Estrutura e partes dos neurônios

Os neurônios são células altamente especializadas que formam uma espécie de "rodovia da informação". Seus sinais viajam a uma velocidade incrível de mais de 200 km por hora e eles estão sempre conectados, embora nunca se toquem.
Estrutura e partes dos neurônios

Última atualização: 10 dezembro, 2021

Os neurônios são as células que constituem o sistema nervoso. Eles são altamente especializados e cumprem a função de transmitir informações por todo o organismo através de impulsos elétricos: são uma verdadeira maravilha da natureza.

Graças a eles é possível realizar várias das funções básicas da vida inteligente. Eles desempenham um papel fundamental no movimento, percepção e raciocínio. Para isso, utilizam uma estrutura bastante especializada, da qual falaremos a seguir.

Partes de neurônios e suas características

Plasticidade neural nas células.
Os neurônios são as células que constituem o sistema nervoso.

Os neurônios são a unidade funcional e estrutural de todo o sistema nervoso. Eles são constituídos por diferentes partes e cada uma delas possui características próprias e desempenha funções muito específicas. Vejamos quais são as partes do neurônio.

Soma ou corpo celular

Pode-se dizer que o soma ou corpo celular é o “painel de controle” ou “centro de comando” dos neurônios. Trata-se da a área mais ampla, que abriga o citoplasma e o núcleo. Ele possui uma forma oval e também armazena todo o material genético da célula.

No soma são realizados os processos necessários para que o neurônio permaneça vivo e possa cumprir a sua função de transmitir sinais elétricos de forma adequada para outros neurônios.

Dendritos

Os dendritos são pequenas extensões que nascem do corpo celular ou soma. Juntos, eles formam uma espécie de rede que cobre todo o centro do neurônio. O que eles fazem é capturar os sinais químicos enviados pelo neurônio que os precede.

Depois disso, os dendritos enviam essas informações para o corpo do neurônio. Isso faz com que a célula seja eletricamente ativada. Em resumo, eles recebem informações químicas e as transmitem para que elas se tornem sinais elétricos.

Axônio

O axônio é um prolongamento, uma espécie de cauda, que sai do corpo do neurônio. Seu comprimento varia, dependendo da área do corpo em que se encontra. Ele se localiza na extremidade oposta aos dendritos, e sua função é receber o impulso elétrico e conduzi-lo a outra área chamada “botão sináptico”.

Núcleo

O núcleo dos neurônios é a estrutura que contém o DNA deles; ou seja, a informação genética da célula. Portanto, neste local é exercido o controle sobre tudo o que acontece no neurônio. Em geral, ele produz a energia de que a célula necessita para funcionar.

Bainha de mielina

A mielina é uma camada que envolve o axônio dos neurônios. Ela não é contínua, está presente em pedaços com um intervalo entre eles que não ultrapassa um micrómetro de comprimento. É composto por proteínas e gorduras e sua função é permitir que o impulso elétrico viaje através do axônio na velocidade correta.

Corpúsculos de Nissl

Também é conhecido como “grânulos de Nissl”. Corresponde a grânulos que estão presentes no corpo dos neurônios e dendritos, mas não no axônio. Trata-se de uma verdadeira fábrica produtora de proteínas. Estas últimas são essenciais para a transmissão dos impulsos elétricos.

Nódulos de Ranvier

Os nódulos de Ranvier são as áreas do axônio que não são cobertas pela bainha de mielina, ou seja, os espaços entre uma parte da mielina e a outra. Através deles o sódio e o potássio entram nos neurônios, o que contribui para que o sinal elétrico a viaje mais rápida e suavemente através do axônio.

Também pode te interessar: Curiosidades sobre o cérebro feminino

Botões sinápticos

Os botões sinápticos são ramos que estão na parte final do axônio. Eles recebem o sinal elétrico que sai do axônio, e em seguida emitem sinais químicos que devem ser captados pelos dendritos do próximo neurônio. Eles também são conhecidos como “botões terminais”.

