Hipocalcemia: o que é e qual o seu tratamento?

6 de junho de 2019
A hipocalcemia é diagnosticada quando há um déficit de cálcio no sangue. Hoje vamos descobrir como esse problema é diagnosticado e tratado.

O cálcio é um dos minerais indispensáveis ​​para manter nossa saúde em um ótimo estado. No entanto, se os seus níveis sanguíneos são muito baixos podemos estar sofrendo de hipocalcemia, uma doença que é bastante comum.

Este mineral possui duas importantes funções nos níveis intracelular e extracelular, como aponta o artigo “Alterações do cálcio – hipocalcemia e hipercalcemia”.

  • Nível intracelular: intervém em várias reações enzimáticas, e é importante para a transmissão de sinais nervosos.
  • Nível extracelular: é de grande importância para a secreção endócrina, coagulação, e placa neuromuscular.

Estes dois níveis devem ser levados em consideração, uma vez que muitos dos sintomas da hipocalcemia serão relacionados a eles. Vejamos mais a fundo as questões importantes sobre esta doença.

Conhecendo a hipocalcemia

Quais são seus sintomas?

A hipocalcemia afeta os ossos

Um dos principais órgãos afetados pela hipocalcemia são os ossos, que requer esse mineral para sua formação. 

A hipocalcemia geralmente aparece devido à falta de vitamina D, se sofrermos de doença renal crônica ou se tivermos um problema sério de sangue, como um diagnóstico de leucemia.

Em todos esses casos e muitos outros, os principais órgãos que começarão a sofrer com esse déficit de cálcio no sangue serão os ossos, os intestinos e os rins. No entanto, vamos ver alguns dos sintomas desta doença mais extensivamente.

  • Aumento da excitabilidade da placa neuromuscular: ocorrem espasmos nos músculos que podem ser muito dolorosos. Eles geralmente afetam os músculos das extremidades. Isso é conhecido com o nome de tetania.
  • Fadiga e fraqueza: os pacientes se tornam muito mais cansados ​​que de costume. Isso pode ser devido à diarreia e à perda súbita de peso, que geralmente ocorre quando se sofre desta doença.
  • Psicose e ansiedade: esses dois sintomas são bastante comuns. Os pacientes começam a manifestar uma mudança em seu senso de realidade, seguido por várias crises de ansiedade.
  • Parestesias: os pacientes, além de espasmos, podem sentir formigamento, dormência, e ardor em diferentes partes do corpo. Em certas ocasiões, eles também podem notar dores agudas.

Estes são apenas alguns dos sintomas que podem acompanhar a hipocalcemia. No entanto, existem muitos outros, como arritmias ou hipotensão arterial, entre outros. Ter um médico por perto será essencial para receber um diagnóstico confiável e começar a tratar esta doença.

Descubra ademais: Fortaleça sua saúde óssea consumindo estes 8 alimentos ricos em cálcio

Qual é o tratamento?

Exame de sangue para detectar hipocalcemia

Para verificar se uma pessoa realmente tem hipocalcemia, um exame de sangue deve ser feito. Dessa forma, o médico poderá saber se é necessário iniciar um tratamento para essa doença, além de detectar o tipo de hipocalcemia que está sofrendo.

Hipocalcemia aguda

Este primeiro tipo de hipocalcemia tem um caráter severo. Portanto, deve ser tratado com urgência, normalmente, à base de gluconato de cálcio, uma maneira de administrar este mineral por via intravenosa.

Enquanto o paciente está recebendo o tratamento, deve ser monitorado e controlado em todos os momentos. A razão para isso é que esse tratamento, embora necessário, pode produzir arritmias cardíacas.

Leia também: Conselhos para assimilar o cálcio que ingerimos e não perdê-lo

Hipocalcemia crônica

Este segundo tipo de hipocalcemia é diferente do anterior. Como podemos ver, é chamada de “crônica”, o que significa que o paciente tem sérios problemas para estabilizar e equilibrar seus níveis de cálcio no sangue, e sofre com a doença por um longo período de tempo.

Por esse motivo, precisa de monitoramento contínuo, além de tomar suplementos de cálcio e vitamina D por via oral. Não é uma hipocalcemia tão grave quanto a anterior, mas requer acompanhamento para ter níveis controlados de cálcio.

Esses controles são feitos semanalmente quando o diagnóstico é recebido. Então, serão espaçados à cada mês, até atingirem 3 meses. Como as pessoas que sofrem de hipo ou hipertireoidismo, os pacientes com hipocalcemia devem comparecer a todos os seus controles conforme instruído pelo médico.

Na hipocalcemia crônica não há risco de arritmias, mas podem aparecer cálculos renais. A maneira de resolver isso é mantendo um controle sobre o sal que é consumido na dieta.

Você já foi diagnosticado com hipocalcemia? Com qual dos dois tipos mencionados? Esperamos que este artigo tenha permitido que você conheça um pouco mais desta doença que muitas pessoas sofrem, mas cujo nome não é completamente conhecido.

  • Fraile-Gómez, Pilar, Blanc, Marc H., Segurado-Tostón, Óscar, García-Cosmes, Pedro, & Tabernero-Romo, José M.. (2014). Hipocalcemia, hiperfosforemia y elevación de la paratohormona: ¿un arduo diagnóstico diferencial?. Nefrología (Madrid)34(1), 134-135. https://dx.doi.org/10.3265/Nefrologia.pre2013.Aug.12197
  • Guillén López, Otto Barnaby. (2018). Hipocalcemia severa por deficiencia de vitamina D en una adulta mayor. Revista Medica Herediana29(3), 178-181. https://dx.doi.org/https://doi.org/10.20453/rmh.v29i3.3407
  • Johnson, Ronald, Toloza, Jorge, Cortes, Lorena, & Valdés, Cristian. (2010). Miocardiopatía por hipocalcemia. Revista chilena de cardiología29(3), 374-377. https://dx.doi.org/10.4067/S0718-85602010000300017
  • Martín-Baez, Isabel M., Blanco-García, Raquel, Alonso-Suárez, Mario, Cossio-Aranibar, Cynthia, Beato-Coo, Laura V., & Fernández-Fleming, Francisco. (2013). Hipocalcemia severa posdenosumab. Nefrología (Madrid)33(4), 614-615. https://dx.doi.org/10.3265/Nefrologia.pre2013.Apr.11922
  • Román, A., Osorio, M. I., Latorre, G., Gutiérrez, J., & Builes, C. A. (2013). Hipoparatiroidismo primario asociado a convulsiones. Acta Médica Colombiana38(3).
  • Roman-Gonzalez, A., Zea-Lopera, J., Londoño-Tabares, S. A., Builes-Barrera, C. A., & Sanabria, Á. (2018). Pilares para el enfoque y tratamiento adecuado del paciente con hipoparatiroidismo. Iatreia31(2), 155-165.