O que é a hipermenorreia?

10 Agosto, 2020
A hipermenorreia é um distúrbio que, muitas vezes, passa despercebido pelas mulheres. Explicamos neste artigo quais são os sintomas e o que você deve fazer diante dela.
 

A hipermenorreia é uma alteração da menstruação em que o sangramento é muito abundante e, além disso, dura mais dias do que o normal. O termo médico frequentemente usado para esta situação é menorragia.

A maioria das mulheres geralmente não se preocupa com o sangramento menstrual muito intenso de vez em quando. No entanto, a hipermenorreia se distingue dessa situação porque envolve uma série de sintomas e complicações.

Geralmente ocorre devido a distúrbios hormonais, pólipos endometriais, miomas ou doenças do sangue. Devido à sua importância, explicamos tudo que você precisa saber sobre a hipermenorreia e como identificá-la.

O que é a hipermenorreia?

A hipermenorreia é um distúrbio no qual a menstruação ocorre com muito mais sangramento do que o normal. Além disso, tende a durar mais tempo que as regras normais (mais de 5 dias).

A hipermenorreia ocorre durante os dias normais da menstruação; isto é, o ciclo menstrual segue o mesmo ritmo, não muda. Isso torna ainda mais difícil distinguir e identificar essa patologia.

O principal sintoma desse distúrbio é, como mencionamos, que o sangramento é muito intenso. A mulher que sofre desse problema precisa trocar constantemente os absorventes que está usando.

De fato, muitas vezes é difícil controlar o fluxo menstrual, mesmo usando um absorvente interno e um absorvente externo ao mesmo tempo. Isso pode afetar o sono, pois as mulheres costumam acordar à noite para se trocar.

De acordo com a Clínica Mayo, é importante ter em mente que a hipermenorreia geralmente é acompanhada por outros sintomas devido às grandes perdas de sangue. As mulheres experimentam cansaço extremo, fadiga e até dificuldade em respirar.

 
Menstruação irregular

Leia também: É normal ter coágulos na menstruação?

Complicações da hipermenorreia

Além da anemia, a hipermenorreia pode causar cólicas menstruais muito dolorosas. Essas cólicas são tão intensas que muitas vezes são a razão pela qual a mulher consulta o ginecologista.

No entanto, o ideal é que, se você notar alterações no sangramento ou achar que ele está mais intenso do que o normal, vá ao médico. Não há motivo para se envergonhar; além disso, prestar atenção à menstruação pode ajudar a detectar inúmeras patologias precocemente.

Quais são as causas da hipermenorreia?

Em muitos casos, é difícil descobrir a causa exata dessa patologia. No entanto, algumas das mais comuns são:

  • Alterações hormonais. Em muitas mulheres, as funções hormonais fazem com que o endométrio, o revestimento do útero, cresça demais. Isso faz com que o sangramento menstrual se torne muito intenso quando ele se desprende.
  • Síndrome dos ovários policísticos. É apenas um dos fatores que causa o desequilíbrio hormonal acima mencionado.
  • Pólipos: São pequenos tumores benignos no útero que tornam o sangramento mais intenso ou prolongado.
 
  • Miomas uterinos.
  • Dispositivo intrauterino. É o método contraceptivo que normalmente chamamos de DIU. A hipermenorreia pode ser um dos seus efeitos colaterais.
  • Câncer do útero ou câncer do colo do útero. É uma das causas mais graves, mas felizmente não é tão comum. Está relacionado ao vírus do papiloma humano.

Além disso, problemas sanguíneos, como distúrbios hemorrágicos ou de coagulação, também podem causar hipermenorreia. Da mesma forma, certos medicamentos, como anticoagulantes, podem estar envolvidos no problema.

Ciclo menstrual

Não deixe de ler: A menstruação irregular depois do parto

Como é diagnosticada?

Como já mencionamos, é importante que você vá ao médico se tiver dúvidas sobre o seu sangramento menstrual. Você deve explicar quantos dias seu período geralmente dura e a quantidade de fluxo que normalmente expele.

O ginecologista certamente a examinará fisicamente e pedirá alguns exames adicionais. Em primeiro lugar, geralmente é feito um exame de sangue para verificar se há anemia ou outros distúrbios no sangue.

Também é realizado um exame de Papanicolau, que consiste em coletar células do colo do útero para verificar infecções ou alterações relacionadas ao câncer. O ultrassom também pode ajudar no diagnóstico.

 

Tratamento da hipermenorreia

O tratamento da hipermenorreia vai depender da causa e da gravidade da situação. Pode ser baseado em medicamentos, como anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) que ajudam a controlar a dor associada.

Outros medicamentos, como contraceptivos orais ou progesterona oral, também podem ser usados. Um estudo realizado pela Dra. Dragoman demonstrou que os contraceptivos orais podem ajudar a regular os ciclos menstruais e diminuir esses tipos de sintomas.

No entanto, também possui contraindicações, por isso é obrigatório consultar um ginecologista, que é a melhor opção para você.

Da mesma forma, existe um dispositivo intrauterino hormonal responsável por liberar uma substância que reduz a espessura do endométrio. Assim, o fluxo menstrual e as cólicas diminuem.

Existem outros tratamentos cirúrgicos que também podem ajudar. Eles são um pouco mais complicados, por isso é o médico que deve explicar todas as opções.

Mas não se esqueça: consultar o ginecologista é essencial!

Se você acha que tem hipermenorreia, não hesite em ir ao médico. Prestar atenção à sua menstruação é um dos aspectos básicos para alcançar o diagnóstico e encontrar o tratamento adequado.

Da mesma forma, é essencial que você vá à sua consulta anual com o ginecologista, mesmo que não apresente nenhum tipo de sintoma. Dessa forma, você evitará problemas e se sentirá mais tranquila.

 
  • Alteraciones del ciclo menstrual: Amenorrea, Hipermenorrea y Dismenorrea – Unidad de la mujer. (n.d.). Retrieved August 13, 2019, from https://www.unidaddelamujer.es/alteraciones-del-ciclo-menstrual-amenorrea-hipermenorrea-y-dismenorrea/
  • Heavy Menstrual Bleeding | CDC. (n.d.). Retrieved August 13, 2019, from https://www.cdc.gov/ncbddd/blooddisorders/women/menorrhagia.html
  • Dragoman, M. V. (2014). The combined oral contraceptive pill- recent developments, risks and benefits. Best Practice & Research Clinical Obstetrics & Gynaecology, 28(6), 825–834. https://doi.org/10.1016/j.bpobgyn.2014.06.003