Entorse de joelho: causas, sintomas e recomendações

A entorse de joelho é uma lesão associada à prática esportiva, mas não é exclusiva dos atletas. Pode ocorrer durante um movimento equivocado dos membros inferiores ou em um acidente doméstico.
Entorse de joelho: causas, sintomas e recomendações

Última atualização: 09 Janeiro, 2021

Uma entorse de joelho é, na realidade, um nome genérico para outras patologias mais específicas que se localizam nesta articulação. Seu tratamento depende do ligamento lesado. Estamos diante de uma região corporal complexa, principalmente em seus tecidos moles.

Diz-se que existe uma entorse quando os ligamentos se distendem além do que deveriam. Ultrapassam o seu limite e isso ocasiona lesões, levando à perda da sua elasticidade característica. No caso do joelho, os ligamentos cruzados (que estão dentro da articulação), os lados externos (do lado de fora) ou os lados internos podem se distender.

Causas de entorse de joelho

A entorse de joelho tem múltiplas causas, especialmente se levarmos em conta que cada ligamento tem seu mecanismo particular pelo qual é lesado. O que acontece com os ligamentos cruzados não é o mesmo que pode acontecer com os ligamentos laterais.

Os esportistas são os mais expostos e, dentro de cada disciplina, há um maior ou menor risco de distender um ou outro tecido. Como antecipamos, ela também pode ocorrer em casa e nas lesões de acidentes diários.

Consideremos, por exemplo, um pé que fica preso em um piso solto e faz com que o membro inferior gire sobre si mesmo. Por outro lado, esportes de contato, como futebol, apresentam alto risco de lesão do ligamento cruzado.

Outra causa comum está presente em acidentes automobilísticos frontais que podem prensar os membros. Nos esportes como o rugby, podem ocorrer entorses dos ligamentos laterais devido aos golpes de lado entre os jogadores.

Dor no joelho
A entorse do joelho é uma lesão comum entre os atletas. No entanto, também pode ocorrer em casa ou em acidentes de carro.

Graus de lesão

A entorse de joelho é classificada em graus, de acordo com a sua gravidade. Essa classificação é comum nas distensões ligamentares e determina os tratamentos.

Primeiro grau

A entorse de joelho de primeiro grau é a forma mais leve. Em geral, a pessoa com este quadro clínico apresenta sintomas suportáveis ​​que não vão além de dores leves e um pouco de imobilidade. Ocorre devido à distensão de algumas fibras dos ligamentos, embora não todas. Também não há quebra, então é improvável que apareça um hematoma na área afetada.

Segundo grau

De acordo com a classificação traumatológica, esse grau de entorse do joelho envolve uma ruptura de mais da metade do ligamento comprometido. A impotência funcional é moderada e a atividade não pode seguir. A dor incapacita a ponto de forçar o repouso.

Terceiro grau

A forma mais grave é a ruptura dos ligamentos. Com frequência, pode ser um colapso completo de um dos ligamentos cruzados ou laterais. A situação é grave e requer uma intervenção cirúrgica para reparar o dano.

O joelho deve ser imobilizado e a indicação é de repouso até a cicatrização. Podem aparecer hematomas que são sinais da lesão.

Sintomas de entorse de joelho

Podemos dizer que a dor é o sinal característico dessas entorses, independentemente do ligamento envolvido. O que pode variar é a localização do desconforto e a sua manifestação por um movimento ou outro. Os cruzados se ressentem como movimentos de idas e vindas, enquanto os outros se ressentem com movimentos laterais.

A impotência funcional dependerá do grau de gravidade da lesão. Em formas leves, o paciente pode continuar caminhando, mas não correr. A partir do segundo grau, o descanso é quase obrigatório.

O joelho e seus tecidos moles podem ficar inflamados. Isso mudará de acordo com a posição que a pessoa tomar. Quando o membro inferior é estendido e elevado, os fluidos são redistribuídos e, graças à gravidade, esvaziam a área, o que também alivia a dor.

Por outro lado, se não houver repouso, a inflamação aumenta e pressiona os nervos e as artérias.

O hematoma é variável. Os ligamentos não têm vascularização, de modo que sua ruptura não leva à saída de sangue subcutâneo, embora os tecidos circundantes contribuam para isso. No segundo e terceiro graus, é comum observar alteração de cor na pele por extravasamento sanguíneo.

Possíveis tratamentos

Embora o tratamento da entorse do joelho dependa do ligamento afetado e do grau de gravidade, existem medidas que são bastante comuns para todas as formas:

  • Medicamentos: analgésicos e anti-inflamatórios são prescritos pelos médicos para o alívio dos sintomas. Entretanto, não resolvem o problema de base.
  • Repouso: esta é uma das chaves para a recuperação. Se for possível, a articulação deve descansar para promover a cura natural. Quando houver ruptura completa, é indicado repouso para aguardar a cirurgia.
  • Imobilização: o uso de uma faixa compressiva pode contribuir para a reabsorção dos fluidos extravasados, bem como conter o joelho para alívio da dor. Em casos mais graves, pode-se usar uma tala ou órtese de gesso ou algum sistema com guias externas para garantir a estabilidade. As joelheiras elásticas são uma opção acessível para lesões de primeiro grau.
  • Cirurgia: a entorse de 3º grau do joelho necessita de cirurgia. Os ligamentos que se romperam devem ser reparados com uma intervenção. Será o ortopedista quem decidirá a melhor técnica para favorecer a recuperação posterior. Como estamos diante de uma variante complicada, presume-se que a recuperação será lenta.
Tratamento da entorse
O tratamento para uma entorse do joelho varia de acordo com a gravidade da lesão. Enquanto alguns casos melhoram com o repouso, outros requerem intervenção cirúrgica.

