Efeitos do estresse pós-traumático no corpo

· 13 de junho de 2019
Neste artigo, focamos nos efeitos do estresse pós-traumático no corpo, para mais além dos psicológicos. Uma mente estressada sempre terá efeitos significativos a nível de saúde física.

O estresse pós-traumático é um transtorno mental que surge como resultado de ter vivido ou testemunhado um evento traumático. Por exemplo, um acidente, uma guerra, um homicídio, um desastre natural, abuso físico, etc.

O transtorno de estresse pós-traumático

O transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) é caracterizado por sintomas como angústia profunda, lembranças, pesadelos e pensamentos recorrentes. Tudo isso está relacionado ao evento traumático vivenciado.

Esse tipo de estresse pode ser experimentado temporariamente e superado naturalmente com o passar de dias ou semanas. No entanto, algumas pessoas podem ter mais dificuldade em superar o evento ou até mesmo sofrer um agravamento dos sintomas. Além disso, eles também podem afetar a nível físico, o que pode ser perigoso para a saúde.

Leia também: 5 remédios caseiros para reduzir o estresse naturalmente

Efeitos do estresse pós-traumático em seu corpo

Mulher estressada

Viver em um estado de estresse significa manter nosso corpo em alerta permanentemente. Essa predisposição para agir, que pode ser positiva transitoriamente, pode ser muito prejudicial a nível físico se for constante e nosso corpo não puder relaxar.

Quando estamos vivendo um estresse pós-traumático, nosso corpo está em tensão. Portanto, as frequências respiratória e cardíaca aumentam, os músculos ficam tensos e as pupilas se dilatam. Tudo isso ativa nosso organismo para o que deveria ser um confronto com algo hostil. Portanto, se esse estado for mantido ao longo do tempo, pode afetar nosso corpo.

Quais os sintomas físicos que o estresse pós-traumático pode causar?

Quando o estresse pós-traumático aumenta com o tempo, nosso corpo pode sofrer as consequências. Estes são alguns dos sintomas que podem aparecer gradualmente e dependendo da pessoa:

  • Distúrbios respiratórios: A hiperventilação característica do estresse pode causar tontura, desmaios, fadiga, tontura ou tremores.
  • Aumento da sudorese: ao existir maior fluxo circulatório.
  • Afetação no sistema cardiovascular, uma vez que há um estreitamento dos vasos sanguíneos. Aumenta o risco cardíaco.
  • Enfraquecimento do sistema imunológico a longo prazo.
  • Desconforto digestivo devido ao aumento dos níveis de cortisol: constipação, diarreia, indigestão, gases, acidez, etc. Além disso, o excesso de acidez gástrica também promove o aparecimento de úlceras.
  • Exaustão por falta de repouso noturno devido a insônia ou pesadelos.
  • Contraturas e dores musculares e em outras partes do corpo, como na cabeça ou na mandíbula.
  • Desequilíbrios hormonais que afetam a menstruação, fertilidade, acne, função da tireoide, desejo sexual, etc.

Além disso, todos esses distúrbios criam círculos viciosos que podem repercutir em outros problemas. Por exemplo, mudanças súbitas de peso (tanto obesidade quanto dificuldade em recuperar o peso), problemas de libido, perda de cabelo, problemas de pele, etc.

Leia também: As 3 grandes diferenças entre ansiedade e estresse

Práticas de relaxamento mente – corpo

Pessoas em uma das posturas básicas de yoga

Como explicamos, a relação entre a mente e o corpo é fundamental para entender o estresse pós-traumático. Portanto, o tratamento deve considerar isso para alcançar um alívio para esse tipo de estresse. O objetivo é se concentrar em uma terapia que usa a mente para alcançar um efeito positivo em um nível físico e, assim, melhorar a saúde.

A chave para esse objetivo está em atividades que nos ajudam a desenvolver concentração, meditação e respiração profunda. Por exemplo, poderíamos tentar Ioga, Tai chi ou Gigong.

Estudos mostram que essas disciplinas podem ajudar a reduzir a ansiedade, a depressão ou a raiva. E, ao mesmo tempo, melhorar a tolerância à dor, a autoestima, os níveis de energia, relaxamento e capacidade de enfrentar com situações estressantes.

Portanto, sabemos agora os efeitos negativos do estresse pós-traumático no corpo. No entanto, também sabemos que o tratamento para superá-lo deve considerar um trabalho global em nível físico e mental. Desta forma, podemos recuperar nosso bem-estar e melhorar nossa qualidade de vida.

  • Bryant, R. A. (2017). Posttraumatic stress disorder. In The Science of Cognitive Behavioral Therapy. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-803457-6.00013-1
  • Kim, S. H., Schneider, S. M., Kravitz, L., Mermier, C., & Burge, M. R. (2016). Mind-Body Practices for Posttraumatic Stress Disorder. Journal of Investigative Medicine. https://doi.org/10.2310/jim.0b013e3182906862
  • McEwen, B. S. (2008). Central effects of stress hormones in health and disease: Understanding the protective and damaging effects of stress and stress mediators. European Journal of Pharmacology. https://doi.org/10.1016/j.ejphar.2007.11.071
  • McEwen, B. S. (2006). Protective and damaging effects of stress mediators: Central role of the brain. Dialogues in Clinical Neuroscience.