Entorses: por que ocorrem? Como são tratadas?

6 de dezembro de 2018
Em função da gravidade da entorse, é muito importante fazer repouso e não forçar a articulação para que seja possível ter uma recuperação completa e saudável.

As torções ou distensões de ligamentos são mais comuns do que imaginamos. Essas não afetam apenas os atletas, como na verdade qualquer incidente doméstico pode provocar entorses.

Neste artigo contaremos porque ocorrem e como é possível tratar as entorses para que esteja preparado caso passe por esta situação.

O que você sabe sobre as entorses?

Trata-se de uma lesão nos ligamentos que pode ocorrer por diversas causas: torção, alongamento excessivo ou distensão. As entorses estão acompanhadas de inflamação, dores e hematomas que impedem que os movimentos sejam realizados corretamente.

Podem surgir por causa de uma queda ou pancada, ou também por um movimento brusco ou exagerado. É necessário conhecer a diferença entre torção, luxação e ruptura.

  • A luxação é a mais grave delas, porque envolve uma separação dos ossos.
  • No caso da ruptura, são comprometidos os tecidos musculares.

A quantidade de dias de recuperação de uma entorse pode variar de acordo com a gravidade ou a periodicidade da lesão. As regiões mais comuns onde costuma ocorrer são:

  • Tornozelo
  • Cotovelo
  • Pulso
  • Polegar
  • Pescoço
  • Joelho
  • Ombro

Dependendo da atividade que realizarmos podemos sofrer uma entorse em um lugar determinado, ainda que em quase todos os casos (que não incluam atletas) é devido a um mau movimento ou a um acidente doméstico.

Medico-colocando-faixa-no-pe

Existem três graus de entorses:

Primeiro grau

Uma distensão em primeiro grau é parcial, não inclui a ruptura do ligamento e podem ser realizados alguns movimentos muito leves. A recuperação é total e não ficam sequelas posteriores.

Segundo grau

Os ligamentos rompem-se parcial ou totalmente, os movimentos são anormais e a dor é muito intensa. A recuperação da lesão de segundo grau é alcançada por completo se a pessoa fizer o repouso necessário.

Em alguns casos podemos ter sequelas leves.

Terceiro grau

No terceiro grau, a ruptura do ligamento é total e ainda há uma ruptura óssea.

É necessário um tratamento cirúrgico para reparar os danos e quase sempre ficam sequelas que podem variar entre moderadas e graves dependendo do caso em questão (rigidez, fragilidade e dores, por exemplo).

Tratamento e fases de reabilitação das entorses

Tornozelo com entorses

Estes são aplicados para as fases 1 e 2, porque a 3 requer atenção médica imediata.

  • O repouso é muito importante, sempre com a extremidade elevada para que o edema drene e a região afetada não se inflame.
  • Por outro lado, recomenda-se aplicar gelo porque diminui o inchaço e a dor. Além disso, ajuda a reduzir o processo de recuperação.
    Envolva alguns cubos de gelo em um lenço limpo e seco e aplique na área afetada até que eles derretam. Repita a cada três horas durante os primeiros três dias.
  • Em função do grau da entorse pode ser necessário imobilizar a extremidade afetada. Por exemplo, pode-se usar faixas, talas, ou até gesso.
    Durante todo este tempo aconselha-se também consumir algum tipo de anti-inflamatório para evitar a dor, principalmente na hora de dormir.
  • À noite, convém deixar a área elevada sempre que possível, usando almofadas, por exemplo.

As fases de reabilitação para entorses de primeiro e segundo grau são três:

Fase 1 (primeiras 72 horas)

É preciso o repouso absoluto com a extremidade para o alto, a aplicação de gelo e a utilização de uma faixa na região.

Fase 2 (entre o 4 º e o 7 º dia)

O repouso é relativo e, no caso de ser necessário, pode-se usar muletas para apoiar o corpo ao caminhar. É importante não forçar a articulação ao tentar fazer qualquer tipo de atividade ou movimento.

Muitas pessoas colocam um tipo de bandagem elástica que pode ser encontrada em algumas farmácias.

Fase 3 (a partir da segunda semana)

Neste momento deve-se usar bandagens de compressão para que o edema desapareça por completo e passe a doer cada vez menos.

Com exercícios de fortalecimento consegue-se cada vez mais mobilidade e os incômodos vão desaparecendo.

Exercícios de reabilitação de entorses de tornozelo

Falaremos deste tipo de entorse, pois costuma ser o mais frequente.

Alguns destes exercícios podem ser realizados em caso de entorses em outras extremidades (pulso, joelhos e ombros).

Alongamento com elástico

A importância de fazer alongamentos

Deite-se de lado em um colchonete, com as pernas estiradas. Coloque uma fita elástica entre os tornozelos e estique o que está acima (o lesionado) o máximo possível.

Outras versões são fazer o exercício sentado ou em pé, dependendo das capacidades de cada um.

Saiba mais: 6 exercícios de alongamento muscular

Mobilidade articular

Uma vez que a inflamação tenha cedido e a dor não seja tão forte, deve-se mover a articulação em todas as direções e em círculos.

Além disso, um bom exercício é traçar no ar diferentes formas para fortalecer bem a área.

Flexões

Deitado em uma superfície plana com os pés apoiados no chão, eleve o tornozelo em várias ocasiões.

É de muita utilidade porque permite voltar a caminhar.

Exercício com bola

Fortalecer os tornozelos

Pode ser uma especial ou uma de tênis. De pé, apoie-se na bola com um dos pés e exerça um pouco de pressão para que a mesma se mova de um lado ao outro.

É possível fazer este exercício sentado. Os movimentos devem ser sempre circulares.

Leia também: Rotina de exercícios com bola

Alongamento

Fique em pé com as pernas juntas. Abaixe as costas o máximo possível, tentando chegar aos pés ou calcanhares com as mãos.

Em seguida, abra um pouco as pernas, na largura dos ombros, e faça a mesma coisa. Repita abrindo cada vez mais as pernas.

  • Moreira, V., & Antunes, F. (2008). Entorses do tornozelo: do diagnóstico ao tratamento perspectiva fisiátrica.
  • Bezerra, M. S., & Mejia, D. P. M. (2014). A utilização da bandagem funcional como forma de tratamento em atletas com entorses na articulação acromioclavicular. Pós graduação em traumato-ortopedia com ênfase em terapias manuais–Faculdade Ávila. Ano.