Anda muito cansado? Formas de recuperar a energia

· 20 de setembro de 2017
Conhecer os próprios limites é fundamental para não chegar à exaustão e acabar prejudicando a saúde física e mental.

Há momentos em que chegamos ao mais extremo dos esgotamentos, aquele em que nos sentimos cansados de “estarmos sempre cansados”, sem um pingo de energia.

Pode parecer irônico, mas ainda que seja difícil acreditar, esta sensação vai muito além da simples fadiga física.

Falamos, antes de mais nada, de um estado mental em que a pessoa começa a se sentir vulnerável, sem recursos pessoais e frustrada por não conseguir cumprir com os objetivos do dia a dia.

Poucas situações podem chegar a ser tão desgastantes quanto a de se sentir irritado consigo mesmo por não alcançar, por não corresponder aos demais como gostaria; ainda mais, por não sentir um bem-estar físico e emocional para ter uma adequada qualidade de vida.

Hoje, em nosso espaço, queremos explicar a que se deve este tipo de estado tão comum e, sobretudo, como podemos enfrentá-lo.

1. Você está descuidando de si mesmo: comece a se priorizar

Às vezes nos esquecemos de que nosso corpo e nossa mente são atributos de um ser humano, e não de um robô de energia incombustível.

  • Seu corpo precisa descansar, e permitir a si mesmo algumas horas de relaxamento por dia e um ou dois dias de descanso na semana não significa que faça menos ou que descuide das obrigações.
  • Focar em cumprir expectativas alheias, em fazer mais do que pedem, e em centrar toda a atenção nos demais, cedo ou tarde vai prejudicar.
  • Nutrir a si mesmo de vez em quando com instantes de solidão, ócio e bem-estar é sinônimo de saúde.

Reflita sobre estas ideias e comece a aprender a priorizar a si mesmo.

Leia também: Efeitos que a ansiedade causa em seu corpo

2. Aprenda a focar no que você pode controlar

Mulher segurando margarida

Precisamos admitir que muitos ficam obcecados com aquilo que está longe do controle.

  • Gostaríamos que esta ou aquela pessoa se desse conta de certas coisas.
  • Ficaríamos felizes se todos que nos rodeassem agissem como esperávamos.
  • Às vezes também cometemos o seguinte erro: investir tempo e energia em causas perdidas.
    • Fazemos todo o possível para que nosso amigo ou irmão, por exemplo, mude de atitude, de humor, ou de comportamento com a ideia de que seja mais feliz.
    • No entanto, caso não se dedique, não vão conseguir somente por nos ouvir.

Devemos manter o foco naquilo que está ao nosso alcance, naquilo que podemos controlar e em que podemos obter resultados claros.

Do contrário, a única coisa que conseguiremos será dar cabeçadas na parede ao investir tanto de nós mesmos em causas impossíveis.

3. Controle suas expectativas

“Se fizer isso, conseguirei aquilo”. “Se tal pessoa me fizer este favor, então acontecerá aquilo que tanto espero”. “Se eu alcançar este objetivo, finalmente serei feliz”.

  • Embora seja verdade que traçar metas é algo bom e recomendável, não é saudável construir expectativas altas demais ou definir objetivos cujo alcance não dependa de nós mesmos.
  • Nestes últimos casos, o mais provável é que muitos de nossos desejos nunca se tornem realidade.
  • A sensação de fracasso reiterada faz com que nos sintamos cansados e sem esperanças.

Aprendamos, portanto, a estabelecer metas mais realistas e mais de acordo com nossas possibilidades.

4. Ouça a sua mente

Pessoa com asas de borboleta

O propósito primário de nossa mente e de nosso cérebro é nos proteger.

Caso se sinta sempre cansado e sem energia, há um desequilíbrio físico ou emocional que deve ser atendido.

Não podemos nos esquecer de que tanto a dor como o próprio sofrimento são chamadas de atenção de nosso cérebro para que nos detenhamos e descubramos o que causa o incômodo.

No caso de não ouvirmos nossa mente, não prestarmos atenção aos sinais do corpo cansado, o esgotamento se acumulará ainda mais.

5. Leve-se a sério

Você é uma pessoa que conquistou muitas coisas, que enfrentou diversos momentos difíceis, diversas adversidades.

Você tem virtudes admiráveis, forças que um dia lhe deram grandes resultados. Você esqueceu tudo que vale, tudo que fez e conseguiu?

  • Leve-se a sério, valorize-se, mime-se.
  • Se está cansado, presenteie-se com um descanso.
  • Se está preocupado, presenteie-se com paz.
  • Caso se sinta inquieto, presenteie-se com calma.
  • Se pedem demais, liberte-se de certas pessoas.
  • Se você se esqueceu do quanto vale, estabeleça um encontro consigo mesmo para se reconciliar com seu ser, com suas emoções e identidade.

6. Há estratégias que permitirão recuperar a energia quando estiver cansado

Mulher feliz

  • Aprenda a dizer “não” e descobrirá algo fantástico: o mundo não acaba.
  • Levante-se e saia para dar um passeio.
  • Ouça música.
  • Crie uma visão de como quer ver a si mesmo e se sentir dentro de um ano. Além disso, comece a trabalhar nesta ideia todos os dias.
  • Dizer aos demais “hoje não estou disponível para ninguém” não é um crime, é saúde.
  • Averigue o “porquê” de seu cansaço. Evite deixar para amanhã o mal-estar que sente hoje.
  • Perdoe-se por cometer erros.
  • Rodeie-se de pessoas que te façam sorrir.
  • Conheça pessoas novas.
  • Pare de compartilhar tempo com pessoas que roubam a calma, a energia e o humor.
  • Leia livros que mostrem novas realidades, que ofereçam estratégias de melhoria.
  • Presenteie-se tempo para si mesmo em solidão.

Leia mais: Como melhorar a dieta e ter mais energia

7. Viva o momento

Viver o momento implica também saber ouvir o próprio corpo para dar-lhe aquilo de que precisa em cada instante.

Se precisa de descanso porque se sente cansado, obedeça a suas necessidades: descanse. Simples assim.

Viver de forma consciente sendo receptivos ao que nos envolve e ao que nosso interior nos diz é uma chave de saúde mental que devemos praticar diariamente.

Portanto, não hesite em colocar estes conselhos em prática. Às vezes as menores mudanças trazem grandes resultados.

  • Corrêa de Faria Mota, D. D., Lopes Monteiro da Cruz, D. D. A., & Andrucioli de Mattos Pimenta, C. (2005). Fadiga: uma análise do conceito. Acta Paulista de Enfermagem18(3).