Como os anticoncepcionais afetam a pele?

Os anticoncepcionais costumam ter efeitos positivos e negativos na pele. Seu uso no tratamento de patologias cutâneas, como é o caso da acne, vem sendo cada vez mais estudado.
Como os anticoncepcionais afetam a pele?

Última atualização: 06 Janeiro, 2021

Conhecemos o uso dos contraceptivos orais para a prevenção da gravidez. No entanto, os efeitos dos anticoncepcionais na pele também podem produzir resultados muito positivos, demonstrando sua eficácia no tratamento de patologias como a acne, a queda de cabelo com padrão feminino e o hirsutismo.

Existem diferentes formas de contracepção, mas todas geram tanto efeitos positivos quanto outros prejudiciais nas camadas mais superficiais da pele. É por isso que esclarecemos o assunto neste artigo e recomendamos que você consulte um especialista se tiver dúvidas.

Quais podem ser os efeitos dos anticoncepcionais na pele?

De acordo com estudos realizados pelo Australian Family Physician, os anticoncepcionais podem afetar a pele de três maneiras diferentes:

  • Diminuem a quantidade de hormônios androgênicos produzidos nos ovários e na glândula adrenal.
  • Limitam a quantidade de testosterona circulante, principalmente a forma biológica ativa, que culmina na produção de efeitos específicos.
  • Reduzem o estrogênio presente no organismo, que afeta a produção de sebo pelas glândulas sebáceas.

Os efeitos dos anticoncepcionais na pele também podem ser negativos. O aparecimento de manchas é uma das reações indesejadas, principalmente com a exposição aos raios ultravioleta sem a proteção solar adequada.

Ou seja, os efeitos dos anticoncepcionais na pele podem causar ou agravar o melasma, condição em que manchas acastanhadas e irregulares ocorrem na região acima do lábio superior, na testa e nas bochechas. Existe uma variedade dessa patologia que está ligada à gravidez, denotando o seu componente hormonal.

Acne no rosto
A acne é uma doença de pele que pode se beneficiar do efeito hormonal dos anticoncepcionais.

Tipos e efeitos dos anticoncepcionais na pele

O corpo e os níveis hormonais de cada mulher são diferentes, por isso é difícil prever quais efeitos colaterais ocorrerão como resultado do uso de contraceptivos. Em todo caso, há alguns que já foram registrados em diversas ocasiões e são considerados comuns.

Contraceptivos orais

A principal razão pela qual a acne se desenvolve na puberdade é porque o hormônio sexual masculino é produzido em grandes quantidades durante o desenvolvimento do adolescente. Não só nos meninos, mas também nas meninas.

A acne inflamatória e não inflamatória pode melhorar em mulheres que usam pílulas anticoncepcionais como método. Esses medicamentos contêm hormônios sexuais femininos (estrogênio e progesterona) que neutralizam os androgênios.

No entanto, a maioria das pílulas anticoncepcionais não foram aprovadas, especificamente, para o tratamento da acne. Existem também abordagens não hormonais que podem ajudar, algumas das quais têm menos efeitos colaterais.

Injeção mensal ou trimestral

As fórmulas que existem hoje possibilitam evitar a gravidez com uma única injeção anticoncepcional. Seu efeito pode durar por até 90 dias. É aplicada nos músculos deltoides (parte superior do braço) ou nos glúteos.

Os anticoncepcionais injetáveis, tanto com combinações hormonais quanto apenas com progestógeno, oferecem uma anticoncepção reversível segura e eficaz. Têm sido escolhidos com frequência pela praticidade e pela possibilidade de evitar esquecimentos das doses diárias, o que é um problema comum na forma de comprimidos.

Esses medicamentos geram uma melhora na acne devido à diminuição da atividade das glândulas sebáceas. A explicação é a mesma das pílulas orais.

DIU (dispositivo intrauterino)

Os dispositivos intrauterinos de cobre estão entre aqueles que não contêm hormônios, junto com os preservativos, métodos naturais, cirúrgicos ou comportamentais. Como são naturais, não geram alterações na pele.

O DIU hormonal, por outro lado, é aquele que libera uma quantidade limitada de progesterona no corpo enquanto está dentro do útero. Portanto, é capaz de gerar alterações na produção de sebo.

Implante contraceptivo

Os implantes anticoncepcionais subdérmicos causam uma liberação contínua de progesterona. São pequenos cilindros flexíveis de plástico que se colocam sob a pele, na maioria dos casos na região do braço.

