Quais são as emoções secundárias?

As emoções secundárias diferem das básicas porque são aprendidas e não são universais. A seguir, mostramos uma lista das mais conhecidas.
Quais são as emoções secundárias?

Última atualização: 06 Setembro, 2021

A vida emocional das pessoas é complexa. Isso pode ser evidenciado pela variedade de modelos explicativos que foram formulados em torno das emoções, que diferem entre si. No entanto, essas teorias compartilham um aspecto em comum: a distinção entre emoções primárias e secundárias.

As primárias são caracterizadas por serem inatas, universais e por cumprirem uma função adaptativa. Entre elas, se sobressaem o medo, a repulsa, a raiva, a tristeza e a alegria.

Por outro lado, as emoções secundárias surgem da combinação de emoções primárias, são aprendidas e variam dependendo da cultura e do contexto em que nos desenvolvemos. Se você quiser saber um pouco mais sobre isso, queremos convidá-lo a continuar lendo.

Características das emoções secundárias

As características distintivas das emoções secundárias são resumidas da seguinte forma:

  • São emoções aprendidas. Em geral, começam a ser adquiridas entre os 2 e 3 anos de idade. Isso se deve à necessidade de um certo nível de desenvolvimento para que possam se estabelecer. Elas não são inatas ou automáticas.
  • Elas não são universais. Isso significa que não se manifestam da mesma forma em todas as culturas, mesmo que compartilhem uma certa base.
  • Sua manifestação se dá a partir do que foi aprendido ao longo da vida.
  • Elas são o resultado da combinação das emoções primárias.
  • Elas contribuem para a formação de uma identidade. A manifestação dessas emoções influencia a maneira como nos percebemos e interagimos com o entorno. Seu propósito é social.

5 emoções secundárias

Como já dissemos, diferentes modelos teóricos foram desenvolvidos em torno das emoções humanas. Muitas divergências entre eles podem ser evidenciadas. No entanto, eles concordam que, entre as emoções secundárias, estão as seguintes:

1. Vergonha

A vergonha é uma emoção desagradável que surge do sentimento de que há algo desonroso, indecente ou impróprio no comportamento ou nas circunstâncias de alguém.

Em geral, a vergonha induz à evitação da interação social, seja por fuga ou evitação. Também pode provocar respostas defensivas, como raiva ou retaliação.

Mulher com a vergonha como emoção secundária
Quando temos vergonha, procuramos formas de evitar o contato social para não nos expormos a essa emoção.

2. Culpa

A culpa é caracterizada por uma avaliação dolorosa por ter feito algo que acreditamos ser errado. Muitas vezes, essa emoção é acompanhada por ações que tentam desfazer ou mitigar o mal causado. No entanto, também pode inibir a pessoa e fazê-la pensar que merece uma punição.

3. Orgulho

O orgulho implica um sentimento de satisfação consigo mesmo. Ocorre quando alcançamos uma meta e outras pessoas reconhecem e aprovam a nossa conquista.

Na sua devida medida, é uma emoção benéfica, uma vez que promove o desenvolvimento da autoestima e segurança. No entanto, o excesso muitas vezes leva a sentimentos de grandeza, causando conflitos nas relações sociais.

4. Prazer

O prazer é a emoção causada pelo gozo do que é considerado bom ou desejável. Normalmente a experimentamos quando nossas necessidades são atendidas.

No entanto, o problema com essa emoção é que ela pode ser usada para esconder conflitos psíquicos, que podem levar a consequências perigosas. É o caso do vício em substâncias nocivas ou do envolvimento em comportamentos de risco.

5. Ciúme

O ciúme é uma emoção negativa em que a pessoa sente ressentimento em relação a um terceiro, por perceber que o afeto de um ente querido é tirado. O ciúme requer que um triângulo relacional esteja presente entre aquele que é ciumento, o ente querido e o rival que representa uma ameaça.

Os relacionamentos românticos são o exemplo prototípico de ciúme, mas qualquer relacionamento significativo (pais, amigos, irmãos) é capaz de produzi-lo. É diferente da inveja porque sempre há três pessoas envolvidas.

Outras emoções secundárias

As emoções secundárias não se esgotam na lista apresentada. Psicólogos como Paul Ekman e Robert Plutchik apresentam uma lista mais extensa. O primeiro também inclui constrangimento, desprezo, complacência e entusiasmo.

Por sua vez, Plutchik propõe um modelo muito mais complexo, conhecido como a roda das emoções. Nele, são plotadas as emoções básicas e como elas se combinam, gerando as secundárias.

Nesse caso, alguns componentes da sua lista de emoções secundárias são os seguintes:

  • Agressividade: raiva + antecipação.
  • Amor: alegria + confiança.
  • Ansiedade : medo + antecipação.
  • Decepção: surpresa + tristeza.
  • Desespero: medo + tristeza.
  • Inveja: tristeza + raiva.
  • Indignação: surpresa + raiva.
  • Pessimismo: tristeza + expectativa.
  • Sentimentalismo: confiança + tristeza.
  • Submissão: confiança + medo.
A decepção é uma emoção secundária.
As decepções fazem parte das emoções secundárias, pois a surpresa se combina com a tristeza.

O que devemos lembrar sobre as emoções secundárias?

As emoções primárias são caracterizadas por estarem presentes desde o nascimento, cumprirem uma função adaptativa, serem universais (não há cultura que não as manifeste) e terem uma expressão bem definida. Nós nascemos com eles.

Por outro lado, as emoções secundárias são aprendidas ao longo da vida. Sua função é social, não são universais, e se expressam de maneiras diferentes dependendo da cultura e do contexto.

Pode interessar a você...
Quais são as emoções primárias?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Quais são as emoções primárias?

As emoções primárias são inatas, universais, e cumprem funções adaptativas. Se quiser saber mais sobre elas, não perca este artigo!



  • APA Dictionary of Psychology. Secondary emotion [Internet]. Estados Unidos: American Psychological Association; 2020 [consultado 15 agosto 2021]. Recuperado de: https://dictionary.apa.org/secondary-emotion
  • Estevan, Clemente, Ana, Rosa, Roqueta, Andrés, Górriz Plumed, Clara, Belen, Ana, LA COMPRENSIÓN DE EMOCIONES SECUNDARIAS Y LAS RELACIONES ENTRE IGUALES EN CONTEXTOS ESCOLARES. International Journal of Developmental and Educational Psychology [Internet]. 2009;2(1):191-198. Recuperado de: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=349832321020