em um exame de rotina, o tratamento é simples. A indicação será uma dieta com alimentos que contenham magnésio, em primeira instância. Logo depois, é importante investigar a causa subjacente do problema.

Se, apesar da dieta, não houver melhora nos valores de magnésio no sangue, o médico deverá prescrever suplementos adequados para a alteração. Geralmente, a melhor opção são os suplementos orais.

Entretanto, nos casos mais graves, com sintomas que afetam a qualidade de vida do paciente, o profissional indicará a administração de magnésio por via parenteral. Esta via também é indicada no caso de pacientes que não possam receber o suplemento por via oral. Isso pode ocorrer, por exemplo, após a realização de cirurgias digestivas, e no caso de alcoólatras crônicos com hipomagnesemia.

O tratamento também será necessário se a insuficiência de magnésio for acompanhada por baixo teor de potássio ou cálcio no sangue. A Revista de Reumatología Clínica  publicou um artigo em 2008 demonstrando esse fato. Inclusive, o ideal é suplementar todos os minerais porque se melhorarmos um único valor (por exemplo, o potássio) sem corrigir os outros, o efeito não será duradouro.

Preste atenção à hipomagnesemia

Se os exames indicaram um baixo valor de magnésio no sangue, o médico receitará uma dieta e um tratamento adequado a seguir, de acordo com o seu caso. Seguindo essas indicações, a alteração desaparecerá.

Além disso, lembre-se de manter um estilo de vida saudável e estar alerta para qualquer um dos sintomas mencionados para evitar esse tipo de problema a tempo.

6 alimentos para aumentar o magnésio na dieta

6 alimentos para aumentar o magnésio na dieta

A baixa absorção de magnésio favorece o desenvolvimento de algumas doenças. Conheça os alimentos que fornecem esse mineral.



  • Weisinger, JR y Bellorín-Font, E. (1998). Magnesio y fósforo. The Lancet, 352 (9125), 391–396. https://doi.org/10.1016/s0140-6736(97)10535-9.
  • Topf, JM y Murray, PT (2003). Revisiones en Endocrine and Metabolic Disorders, 4 (2), 195-206. https://doi.org/10.1023/a:1022950321817.
  • Cseh, S. B., and H. Crenovich. “Hipomagnesemia en el sudeste de la provincia de Buenos Aires, Argentina.” Arch Med Vet 28 (1996): 111-116.
  • Rondón-Berríos, Helbert. (2006). Hipomagnesemia. Anales de la Facultad de Medicina67(1), 38-48. Recuperado en 05 de julio de 2020, de http://www.scielo.org.pe/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1025-55832006000100007&lng=es&tlng=es.
  • Guijarro de Armas, Mª G., Vega Piñero, B., Rodríguez Álvarez, S. J., Civantos Modino, S., Montaño Martínez, J. M., Pavón de Paz, I., & Monereo Megías, S.. (2010). Convulsiones secundarias a hipomagnesemia severa en paciente con intestino corto. Nutrición Hospitalaria25(6), 1037-1040. Recuperado en 05 de julio de 2020, de http://scielo.isciii.es/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0212-16112010000600022&lng=es&tlng=es.
  • González Domínguez, J., Escudero Contreras, A., Pérez Guijo, V., Martínez Sánchez, FG, Caracuel Ruiz, M. Á., Y Collantes Estévez, E. (2008). Condrocalcinosis e hipomagnesemia: evolución clinicorradiológica. Reumatología Clínica, 4 (1), 37–39. https://doi.org/10.1016/s1699-258x(08)71794-7.
  • Hipomagnesemia. Last full review/revision March 2018 by James L. Lewis, III, MD. https://www.msdmanuals.com/es/professional/trastornos-endocrinol%C3%B3gicos-y-metab%C3%B3licos/trastornos-electrol%C3%ADticos/hipomagnesemia.