Os efeitos que a progestina produz na derme não são tão claros quanto aqueles que o estrogênio produz. No entanto, os implantes de progesterona levam a um aumento da vasculatura e aumento da produção de sebo.

Anel contraceptivo

Este método consiste em um anel flexível e transparente de polietileno vinil acetato que, uma vez inserido na vagina, expele lentamente os hormônios estrogênicos e a progesterona. Desta forma, evita que os ovários liberem óvulos em cada ciclo menstrual.

Em pacientes que usaram esse modo de contracepção por longos períodos, foi evidente uma melhora notável nas lesões de acne. Novamente, temos os efeitos benéficos dos anticoncepcionais na pele, porque estão associados aos hormônios.

Pílula do dia seguinte

Este tipo de contracepção de emergência tem como objetivo prevenir a gravidez depois que uma mulher teve relações sexuais sem proteção ou se o método que utilizou falhou por qualquer motivo. Deve ser usada somente depois do ato sexual, e não antes, como os outros.

Como essa pílula contém uma grande quantidade de progesterona, seu efeito é diferente. Pode ter propriedades androgênicas à medida que se decompõe no corpo, levando a erupções cutâneas que secretam mais sebo do que o normal.

Diu como método contraceptivo
O DIU hormonal é aquele que pode ter efeitos na pele.

Você pode se interessar: Pílula do dia seguinte: saiba tudo aqui

Usar anticoncepcionais para a pele?

De acordo com um estudo do Journal of the American Academy of Dermatology, os efeitos dos antibióticos sobre a pele e seus efeitos sobre a acne duram mais de 3 meses. Em compensação, os anticoncepcionais orais são equivalentes a esses medicamentos, com efeitos que duram até 6 meses para reduzir as lesões de pele. Isso denota o grande potencial de uso e emprego que possuem na dermatologia.

Portanto, os efeitos dos anticoncepcionais na pele podem ser a melhor alternativa de primeira linha aos antibióticos no tratamento específico de longo prazo da acne em mulheres. Isso faz parte de seu uso como método anticoncepcional, aproveitando esse benefício secundário.

Entretanto, é sempre aconselhável consultar um dermatologista para saber se é a opção adequada para você. Os riscos e o grau de acne que você tiver serão avaliados para determinar a melhor abordagem.

Pode interessar a você...
O que desencadeia acne nas mulheres?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
O que desencadeia acne nas mulheres?

A acne nas mulheres é mais comum do que nos homens, devido a alterações hormonais e agentes externos aos quais o sexo feminino é frequentemente exposto.



  • Thomas P, Dalle E, Revillon B, Delecour M, Devarenne-nicolle MF, Pagniez I. Bilan cutane de la contraception hormonale [Cutaneous effects in hormonal contraception]. NPN Med. 1985;5(81):19-24.
  • Foldes EG. Pharmaceutical effect of contraceptive pills on the skin. Int J Clin Pharmacol Ther Toxicol. 1988;26(7):356-359.
  • Effect of contraceptives on the skin. Aust Fam Physician. 1988;17(10):853-856.
  • Vaglio, Roxana Fernández, and Natalia Pérez Céspedes. “Acné vulgaris: actualizaciones en fisiopatología y tratamiento.” Revista Ciencia y Salud Integrando conocimientos 4.4 (2020): ág-52.
  • Arowojolu AO, Gallo MF, Lopez LM, Grimes DA. Combined oral contraceptive pills for treatment of acne. Cochrane Database Syst Rev. 2012;(7):CD004425. Published 2012 Jul 11. doi:10.1002/14651858.CD004425.pub6
  • Raudrant D, Rabe T. Progestogens with antiandrogenic properties. Drugs. 2003;63(5):463-492. doi:10.2165/00003495-200363050-00003
  • Requena, C., and B. Llombart. “Oral Contraceptives in Dermatology.” Actas Dermo-Sifiliográficas (English Edition) (2020).
  • Crimer, Nicole, Roberto Mercau, and David Colica. “Tratamiento del acné en la adolescencia.” Evidencia, actualizacion en la práctica ambulatoria 21.3 (2018).
  • Gómez-Flores, Minerva, and Sonia Chávez-Álvarez. “Asociaciones hormonales del acné y su tratamiento.” Dermatología Revista Mexicana 63.S1 (2020): 25-32.