O que é a hipertrofia dos cornetos?

A hipertrofia dos cornetos é uma patologia benigna para a qual existem vários tratamentos. No entanto, se não for tratada em tempo hábil, pode causar algumas complicações.
O que é a hipertrofia dos cornetos?

Última atualização: 23 Dezembro, 2020

A hipertrofia dos cornetos é um aumento exagerado do volume dessas estruturas, que estão localizadas nas cavidades nasais. Esta anomalia faz com que o ar não flua normalmente e, portanto, geralmente causa obstrução nasal.

Em princípio, esta é uma patologia que pode ser tratada e superada, seja através da terapia medicamentosa ou através da cirurgia. No entanto, se o problema progredir, pode levar a situações tão graves quanto a perda d0 olfato, ou até mesmo condições relacionadas ao ouvido e à garganta.

Também é possível que pessoas com essa condição sofram de dores de cabeça frequentes, tosse seca e rouquidão. Em caso de congestão nasal frequente ou contínua, é apropriado ir ao otorrinolaringologista para determinar se há hipertrofia ou outra patologia.

Hipertrofia dos cornetos

A hipertrofia dos cornetos nasais é uma condição na qual o tamanho dos cornetos aumenta, às vezes de forma intermitente e às vezes continuamente. Quando o problema se torna crônico, causa uma congestão nasal que está presente na maior parte do tempo.

Os cornetos nasais são estruturas alongadas que estão localizadas dentro do nariz. Há três cornetos em cada cavidade nasal. Estes estão localizados de forma escalonada e são de três tipos: superior, médio e inferior. A inflamação geralmente afeta os cornetos inferiores.

A função dos cornetos é umidificar, aquecer e limpar o ar que é inalado. No entanto, estes são órgãos muito delicados, que são facilmente inflamados e redimensionados. Se uma hipertrofia ocorrer, há um problema de saúde que deve ser tratado.

Mulher com sinusite
Quando ocorre hipertrofia dos cornetos, a pessoa pode desenvolver uma congestão nasal prolongada.

Você pode estar interessado: 6 óleos essenciais para combater a sinusite

Por que esse problema ocorre?

É mais comum que a hipertrofia dos cornetos surja como resultado de algum processo alérgico, como uma rinite alérgicaNo entanto, existem muitas outras razões pelas quais essa anomalia pode ocorrer. As possíveis causas incluem:

  • Mudanças hormonais. Alterações hormonais resultam em um aumento no tecido mucoso, e isso pode levar à hipertrofia dos cornetos.
  • Envelhecimento. Com o passar dos anos, é possível que os cornetos fiquem desgastados, gerando uma secreção exagerada de muco e obstrução nasal.
  • Sinusite. A inflamação dos seios paranasais pode levar a essa anormalidade.
  • Desvio de septo. O desvio de septo dificulta a respiração e requer mais esforço dos cornetos; isso pode levar a uma hipertrofia dos mesmos.
  • Ambientes inadequados. Ambientes onde há vapores ou elementos tóxicos, ou uma temperatura muito baixa, facilitam o desenvolvimento desta anomalia.
  • Fumar ou beber álcool. Tanto o cigarro quanto o álcool são fatores de risco.
  • Medicamentos. Esteroides e fármacos de administração nasal facilitam o desenvolvimento desta patologia.

Sintomas dessa condição

O sintoma mais característico da hipertrofia dos cornetos é a congestão nasal, que pode ser intermitente ou constante. Deve-se notar que há casos em que a hipertrofia está presente, mas não há sintomas visíveis disso.

Também ocorrem manifestações clínicas como:

  • Cansaço.
  • Apneia do sono.
  • Dificuldade para dormir continuamente.
  • Sangramentos nasais.
  • Dificuldade para respirar pelo nariz.
  • Incômodos auditivas.
  • Redução ou perda do olfato.
  • Roncos.
  • Dor na face.

É comum o otorrinolaringologista realizar um teste chamado rinoscopia, examinar a condição dos cornetos e determinar se há hipertrofia. Este teste é feito através do nariz ou boca e leva de 5 a 10 minutos. Às vezes, requer o uso de um anestésico leve.

Homem roncando à noite
O ronco é uma das manifestações clínicas da hipertrofia dos cornetos. No entanto, o sintoma mais comum é a congestão nasal prolongada.

O que pode ser feito em caso de hipertrofia dos cornetos?

O tratamento da hipertrofia dos cornetos vai depender da causa da hipertrofia e do estado dessas estruturas em cada paciente. Se o que causa o problema é um fator externo, como um ambiente insalubre ou a ingestão de qualquer substância ou medicamento, basta suprimir essas variáveis para alcançar a remissão dos sintomas.

Se o problema for causado por sinusite ou um desvio de septo, será feito um tratamento adequado para eliminar a causa. Caso essas medidas não funcionem, ou se a causa não puder ser estabelecida, geralmente um tratamento farmacológico para desinflamar os cornetos é indicado.

Em última análise, se a hipertrofia dos cornetos persistir, seu médico pode sugerir uma cirurgia para modificar a posição dos seus cornetos (turbinoplastia), remover total ou parcialmente o corneto inferior (turbinectomia), ou reduzir o seu tamanho por radiofrequência ou laser.

Pode interessar a você...
Remédios caseiros para descongestionar os seios paranasais
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Remédios caseiros para descongestionar os seios paranasais

Remédio caseiro para descongestionar os seios paranasais. Conheça essa receita para desentupir o nariz e acabar com o problema.



  • Berger G, Gass S, Ophir D. The histopathology of the hypertrophic inferior turbinate. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2006;132(6):588-594. doi:10.1001/archotol.132.6.588
  • McCoul ED, Todd CA, Riley CA. Posterior Inferior Turbinate Hypertrophy (PITH). Otolaryngol Head Neck Surg. 2019;160(2):343-346. doi:10.1177/0194599818805006
  • Silva R, P., Vicencio S, D., Veloz T, M., Ruz M, P., & Valdés P, C. (2020). Hipertrofia de cornetes inferiores: Revisión sobre técnicas quirúrgicas actuales. Revista de Otorrinolaringología Y Cirugía de Cabeza Y Cuello, 80(2), 218–225. https://doi.org/10.4067/s0718-48162020000200218
  • Arias Mena, C., & Merlo Zago, G. (2016). Correlación de hipertrofia de cornetes inferiores con desarrollo transversal maxilar medidos en tomografía computarizada de cone-beam y su asociación con las clases esqueléticas (Master’s thesis, Benemérita Universidad Autónoma de Puebla).
  • Komshian SR, Cohen MB, Brook C, Levi JR. Inferior Turbinate Hypertrophy: A Review of the Evolution of Management in Children. Am J Rhinol Allergy. 2019;33(2):212-219. doi:10.1177/1945892418815351
  • Bergmark RW, Gray ST. Surgical Management of Turbinate Hypertrophy. Otolaryngol Clin North Am. 2018;51(5):919-928. doi:10.1016/j.otc.2018.05.008