É aconselhável consumir canela durante a gravidez?

A canela é uma especiaria que tem efeitos positivos no corpo. Agora, é recomendado para todos? Que efeito pode produzir na gravidez? Descubra neste artigo.
É aconselhável consumir canela durante a gravidez?
Florencia Villafañe

Escrito e verificado por a nutricionista Florencia Villafañe.

Última atualização: 01 março, 2023

A canela é uma especiaria muito utilizada na preparação de pratos doces. Além de ter um sabor particular, oferece propriedades benéficas para o corpo, mas a canela pode ser consumida durante a gravidez?

Dos diversos tipos de canela existentes, a variedade Cássia é a mais conhecida e comercializada. Nela existem compostos fitoquímicos responsáveis pelos efeitos positivos na saúde humana, porém, também existem substâncias secundárias que podem ter um impacto negativo. Saiba mais neste artigo.

Você pode consumir canela durante a gravidez?

A canela contém diferentes nutrientes e componentes, portanto, nesta especiaria você pode encontrar vitaminas e minerais como vitamina A, complexo B, C, E e K. Também fornece cálcio, ferro e magnésio.

Se assim for visto, através da sua ingestão o corpo pode ser abastecido com substâncias necessárias para o bom funcionamento. Por outro lado, como a gravidez é uma fase em que o organismo se prepara para a vida extrauterina e envolve alterações e adaptações metabólicas, algumas considerações devem ser feitas quanto ao consumo de determinados produtos.

Chá de canela.
A canela tem efeitos benéficos no corpo, mas a cumarina também tem contraindicações.

Efeitos da canela na gravidez

Existem documentos que mostram que esta especiaria, no ser humano em geral, é utilizada para aliviar dores, regular os níveis de açúcar e colesterol no sangue, prevenir constipações, asma e doenças digestivas, entre outras.

Tudo isso porque possui antioxidantes e compostos que atuam como anti-inflamatórios e antimicrobianos. O efeito no envelhecimento celular tem a ver com a capacidade de inibir os radicais livres que circulam como resíduos metabólicos. Em parte, é a mesma explicação que sustenta seu potencial antidiabético.

Benefícios

Assim, se for ingerida de forma constante, mas moderada, o aporte da canela tem uma ação positiva. Esses benefícios incluem o seguinte:

  • Ajuda a reduzir as náuseas e os desconfortos digestivos.
  • Controla possíveis picos de pressão arterial.
  • Colabora no controle da glicemia.

A canela é conhecida por aumentar a sensibilidade à insulina e o transporte de glicose. Em teoria, pode ter um efeito protetor contra o diabetes gestacional; embora mais estudos sejam necessários a esse respeito.

Contraindicações

Ao contrário do que foi descrito, a canela também possui uma substância chamada cumarina que, em altas concentrações, pode causar danos e desenvolver complicações durante a gravidez.

Especificamente, esse composto é um fitoquímico secundário (substância natural de origem vegetal) que, segundo artigo publicado na Molecular Nutrition and Food Research, possui efeitos tóxicos e cancerígenos. Além disso, como a gravidez é um período delicado, principalmente no primeiro trimestre, seu abuso pode envolver riscos.

O nível de cumarina presente na canela depende da espécie. Sabe-se que as espécies C. loureiroi e C. burmannii contêm maior porcentagem do composto do que outras como C. verum. Seu uso é proibido em muitos países como aditivo, embora ainda seja encontrado em alimentos com sabor de canela e suplementos alimentares de canela. Vejamos alguns possíveis efeitos da canela durante a gravidez.

Problemas endócrinos e metabólicos

Um trabalho publicado no Endocrine em 2019 sugeriu que a ingestão excessiva de canela durante a gravidez e lactação pode causar distúrbios endócrinos e metabólicos. Para ser mais preciso, induz alterações moleculares, metabólicas e hormonais de longo prazo.

Tais alterações podem levar ao aumento do acúmulo de lipídios e à diminuição do conteúdo de glicogênio no fígado. Como todas as contraindicações da canela na gravidez, essa complicação se manifesta em princípio devido ao uso excessivo.

