Granuloma umbilical: o que é e como tratá-lo?

O granuloma umbilical é uma pequena anormalidade que aparece em bebês após a queda do cordão umbilical. Quais são as opções de tratamento?
Granuloma umbilical: o que é e como tratá-lo?

Última atualização: 24 Setembro, 2021

O cordão umbilical é uma estrutura tubular que desempenha funções vitais enquanto o bebê está no útero. Ele não é necessário após o nascimento, portanto, cai por conta própria após alguns dias. No entanto, problemas como o granuloma umbilical podem ocorrer nesse processo.

Durante a gravidez, a principal função do cordão umbilical é fornecer sangue oxigenado da mãe para o bebê. Para fazer isso, ele conecta o feto à placenta, que é o tecido onde ocorre a troca de sangue necessária.

Após o parto, a equipe médica corta o cordão e mantêm um vestígio do mesmo, que é ajustado com uma pinça especial que favorece seu ressecamento e desprendimento. Para evitar o aparecimento de lesões, é imprescindível saber como cuidar do umbigo durante todo esse processo.

O que é um granuloma umbilical?

O granuloma umbilical é uma pequena lesão cutânea, composta por tecido granulomatoso, que surge no umbigo após a queda do cordão umbilical. É visto como um pequeno nódulo rosado, de superfície lisa ou irregular, que pode ou não ter pedículo.

O tamanho desta lesão pode variar em cada bebê, embora geralmente não seja maior que um centímetro. Uma das suas características mais importantes é que não provoca dor ou supuração de nenhum tipo.

É uma das alterações umbilicais mais observadas em recém-nascidos, segundo um estudo da Cureus. Felizmente, com o tratamento adequado, costuma desaparecer completamente.

O que é um granuloma umbilical?
O granuloma umbilical é uma lesão benigna que surge após o descolamento do cordão umbilical.

Por que ocorre?

Muitas vezes, a causa exata do granuloma umbilical não pode ser identificada. Pode surgir como consequência do descolamento irregular e tardio dos restos do cordão. Isso geralmente leva entre 5 e 15 dias. Se demorar mais de 15 dias, é comum o desenvolvimento de um granuloma.

A lesão umbilical em questão também pode aparecer como parte de uma resposta inflamatória do corpo da criança a uma infecção na área. Nestes casos, as infecções geralmente não são detectadas a tempo, pois não geram sintomas específicos.

Algumas mães tendem a se sentir culpadas quando observam um granuloma umbilical em seus bebês. No entanto, é importante ressaltar que seu aparecimento não costuma estar relacionado aos cuidados com o recém-nascido. Na verdade, o desenvolvimento dessa lesão é quase impossível de prever.

Por que o granuloma umbilical pode ocorrer em adultos?

Embora sejam mais comuns em crianças, os granulomas do umbigo também podem aparecer em adultos. Esse aumento do tecido na região costuma aparecer para curar uma lesão. O corpo produzirá tecido inflamatório para conter o dano, que se manifestará com o granuloma.

Uma das causas mais frequentes do aparecimento desses nódulos é a rejeição de um piercing na região. Eles também podem aparecer após a cicatrização inadequada de uma lesão.

No entanto, os adultos devem descartar a presença de uma hérnia incisional ou umbilical na presença de um nódulo anormal na região. Para isso, é conveniente buscar ajuda médica especializada para obter um diagnóstico preciso.

Como é diagnosticado?

A forma como os médicos identificam um granuloma umbilical é por meio da inspeção. Eles irão observar a lesão em detalhes para diferenciá-la de outras patologias semelhantes. Eles também farão perguntas sobre os cuidados com o umbigo, descolamento do cordão umbilical e a presença de outros sintomas anormais.

Os especialistas geralmente não indicam exames laboratoriais ou de imagem nesses casos. Porém, alguns escolherão observar a lesão com um aparelho chamado dermatoscópio, que dará uma visão mais detalhada do granuloma.

Segundo uma publicação na Pediatric Dermatology, o dermatoscópio permite observar a formação de novos vasos sanguíneos nos granulomas umbilicais. Os vasos sanguíneos costumam ser distribuídos de forma desigual na lesão e estão localizados em um fundo vermelho leitoso gerado pelo crescimento de múltiplas células.

Tratamento do granuloma umbilical

Hoje, existem várias opções de tratamento para eliminar essas lesões. Na maioria dos casos, o tratamento conservador oferece resultados favoráveis. Uma das técnicas mais utilizadas é a aplicação tópica de uma substância chamada nitrato de prata, que fará a regressão do tecido.