Cone axonal

Esta zona é morfológica, mas não funcional. Em outras palavras, deve ser mencionada como parte dos neurônios, mas não possui uma função específica. É a parte mais estreita do corpo do neurônio e dá origem à formação do axônio.

Neuroglia

Existem alguns componentes que, estritamente falando, não fazem parte do neurônio; no entanto, eles são essenciais para o seu funcionamento. Esses componentes se tratam de outras células, como as seguintes:

  • Astrócito. Nutre, limpa e dá suporte aos neurônios.
  • Oligodendrócito. Cobre axônios com mielina. Além disso, ele sustenta e une a célula.
  • Microglia Elimina resíduos, cuida da resposta imunológica e ajuda a manter o equilíbrio dos neurônios.
  • Células de Schwann. Ele cobre os axônios dos neurônios no sistema nervoso periférico com mielina.
  • Ependimócito. Cobre os ventrículos cerebrais e uma parte da medula espinhal.

Tipos de neurônios

Mielina.
Existem diferentes tipos de neurônios, dependendo da função que eles desempenham.

Nem todos os neurônios são iguais. Eles diferem entre si pela função que desempenham e, a partir desse ponto de vista, são quatro tipos, como veremos a seguir.

Neurônios sensoriais

Esses são os neurônios que recebem os estímulos do ambiente externo. Tais estímulos podem ser percebidos por meio dos cinco sentidos: visão, olfato, tato, paladar e audição. Eles também são responsáveis por transmitir os sinais emitidos pelos órgãos internos ao cérebro.

Neurônios motores

Os neurônios motores enviam sinais do sistema nervoso central para os músculos. O movimento do corpo ocorre em resposta a esses impulsos elétricos, de acordo com as necessidades específicas de cada situação.

Interneurônios

Este tipo de neurônios é responsável por realizar uma função de intermediação. O que eles fazem é transmitir informações entre neurônios sensoriais e motores. Eles garantem que as mensagens sejam transmitidas e recebidas da maneira correta.

Neurônios de relé

Os neurônios de relé são grandes. Eles cumprem a função de transmitir informações de uma parte do sistema nervoso central para outra, sem necessidade de passar pelo sistema nervoso periférico.

Como funciona um neurônio?

Os neurônios funcionam como uma rodovia de informações através de sinais elétricos que são transmitidos de uma célula para outra. Esse processo é cíclico: quando a informação chega ao final do axônio, ela passa para os botões sinápticos.

Nesse local, partículas chamadas neurotransmissores são liberadas. Alguns deles se perdem, mas outros entram nos dendritos do próximo neurônio. Quando isso acontece, os dendritos transmitem esse sinal para o corpo do neurônio. Isso ativa o sinal elétrico, que vai para o axônio para iniciar o ciclo novamente.

Todo esse processo sempre ocorre entre dois neurônios e se repete infinitamente. Sempre que há um estímulo essa sequência se repete em cadeia, a uma velocidade impressionante. Esse processo é conhecido como “sinapse“.

Neurônios e seu complexo sistema de conexões

Estima-se que um único neurônio faça entre 5.000 e 200.000 sinapses com outros neurônios. De fato, é por meio de um sistema complexo de trilhões de conexões neurais que o cérebro pode organizar e processar informações o tempo todo.

Por outro lado, acredita-se que o cérebro humano tenha entre 67 e 87 bilhões de neurônios. Embora a classificação básica dessas células seja de quatro tipos, como explicamos antes, até 10.000 tipos diferentes de neurônios são mencionados em outras classificações.

Pode interessar a você...
Neurogênese: como são gerados novos neurônios?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Neurogênese: como são gerados novos neurônios?

A descoberta de que a neurogênese, isto é, a geração de novos neurônios no cérebro adulto, permanece ativa, mudou o conceito de plasticidade cerebr...