Recuperação

O processo de recuperação de uma entorse no joelho passa por diferentes estágios. O primeiro é o descanso, quase obrigatório para todos. O paciente deve respeitar isso para garantir uma evolução que lhe devolva a sua qualidade de vida.

Em qualquer caso, deve-se ter em conta que estes tratamentos são lentos. Um mês é o tempo normal, mas se você fez uma cirurgia, esse período pode dobrar. Muito mais se falarmos em retomar atividades esportivas exigentes, o que implica um plano de reabilitação que pode durar de 3 a 6 meses.

Quanto à fisioterapia, o profissional definirá a abordagem adequada para cada caso. Pode-se realizar manobras mecânicas e manuais ou incorporar ultrassom e magnetismo. A quantidade mínima de sessões será de 10.

Podemos prevenir a entorse de joelho?

No âmbito dos esportes, a prevenção de lesões associadas à prática é um tema com grande destaque na bibliografia. Na verdade, é possível evitar uma entorse de joelho tomando precauções nos exercícios, no aquecimento e na fadiga muscular.

Em todo caso, há acidentes que, como o nome indica, são inevitáveis. Podemos reduzir os riscos de pisar errado utilizando calçados adequados, mas isso não evitará uma colisão de frente, por exemplo.

O condicionamento físico também é um fator de proteção. Indivíduos com músculos dos membros inferiores tonificados são menos propensos à entorse porque esses tecidos funcionam como estabilizadores para a articulação.

Diante de qualquer dor ou inflamação do joelho, é aconselhável consultar um médico. Podemos não ter notado a entorse de primeiro grau instantaneamente e ela pode estar se desenvolvendo lentamente. A consulta rápida é uma forma de prevenir a evolução para não danificar o ligamento mais do que ele já foi danificado.

Pode interessar a você...
Luxação de joelho: causas, tratamento e reabilitação
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Luxação de joelho: causas, tratamento e reabilitação

Luxação de joelho é uma lesão na qual os componentes dentro de uma articulação se deslocam ou separam. O fêmur e a tíbia devem voltar à sua posição natural.



  • Olivera, G., M. S. Holgado, and J. Cabello. “Lesiones deportivas frecuentes en atención primaria.” FMC-Formación Médica Continuada en Atención Primaria 8.5 (2001): 307-320.
  • Monsalve, Francisco J. “Enfoque del esguince de rodilla.” Enfoque del trauma ortopédico: Primera edición.
  • Lustig, S., et al. “Lesiones ligamentosas recientes de la rodilla del adulto.” EMC-Aparato Locomotor 46.2 (2013): 1-19.
  • Lucendo Marañés, L., et al. “Lesiones de la rodilla.” Canarias médica y quirúrgica (2012).
  • Mazières, B. “Diagnóstico de la rodilla dolorosa no traumática del adulto.” EMC-Aparato Locomotor 47.4 (2014): 1-15.
  • Peralta, Albert J. Macías, et al. “Consideraciones frente la gravedad de problemas de esguince en el paciente.” Polo del Conocimiento: Revista científico-profesional 4.5 (2019): 398-410.
  • Casero Seguido, Elisabet Wendy. “Vendaje Funcional VS Vendaje Neuromuscular en deportistas que han sufrido un esguince del LLI de la rodilla de grado I.” (2017).
  • Pelfort-López, X., et al. “Cirugía de revisión del ligamento cruzado anterior.¿ Uno o dos tiempos?.” Rev Esp Artrosc Cir Articul 27.3 (2020): 233-43.
  • Gaibor León, Ivonne Alexandra. Reeducación Funcional Postquirúrgica del Ligamento Cruzado anterior en la Rodilla Derecha. BS thesis. Universidad Técnica de Ambato-Facultad de Ciencias de la Salud-Carrera Terapia Física, 2016.
  • Cárdenas Sandoval, Rosy Paola. Modelo computacional y experimental del comportamiento mecánico y biológico de fibroblastos aislados del ligamento colateral de la rodilla expuestos a estímulos biofísicos del ultrasonido. Diss. Universidad Nacional de Colombia-Sede Bogotá, 2019.
  • del Valle Soto, Miguel, et al. “Lesiones deportivas” versus” accidentes deportivos. Documento de consenso. Grupo de prevención en el deporte de la Sociedad Española de Medicina del Deporte (SEMED-FEMEDE).” Archivos de medicina del deporte: revista de la Federación Española de Medicina del Deporte y de la Confederación Iberoamericana de Medicina del Deporte 35.1 (2018): 6-16.
  • Cardoso, Pedro Gil Guimarães. “Prevenção e Reabilitação de Lesões dos Músculos Isquiotibiais e do Ligamento Cruzado Anterior em Contexto Desportivo.” (2018).