Este produto deve ser aplicado sob prescrição médica prévia, pois é uma substância irritante que pode queimar a pele saudável. Por outro lado, um estudo do Patient Preference and Adherence estabelece que a aplicação de sal de cozinha também gera a regressão do granuloma e reduz a possibilidade de efeitos colaterais.

A taxa de sucesso do tratamento com sal de cozinha tende a ser superior a 90%, de acordo com o estudo citado. As mães devem colocar apenas uma pequena quantidade de sal no nódulo por 20 minutos, 2 vezes ao dia. A duração do tratamento pode variar para cada bebê, mas pode se estender por até 10 dias.

Infelizmente, há momentos em que o tratamento conservador não oferece resultados satisfatórios. Nesse caso, os bebês precisarão ser submetidos a um pequeno procedimento cirúrgico para remover a lesão. A cirurgia costuma ser rápida e não causa grande desconforto à criança.

Tratamento do granuloma umbilical
A limpeza adequada do umbigo é essencial para evitar complicações associadas à presença do granuloma.

O que acontece se o granuloma não for tratado?

Alguns granulomas umbilicais geralmente desaparecem por conta própria após um certo tempo, sem necessidade de tratamento. Mesmo assim, essa lesão deve ser sempre avaliada por um pediatra para definir o melhor tratamento. Em certos casos, quando não há intervenção, eles aumentam de tamanho e produzem secreções que dão um aspecto desagradável ao umbigo do bebê.

Além disso, esses são tecidos epiteliais fracos; portanto, podem servir como porta de entrada para infecções. Em última análise, se não for tratado, o nódulo pode levar a uma malformação permanente do umbigo do bebê. No futuro, isso pode levar a problemas de autoestima.

Dicas para cuidar de um granuloma umbilical em bebês

Crianças com granuloma umbilical devem receber cuidados especiais para prevenir infecções. De modo geral, as mães devem manter o umbigo do bebê limpo e seco.

Uma das principais medidas que devem ser tomadas é a troca regular da fralda do bebê, bem como garantir a higiene íntima adequada do recém-nascido. Este simples ato diminuirá significativamente a umidade na área. Também é recomendável colocar a fralda abaixo do umbigo para evitar que a urina penetre na área.

As orientações do pediatra são muito importantes nesses casos. Alguns médicos recomendam não molhar o umbigo durante o tratamento, por isso os bebês devem ser banhados com uma esponja. Caso molhe, é importante secar completamente dando pequenos toques na área e sem aplicar muita força.

O umbigo do recém-nascido deve ser limpo com álcool isopropílico pelo menos uma vez ao dia. Isso permite que os germes sejam removidos da área sem causar umidade.

Uma lesão benigna que precisa ser tratada

Um granuloma umbilical é uma lesão benigna que geralmente aparece após o descolamento do cordão umbilical. Não costuma causar sintomas graves no bebê, mas é necessário tratá-la para evitar o aparecimento de infecções. Nesse sentido, é sempre importante consultar um médico especialista.

Felizmente, esses nódulos respondem adequadamente ao tratamento conservador na maioria dos casos. Porém, cuidar da lesão em casa é fundamental para o seu desaparecimento completo.

Pode interessar a você...
Cuidados com o umbigo do recém-nascido
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Cuidados com o umbigo do recém-nascido

A melhor maneira de cuidar do umbigo do recém-nascido é não intervir no processo natural. Basta seguir algumas medidas básicas de higiene.



  • Das A. Umbilical Lesions: A Cluster of Known Unknowns and Unknown Unknowns. Cureus. 2019 Aug 2;11(8):e5309.
  • García-Rabasco A, Subiabre-Ferrer D, Alegre-de-Miquel V. Patología del área umbilical. Medicina Clínica Práctica. 2019;2(6):105-108.
  • Ancer‐Arellano J, Argenziano G, Villarreal‐Martinez A, Cardenas‐de la Garza J et al. Dermoscopic findings of umbilical granuloma. Pediatric Dermatology. 2019;36(3):393-394.
  • Haftu H, Bitew H, Gebrekidan A, Gebrearegay H. The Outcome of Salt Treatment for Umbilical Granuloma: A Systematic Review. Patient Prefer Adherence. 2020 Oct 30;14:2085-2092.
  • Bagadia J, Jaiswal S, Bhalala KB, Poojary S. Pinch of salt: A modified technique to treat umbilical granuloma. Pediatr Dermatol. 2019 Jul;36(4):561-563.
  • Tiwari LN, Vijayalaxmi M, Shailaja U, Bhandari M. Management of umbilical granuloma through chemical cauterization (Ksharakarma)-A case study. J Ayurveda Integr Med. 2021 Jan-Mar;12(1):169-171.