Cirurgia de flambagem escleral: como é realizada e para que serve?

Os riscos da cirurgia de flambagem escleral são baixos, embora várias semanas de cuidados sejam recomendadas para evitar algumas complicações.
Cirurgia de flambagem escleral: como é realizada e para que serve?

Última atualização: 21 Junho, 2021

A cirurgia de flambagem escleral é um procedimento para reparar o descolamento de retina. Consiste na introdução de um material de silicone para retornar esse tecido à sua posição original.

Embora existam outras alternativas, esta é uma das mais utilizadas pelos oftalmologistas. A seguir, destacamos os aspectos mais marcantes da cirurgia. Continue lendo!

Por que a retina se descola?

Essa estrutura tem a aparência de uma fina camada que ocupa a parte posterior do olho, mas do ponto de vista microscópico, é altamente complexa. Graças à retina podemos ver as imagens com clareza, então qualquer dano causa sequelas permanentes.

Existem muitos mecanismos envolvidos no descolamento da retina e em todos eles há um acúmulo de fluido (chamado de humor vítreo) atrás da estrutura. Gradualmente, isso leva à perda de suprimento de sangue, o que resulta na morte do tecido.

O desprendimento pode acontecer espontaneamente em algumas pessoas com fatores de risco. De acordo com uma publicação da Clínica Mayo, os mais importantes são os seguintes:

  • Idade acima de 50 anos.
  • Sofrer de diabetes mellitus
  • Ter histórico familiar de descolamento de retina.
  • Ter passado por um procedimento oftalmológico anterior.
Diabetes
A diabetes é uma doença que altera a circulação dos pequenos vasos, podendo afetar as artérias da retina.

Como funciona a cirurgia de flambagem escleral?

De acordo com uma publicação da Texas Retina Associates, a cirurgia de flambagem escleral envolve a inserção de uma faixa ou esponja de silicone em relação à esclera. Esta última estrutura é a parte branca que vemos em todos os olhos ao redor da íris.

Isso causa um ligeiro aumento na pressão e deslocamento das estruturas intraoculares para trazer a retina ao seu local original. O procedimento requer algumas incisões na superfície externa do olho para colocar o material.

O médico assistente pode realizar algumas técnicas adicionais para prevenir a recorrência da doença. As mais utilizadas são a fotocoagulação a laser e a criopexia. Em ambos os casos, é produzido tecido cicatricial que permite selar as rupturas dos tecidos lesados.

Preparação prévia

Como todos os procedimentos cirúrgicos, geralmente há uma breve etapa pré-operatória que consiste no seguinte:

  • Permanecer na cama para evitar movimentos bruscos enquanto aguarda o início da intervenção.
  • O médico ou enfermeiro pode cortar um pouco os cílios e colocar gotas com medicamentos que permitem a dilatação da pupila.
  • Administração de anestesia local. Isso depende do paciente e da gravidade clínica.

Como é o procedimento?

Dependendo da gravidade do descolamento de retina, a cirurgia de flambagem escleral pode levar 1 a 2 horas, no mínimo. Os passos gerais a seguir são os seguintes:

  • Fazer uma incisão na esclera.
  • Colocação do material de silicone.
  • Sutura deste último para evitar que se mova.
  • Drenagem de fluido acumulado atrás da retina.

Também é possível realizar os procedimentos complementares mencionados na seção anterior, apesar de cada um deles possuir sua própria técnica.

Expectativa e recuperação após a cirurgia de flambagem escleral

A eficácia desse procedimento geralmente é muito boa, embora existam algumas complicações que mencionaremos a seguir.

Os primeiros dias de recuperação são caracterizados por uma leve dor local com vermelhidão e lacrimejamento constantes. Esses sintomas diminuem com o passar dos dias.

Além disso, o médico pode realizar outras indicações, como as seguintes:

  • Manter um repouso relativo, ou seja, não com prostração absoluta.
  • Usar uma venda após o procedimento.
  • Aplicar gotas de antibiótico periodicamente.
  • Consumir analgésicos, como o ibuprofeno.
  • Não dirigir e evitar carregar objetos pesados.
  • Não viajar de avião.
  • Usar óculos de sol.

Com o passar das semanas, será necessário consultar o cirurgião que fez a operação para verificar a eficácia do procedimento realizado.

Quais são os riscos da cirurgia?

Embora raro, esse procedimento pode causar complicações nas primeiras semanas. As condições mais importantes são as seguintes:

  • Infecções.
  • Cataratas.
  • Glaucoma.
  • Novo descolamento de retina.

Por esse motivo, é aconselhável ir ao oftalmologista se apresentar perda de acuidade visual ou ao ver luzes ou objetos estranhos. Outros sinais de alerta são inchaço ao redor dos olhos e aumento da dor.

Cirurgia ocular
A flambagem escleral não está isenta de riscos, pois é um procedimento que atinge o globo ocular. Você deve estar atento aos sinais de alerta.

A cirurgia de flambagem escleral é uma opção eficaz para uma emergência

O descolamento de retina é uma emergência médica que pode levar à cegueira permanente. Caso apresente algum dos sintomas relacionados, é necessário procurar um serviço de oftalmologia o quanto antes.

Embora existam outros procedimentos eficazes, como a vitrectomia via pars plana, a cirurgia de flambagem escleral continua sendo a primeira escolha para muitos especialistas.

Pode interessar a você...
Os problemas oculares diabéticos e a sua prevenção
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Os problemas oculares diabéticos e a sua prevenção

A glicose sanguínea elevada afeta vários sistemas e órgãos, e um dos aspectos mais importantes são os problemas oculares diabéticos.



  • American Academy of Ophthalmology. Management of posterior vitreous detachment, retinal breaks, and lattice degeneration. Preferred practice pattern. San Francisco: American Academy of Ophthalmology; 1998.
  • Cano J, et al. Desprendimiento de retina: una revisión bibliográfica necesaria. MEDISAN 2015; 19(1):78.
  • Claramunt J. Desprendimiento de retina. Rev Med Clin Condes 2010;21(6):956-960.
  • Ho CL, Chen KJ, See LC. Selection of scleral buckling for primary retinal detachment. Ophthalmologica 2002; 216:33-39.
  • Kaiser PK, Riemann CD, Sears JE et al. Macular traction detachment and diabetic macular edema associated with posterior hyaloidal traction. Am J Ophthalmol 2001; 131:44-49.
  • Machemer R, Williams JM Sr. Pathogenesis and therapy of traction detachment in various retinal vascular diseases. Am J Ophthalmol 1988; 105: 170-181.