Malformação fetal

Vários estudos e investigações sugeriram que o óleo de canela pode causar malformação fetal em animais e humanos. Seu uso deve ser evitado, principalmente durante os primeiros meses de gravidez. Também pode induzir alterações e contrações digestivas, de modo que aumentam as chances de um aborto espontâneo. Novamente, isso só acontece com o óleo de canela.

Além disso, em crianças que estão começando a saborear os alimentos e são geneticamente predispostas, a canela pode levar à hipersensibilidade alérgica. Por esse motivo, é aconselhável ser cauteloso e não introduzi-la nesta fase.

Leia também: Nutrição na gravidez múltipla: principais considerações

Você pode beber chá de canela?

Outro dos usos que se pode dar a esta especiaria é prepará-la em forma de infusão. Estima-se que até 30% das gestantes utilizem plantas medicinais para preparar chás ou outras infusões, entre elas a canela.

De fato, como os primeiros meses causam certos desconfortos digestivos, a probabilidade de tomar essas bebidas aumenta. Nesse sentido, é aconselhável saber quais componentes eles possuem para, em qualquer caso, não abusar de sua ingestão.

Nunca é demais lembrar que as ervas naturais, embora sejam tradicionalmente consideradas inofensivas, podem alterar processos sensíveis. É por isso que o conselho de profissionais de obstetrícia é um apoio importante.

Canela preparada como um chá.

O que lembrar sobre o uso da canela na gravidez?

Em doses moderadas, o consumo de canela pode ter efeitos positivos na gravidez, principalmente no controle glicêmico, problemas digestivos e pressão arterial. Lembre-se de que somente em caso de abuso permanente aparecem os riscos associados à cumarina.

Além disso, não é a única substância que pode causá-los. Considere também que existem outros componentes contraindicados na gravidez presentes em plantas medicinais, como arruda, absinto e aloe vera.

Para concluir, não se pode dizer que a canela é proibida ou que não pode ser consumida em hipótese alguma, mas que deve ser usada de forma consciente. Mas se você ainda tiver dúvidas, é aconselhável evitá-la por precaução.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Ahmed M, Hwang JH, Choi S, Han D. Safety classification of herbal medicines used among pregnant women in Asian countries: a systematic review. BMC Complement Altern Med. 2017 Nov 14;17(1):489.
  • Berktas OA, Peker EGG. The investigation of the protective effect of cinnamon water extract and vitamin E on malathion-induced oxidative damage in rats. Toxicol Res (Camb). 2021 Jun 1;10(3):627-630.
  • Dosoky NS, Setzer WN. Maternal Reproductive Toxicity of Some Essential Oils and Their Constituents. Int J Mol Sci. 2021 Feb 27;22(5):2380.
  • Qin B, Panickar KS, Anderson RA. Cinnamon: potential role in the prevention of insulin resistance, metabolic syndrome, and type 2 diabetes. J Diabetes Sci Technol. 2010 May 1;4(3):685-93.
  • Neto JGO, Bento-Bernardes T, Pazos-Moura CC, Oliveira KJ. Maternal cinnamon intake during lactation led to visceral obesity and hepatic metabolic dysfunction in the adult male offspring. Endocrine. 2019 Mar;63(3):520-530.
  • Rao PV, Gan SH. Cinnamon: a multifaceted medicinal plant. Evid Based Complement Alternat Med. 2014;2014:642942.
  • Terzioglu Bebitoglu B. Frequently Used Herbal Teas During Pregnancy – Short Update. Medeni Med J. 2020;35(1):55-61.
  • Wang YH, Avula B, Nanayakkara NP, Zhao J, Khan IA. Cassia cinnamon as a source of coumarin in cinnamon-flavored food and food supplements in the United States. J Agric Food Chem. 2013 May 8;61(18):4470-6.
  • Klaus, Abraham, Et at., (2010). Toxicology and risk assessment of coumarin: focus on human data. Molecular Nutrition and Food Research. Disponible en: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/20024932/
  • Velázquez-Sámano, Guillermo, Et al., (2019). Reacciones de hipersensibilidad a aditivos alimentarios. Revista alergia México. Disponible en: https://www.scielo.org.mx/scielo.php?pid=S2448-91902019000300329&script=sci_arttext

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.