O que é o granuloma anular?

29 Setembro, 2020
O granuloma anular não costuma causar dor, mas pode provocar coceira e incômodo. É uma doença de pele rara, cuja causa específica é desconhecida.

O granuloma anular é uma doença inflamatória que aparece na pele. Seu nome se deve ao fato de ser caracterizado por protuberâncias circulares em forma de anel. São lesões salientes e avermelhadas, que geralmente desaparecem por conta própria.

A verdade é que o granuloma anular é uma doença rara. Pode afetar qualquer pessoa, mas geralmente aparece em jovens com cerca de 10 anos de idade. Sua causa não é bem conhecida, mas, segundo as estatísticas, afeta mais as mulheres do que os homens.

Essa patologia não costuma causar desconforto. No entanto, é bastante visível, o que constitui um problema do ponto de vista estético. Além disso, algumas pessoas sentem muita coceira nas protuberâncias.

Muitos de seus aspectos ainda estão sendo estudados, mas parece que ela pode estar relacionada a algumas infecções e até neoplasias. Neste artigo, explicamos tudo que você precisa saber sobre o granuloma anular para poder diferenciá-lo de outras doenças da pele.

O que é um granuloma anular?

Como já mencionamos, é uma doença inflamatória e crônica da pele. Consiste na formação de lesões avermelhadas e volumosas em forma de anel. Geralmente, elas aparecem nas mãos e nos pés.

A verdade é que, embora se saiba que afeta mais mulheres e pessoas jovens, sua causa não é totalmente conhecida. Ainda assim, foi observado que certos fatores podem desencadear o problema. Ele pode, por exemplo, ser um efeito colateral de alguns medicamentos.

Outras causas possíveis são as picadas de insetos e até mesmo uma reação às vacinas. O granuloma anular também tem sido associado a infecções como a hepatite, por exemplo. Ainda assim, deve-se notar que esta não é uma doença contagiosa.

Embora o granuloma anelar geralmente desapareça após dois anos sem tratamento, é importante estudá-lo bem. Os cientistas estão tentando confirmar a sua associação com outras doenças sistêmicas.

Parece que ele pode estar relacionado a certas doenças da glândula tireoide e à diabetes. Inclusive, certos processos cancerígenos podem provocá-lo. Nesses casos, geralmente há mais lesões por todo o corpo e elas não respondem bem aos tratamentos.

Homem com granuloma anular na mão
As mãos são um dos locais mais afetados pelo granuloma anular.

Leia também: Dermatologista esclarece dúvidas relacionadas aos cuidados com a pele

Quais são os seus sintomas?

O granuloma anular, além dos inchaços, não necessariamente causa sintomas. Essas lesões podem ser de diferentes cores, desde azuladas até uma cor de carne, puxando para o vermelho. Tais protuberâncias têm uma forma de anel que se expande para fora, com o centro ligeiramente afundado.

As lesões são sensíveis ao toque, mas não causam dor. No entanto, podem ser um problema estético ou causar coceira, especialmente quando há muitas espalhadas por todo o corpo.

Os especialistas classificam o granuloma anular em diferentes tipos:

  • Em primeiro lugar, encontramos o granuloma anular localizado, que é o tipo mais comum. Geralmente aparece nas mãos e nos pés, e as lesões podem chegar a ter 5 centímetros de comprimento.
  • Há também o granuloma generalizado, que é aquele que se espalha por todo o corpo.
  • Finalmente, temos o granuloma subcutâneo. Neste caso, as saliências são pequenas e firmes, e não costumam ter cor avermelhada.
Granuloma anular
A forma localizada da doença é a mais comum.

Você pode gostar de ler: 11 doenças sexualmente transmissíveis (DST) que você deve conhecer

Como o granuloma anular é tratado?

O granuloma anular causa lesões muito características, facilitando o diagnóstico. Ainda assim, quando resta alguma dúvida, os dermatologistas podem solicitar uma biópsia de pele para confirmá-lo. Como indicamos anteriormente, as protuberâncias geralmente desaparecem por conta própria depois de um tempo.

Dessa forma, a doença dura no máximo dois anos. Por isso, não há uma necessidade de tratá-la. No entanto, é verdade que o granuloma anular pode provocar incômodos por causa da sua aparência e da coceira. Por isso, existem algumas opções de tratamento.

Em alguns casos, cremes com corticosteroides podem ser usados para acelerar o desaparecimento das lesões. Pode-se, até mesmo, injetar tais medicamentos quando o paciente tratado não reage aos cremes.

Em certos casos os médicos usam técnicas de fototerapia para tratar o granuloma anular. Quando as lesões são disseminadas e generalizadas, os medicamentos são prescritos por via oral. No entanto, o mais importante é consultar um médico, pois ele será o responsável por decidir qual é o tratamento mais adequado.

  • Granuloma anular – Trastornos de la piel – Manual MSD versión para público general. (n.d.). Retrieved February 13, 2020, from https://www.msdmanuals.com/es-es/hogar/trastornos-de-la-piel/hipersensibilidad-y-trastornos-cutáneos-inflamatorios/granuloma-anular
  • Fernandez-Anton-Martinez, M. D. C., Avilés Izquierdo, J. A., Baniandrés, O., & Suárez Fernández, R. (2012). Granuloma anular generalizado: Un reto terapéutico. Nuestra experiencia en 12 pacientes. Piel, 27(10), 543–548. https://doi.org/10.1016/j.piel.2012.07.016
  • Navarro-Hernández, Cipactli Ariel, et al. “Granuloma annulare: A dermatological challenge.” Dermatología Revista Mexicana 62.3 (2018): 221-232.