Quando é aconselhável tomar suplementos de ferro?

Os suplementos de ferro ajudam a aumentar os níveis desse nutriente no corpo. Quem pode consumi-los? Quais aspectos devemos considerar? Descubra neste artigo.
Quando é aconselhável tomar suplementos de ferro?

Última atualização: 06 Dezembro, 2020

Os suplementos de ferro são ideais para acompanhar a alimentação de pessoas que não suprem as necessidades deste mineral com a dieta. No entanto, quem são aqueles que podem tomá-los e que realmente precisam deles? Eles sempre podem ser prescritos e consumidos?

O ferro é essencial para a formação da hemoglobina e dos glóbulos vermelhos. Portanto, se as quantidades adequadas não forem fornecidas, podem ocorrer algumas complicações no organismo. Descubra todos os detalhes a seguir.

O que causa a deficiência de ferro?

Quando os níveis de ferro no sangue diminuem, há dificuldade de transportar oxigênio para os tecidos. Em consequência disso, aparecem sintomas como fraqueza, fadiga, dor de cabeça, palidez e frio nas mãos e nos pés. Especificamente, todas essas manifestações podem indicar a presença de anemia.

Como consequência da carência de ferro, a capacidade de trabalho e a atividade motora do corpo diminuem. Além disso, ocorrem alterações no sistema imunológico e o risco de adoecer aumenta. Da mesma forma, baixos níveis desse mineral repercutem na falta de mobilização da vitamina A no fígado.

Alimentos ricos em ferro
Os alimentos ricos em ferro ajudam a reduzir o risco de anemia, mas às vezes eles não são suficientes.

Veja também: Alimentos para prevenir a anemia

Quando tomar suplementos de ferro?

Felizmente, quando há uma deficiência desse mineral no organismo, os suplementos de ferro são úteis para prevenir as complicações decorrentes do déficit. São utilizados para complementar a dieta alimentar e, assim, obter melhores resultados.

De acordo com várias pesquisas, existem grupos populacionais cujas necessidades desse mineral são maiores. Isso pode ser consequência de uma alimentação inadequada ou de estágios do desenvolvimento humano que tendem a estar associados à anemia. Contamos mais sobre essas situações a seguir.

Gestantes

Durante a gravidez, as mulheres precisam de mais ferro para elas e para os seus bebês. Se a deficiência de ferro for acentuada na gravidez, aumenta o risco de anemia e, por sua vez, aumenta o risco de que a criança tenha baixo peso ao nascer, que o parto seja prematuro ou que o bebê sofra de deficiência precoce de glóbulos vermelhos.

Em relação a isso, a Organização Mundial da Saúde afirma que mais de 40% das gestantes no mundo sofrem de anemia. Na metade dessa população, isso ocorre por deficiência de ferro.

Portanto, gestantes e mulheres que amamentam devem consultar seu médico sobre o suplemento ideal para prevenir esse problema. Às vezes, esses suplementos são administrados em forma de gotas ou em comprimidos. Em casos graves, os injetáveis ​​podem ser necessários, especialmente se a mulher grávida estiver passando por estágios de vômito incontrolável.

Bebês e crianças até 2 anos

A deficiência de ferro pode causar atrasos no desenvolvimento psicológico, isolamento social e diminuição da capacidade das crianças de prestar atenção. Além disso, os bebês que nascem a termo podem desenvolver uma deficiência se não receberem quantidades adequadas de alimentos que contenham esse mineral.

Mulheres em idade reprodutiva e adolescentes

Algumas mulheres em idade reprodutiva são propensas a uma carência deste nutriente em seu organismo. Em geral, isso ocorre porque apresentam sangramento menstrual intenso, de modo que a perda de ferro é maior do que em outras pessoas.

Além disso, as adolescentes apresentam necessidades aumentadas por estarem em desenvolvimento, o que é agravado se tiverem períodos menstruais intensos. A metrorragia em mulheres jovens que iniciam os ciclos menstruais é uma causa comum de anemia.

Doadores de sangue regulares

Aqueles que doam sangue de maneira rotineira também estão sujeitos a deficiências de ferro. Nestes casos, é possível evitar o problema respeitando um período de tempo ideal entre as doações.

