Gordura visceral e periférica: saiba como combatê-las

· 26 de setembro de 2015
Se quisermos eliminar os depósitos de gordura visceral e periférica devemos realizar uma série de mudanças em nossa rotina. Coma 4 ou 5 vezes ao dia e pratique mais exercícios físicos.

A maioria das pessoas está acostumada a se referir à “gordura” como se fosse uma coisa só, sempre com as mesmas características. No entanto, principalmente no que diz respeito à saúde, é importante diferenciá-las para entender seus riscos, consequências e formas de prevenção.

Neste artigo iremos falar sobre a gordura visceral e a gordura periférica. Embora elas sejam um pouco diferentes, ambas são prejudiciais à saúde e aumentam o risco de doenças e complicações.

Para que tenhamos uma vida mais saudável, iremos também falar sobre como podemos combater a gordura. Como podemos prevenir o seu acúmulo e eliminar os depósitos que já temos no corpo.

A gordura visceral

Gordura visceral e risco cardíaco

A gordura visceral é a mais perigosa para a saúde e, infelizmente, grande parte das pessoas sofre com ela na atualidade.

Trata-se de uma gordura profunda, que fica localizada ao redor dos nossos órgãos internos como o estômago, o intestino e o fígado. Por estar próxima aos órgãos, ela tende a se acumular na região do abdômen.

Por este motivo, se você tiver uma barriga proeminente, saiba que provavelmente tem estoques de gordura visceral nesta região do corpo.

Os homens possuem uma tendência maior de acumulá-la, e por isso, na média, costumam apresentar barrigas mais avantajadas do que as mulheres.

Esta gordura é muito ativa e libera substâncias tóxicas muito prejudiciais na corrente sanguínea. Ela pode causar inflamação e problemas digestivos. Além disso, também possui algumas consequências mais “emocionais”, como o estresse e a ansiedade.

Por último, estudos recentes mostram que a gordura visceral pode aumentar o risco de desenvolver várias doenças. Entre elas, as cardiovasculares, ataques cardíacos, derrames e até demência.

Além disso, por afetar a resistência do corpo à insulina, este tipo de gordura também aumenta o risco de diabetes.

Por todos estes motivos, é muito importante adotar hábitos e soluções que permitam eliminar a gordura visceral. Veja nossas sugestões:

Leia também: 7 chaves para derrotar a gordura abdominal em 60 dias

A gordura periférica

Gordura abdominal

Apesar de ser considerada menos perigosa pela ciência, quando comparada com a gordura visceral, a gordura periférica também é prejudicial. Seu acúmulo no organismo deve ser evitado pelo bem da nossa saúde.

Mas do que se trata a gordura periférica?

Assim como os homens têm uma facilidade maior de acumular gordura na região do abdômen, as mulheres são mais propensas a manter seus depósitos de gordura nas pernas, coxas e glúteos. Principalmente aquelas com um formato de corpo conhecido popularmente como “pera”.

Este tipo de gordura não costuma apresentar sintomas claros de como está afetando a nossa saúde. Por isso, é importante fazer consultas periódicas com um médico,  para monitorar fatores como o nível de colesterol.

Em algumas situações, podemos sentir uma sensação de peso exagerado nas pernas, câimbras e até dormência nos membros inferiores.

Se isso estiver acontecendo, pode ser indício de que a gordura periférica se acumulou nas artérias. As consequências podem ser graves.

Assim, é importante o esforço para prevenir o acúmulo e eliminar os depósitos de gordura periférica já existentes.

Como combater a gordura visceral e a periférica?

Exercícios físicos para combater gordura visceral

Perceba que, não estamos falando de conseguir um corpo perfeito ou uma barriga chapada; estamos falando de saúde.

Os hábitos que descreveremos a seguir devem fazer parte do seu dia a dia não por uma questão estética, mas para que você tenha mais qualidade de vida e longevidade.

Infelizmente, não há milagres para eliminar rapidamente ambos os tipos de gordura que descrevemos. Há que manter um estilo de vida mais saudável e ter paciência: pouco a pouco os resultados irão surgir.

Isso também pode interessar você: 5 dicas para melhorar sua rotina para queimar gordura abdominal

Alimentação

No que diz respeito à alimentação, é importante adotar hábitos equilibrados e balanceados. Escolha uma dieta rica em frutas, vegetais, grãos integrais e proteínas magras.

Além disso, devemos dividir nossa ingestão calórica em 5 ou 6 refeições ao longo do dia. Mas não se esqueça de escolher sempre alimentos saudáveis.

Outras recomendações importantes são manter o corpo bem hidratado, bebendo cerca de 2 litros de água por dia. A redução de sal também é importantíssima.

Elimine também o consumo de alimentos industrializados, farinhas refinadas, açúcares, doces e refrigerantes.

Em relação às gorduras, muitas pessoas acreditam que elas devem ser cortadas completamente da dieta, mas isso não é verdade.

As gorduras saudáveis, como a do abacate, azeite de oliva, nozes e amêndoas e  peixes como o salmão e o atum, são importantíssimas para a saúde. Por isso, podem fazer parte de uma dieta saudável e equilibrada.

As gorduras saturadas, por outro lado, devem realmente ser evitadas.

Atividade física

A melhor maneira de queimar gordura é por meio da prática regular de atividade física. Mas lembre de que não se trata de exagerar e querer fazer exercícios que não condizem com o seu condicionamento físico logo no início.

Comece dando o primeiro passo e, com o tempo, você irá aumentar a dificuldade dos exercícios.

Para ajudar a eliminar a gordura visceral e periférica, basta escolher uma atividade física que lhe dê prazer. A constância é fundamental, por isso, tente exercitar-se pelo menos três vezes por semana.

Lembre-se de que o seu coração deve estar ativo, e os batimentos cardíacos devem estar mais rápidos do que estariam normalmente.

Introduzindo estes novos hábitos à sua rotina, pouco a pouco, você irá notar os resultados, não apenas no seu corpo, mas principalmente na sua saúde. O esforço vale a pena!

Gostou deste artigo? Sendo assim, continue antenado na nossa página.

Ribeiro Filho, F. F., Mariosa, L. S., Ferreira, S. R. G., & Zanella, M. T. (2006). Gordura visceral e síndrome metabólica: mais que uma simples associação. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. https://doi.org/10.1590/S0004-27302006000200009