Anemia devido a doença crônica

De acordo com vários estudos, existem doenças crônicas, como a artrite reumatoide, doenças inflamatórias intestinais, distúrbios gastrointestinais e certos tipos de câncer, que podem interferir na capacidade do organismo de absorver e utilizar o ferro. Por esse motivo, as pessoas que têm essas patologias sofrem um déficit frequente.

O que devemos levar em conta sobre o uso de suplementos de ferro?

Os suplementos de ferro podem ser encontrados em diferentes formas: cápsulas, comprimidos para engolir ou mastigar e líquidos. O mais comum é o sulfato ferroso, mas existem outras formas químicas, como o gluconato e o fumarato ferroso.

Um aspecto importante sobre o seu uso é que eles são melhor absorvidos com o estômago vazio. No entanto, a ingestão pode causar cólicas estomacais, náuseas ou diarreia. Para evitar esses problemas, podem ser acompanhados com quantidade mínimas de alimento.

Além disso, o cálcio e os antiácidos interferem na sua absorção, por isso é aconselhável esperar pelo menos duas horas para ingerir leite, queijos, vegetais crus, cafeína ou algum medicamento. Ao contrário, alimentos que contenham vitamina C, como frutas cítricas e kiwi, podem ser benéficos para ajudar a absorver o ferro.

Para ter certeza de que existe uma deficiência, é aconselhável fazer exames de sangue de rotina. Este método determina quais são seus valores exatos de glóbulos vermelhos e hemoglobina. Se for necessário, também existe a possibilidade de medir as concentrações de ferro no sangue e suas proteínas transportadoras.

Suplemento de ferro
Os suplementos de ferro devem ser prescritos com indicação médica, porque nem sempre são úteis e nem sempre seus efeitos serão benéficos.

É aconselhável tomar suplementos de ferro?

Embora esses medicamentos sejam uma estratégia eficaz para aumentar as reservas no organismo, seu uso não é recomendado para todos. Em relação a isso, lembre-se de que a ingestão de qualquer substância não prescrita pelo médico é contraindicada, pois os excessos também causam complicações.

Considere que, além disso, você deve seguir uma dieta que contenha alimentos em que esse nutriente esteja presente em quantidades consideráveis. Os suplementos não são mágicos nem representam a única estratégia contra a anemia. Da mesma forma, a falta de ferro nem sempre causa a diminuição dos glóbulos vermelhos.

Pode interessar a você...
Qual é a diferença entre anemia e déficit de ferro?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Qual é a diferença entre anemia e déficit de ferro?

Embora muitos tratem os dois termos como sinônimos, há diferenças entre a anemia e o déficit de ferro. Saiba quais são neste artigo.



  • Olivares, M., & Walter, T. (2003). Consecuencias de la deficiencia de hierro. Revista chilena de nutrición30(3), 226-233.
  • Olivares, M., & Walter, T. (2004). Causas y consecuencias de la deficiencia de hierro. Revista de Nutrição17(1), 05-14.
  • Administración diaria de suplementos de hierro y ácido fólico durante el embarazo. OMS.
  • Sato, A. P. S., Fujimori, E., Szarfarc, S. C., Borges, A. L. V., & Tsunechiro, M. A. (2010). Consumo alimentar e ingestão de ferro de gestantes e mulheres em idade reprodutiva. Revista Latino-Americana de Enfermagem18(2), Tela-113.
  • La administración diaria de un suplemento de hierro para mejorar la anemia, las reservas de hierro y la salud en mujeres menstruantes. OMS
  • ¿Qué es el hierro? ¿Para qué sirve?. National Institutes of health. Office of Dietary Supplements.
  • Gómez, Angela Julieth López, and Leidy Johanna Madrigal Cogollo. “Anemia ferropénica en mujeres gestantes.” Biociencias 1.3 (2017).
  • Lopez, Anthony, et al. “Iron deficiency anaemia.” The Lancet 387.10021 (2016): 907-916.
  • Iuliano, Bianca Assunção, Maria Fernanda Petroli Frutuoso, and Ana Maria Dianezi Gambardella. “Anemia em adolescentes segundo maturação sexual.” Revista de Nutrição 17.1 (2004): 37-43.
  • Pasricha, Sant-Rayn, et al. “Effect of daily iron supplementation on health in children aged 4–23 months: a systematic review and meta-analysis of randomised controlled trials.” The Lancet Global Health 1.2 (2013): e77-e86.