O que são as drogas auditivas?

Todas as drogas têm efeitos diferentes umas das outras. A seguir, explicaremos tudo que você precisa saber sobre as drogas auditivas.
O que são as drogas auditivas?

Última atualização: 02 Outubro, 2021

O conceito de drogas auditivas se refere a certas ondas sonoras que simulam os efeitos de drogas ilegais . Em outras palavras, as pessoas alcançariam estados alterados de consciência depois de ouvir certos sons, mas será que isso realmente acontece?

Há quem tenha dúvidas. Portanto, queremos detalhar a seguir como elas surgiram, qual é o seu efeito e quais possíveis riscos elas acarretam para a saúde. Continue lendo!

Como surgiram as drogas auditivas?

A origem de tudo remonta a 2007, quando surgiu o programa I-Doser. Desde então, as drogas auditivas começaram a dar o que falar. O meio de obtenção desses estimulantes auditivos é por meio da Internet. Qualquer pessoa com uma conexão de rede pode baixar os áudios facilmente.

A premissa do programa I-Doser é que o efeito de algumas substâncias psicoativas pode ser emulado sem causar consequências prejudiciais ao organismo. É lógico pensar que, uma vez que não há substância metabolizada no corpo, também não haverá efeitos negativos.

O efeito desse tipo de droga é obtido ouvindo diferentes canais de áudio ao mesmo tempo . Ou seja, as pessoas devem ter um aparelho auditivo e receber um canal de áudio diferente para cada ouvido. O cérebro humano procura fazer com que as duas frequências de som se sincronizem, o que provoca um efeito semelhante ao de estar drogado.

Como surgiram as drogas auditivas?
Para que ocorra o efeito estimulante dos sons, a pessoa deve usar fones de ouvido.

Como os áudios binaurais influenciam a consciência?

Os áudios binaurais são diferentes frequências de som recebidas independentemente por cada ouvido. Quando o cérebro tenta combinar os sons, parece que estamos recebendo um terceiro som. No entanto, na verdade ocorre uma alucinação induzida por áudio.

Esses tipos de sons produzem a sensação de estar fisicamente em outro lugar. Por exemplo, se ouvirmos o som das ondas do mar, sentiremos que estamos numa praia. Trata-se de um áudio tridimensional gravado com dois microfones diferentes.

Em teoria, os neurônios reagem a esses áudios da mesma maneira que fariam quando sob a influência de drogas. Para obter o resultado desejado, é preciso ficar muito tempo exposto aos sons binaurais.

Riscos das drogas auditivas

Qualquer estímulo que altere a nossa consciência representa riscos. É importante esclarecer que, embora não seja uma substância, ainda pode causar complicações à saúde; existem vícios de diferentes tipos. Vamos ver em detalhes quais podem ser os riscos das drogas auditivas:

  • Dependência comportamental. Nesses casos, os pacientes desenvolvem um vício em certos comportamentos. Por exemplo, quando os sons alteram os receptores de prazer no cérebro, ocorre uma satisfação imediata que condiciona as pessoas a repetir o comportamento com mais frequência.
  • Problemas de audição. Ouvir sons binaurais com muita frequência e muito alto pode danificar seus ouvidos. Pessoas que procuram experiências psicodélicas com música fazem isso em um volume mais alto do que o recomendado.

Fatores de proteção

Alguns fatores de proteção ajudam a evitar o uso dessas drogas. Trata-se de uma série de comportamentos adaptativos que evitam o vício. Esses recursos podem ser usados tanto para prevenir as drogas auditivas quanto para abandonar o seu uso. Vamos vê-los:

1. Boas relações familiares

Relações familiares saudáveis são o principal fator de proteção contra vícios. Um núcleo familiar adaptativo dá aos jovens os recursos para se livrarem de qualquer vício. Autoestima e independência emocional são aspectos importantes que são adquiridos da família.

2. Normas bem estabelecidas.

Em geral, os jovens são apresentados às drogas para satisfazer a sua curiosidade. Nesse sentido, as regras servem para estabelecer limites entre o que queremos e o que não devemos fazer. Quando há desejos prejudiciais, respeitar as regras que aprendemos nos ajuda a evitar qualquer impulso negativo.

3. Atividades ao ar livre

Realizar atividades em espaços abertos nos ajuda a nos desconectar dos dispositivos. Uma boa ideia é incorporar hábitos como caminhar ou correr em nossas rotinas. Além disso, quando nos conectamos com a natureza, temos a oportunidade de socializar com outras pessoas pessoalmente.

Caminhar todos os dias é benéfico para a saúde
Passar um tempo fora de casa é uma maneira útil de se livrar de maus hábitos, como o uso das chamadas drogas auditivas.

4. Sono reparador

Ter bons hábitos de sono dá ao nosso cérebro o descanso de que precisa para cuidar da saúde mental. É aconselhável dormir de 6 a 8 horas à noite. Inclusive, vale dizer que um sono reparador só é alcançado à noite. Não é benéfico ter o hábito de ir dormir de madrugada.

Existem estudos que validam os efeitos das drogas auditivas?

Até o momento, não há estudos conclusivos sobre os efeitos das drogas auditivas. Não está claro se os áudios binaurais podem realmente simular o efeito de alguns alucinógenos. Porém, ocorrem alterações de consciência em pessoas expostas a essas ondas sonoras.

Certos estímulos auditivos são capazes de causar um efeito de alucinação. Isso não significa que as pessoas estão drogadas. É uma resposta neurológica menos intensa e não invasiva; portanto, a definição de droga não é precisa nesses casos.

O vício que os áudios binaurais geram não é diferente do que acontece quando alguém passa muito tempo nas redes sociais. É um tipo de vício comportamental. Nesse tipo de comportamento, as pessoas demonstram a necessidade patológica de repetir uma atividade.

Em resumo, não se pode dizer com certeza se um estímulo auditivo produz o efeito de qualquer droga conhecida. Isso se deve à falta de estudos científicos a respeito do tema.

Pode interessar a você...
Quais as drogas mais perigosas do mundo?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Quais as drogas mais perigosas do mundo?

Tabus e desinformação já não são uma desculpa hoje em dia. Descubra quais são as drogas mais perigosas do mundo nesse artigo e fique longe delas.



  • Pratt H, Starr A, Michalewski HJ, Dimitrijevic A, Bleich N, Mittelman N. A comparison of auditory evoked potentials to acoustic beats and to binaural beats. Hear Res. 2010 Apr;262(1-2):34-44. doi: 10.1016/j.heares.2010.01.013. Epub 2010 Feb 1. PMID: 20123120.
  • Pratt H, Starr A, Michalewski HJ, Dimitrijevic A, Bleich N, Mittelman N. Cortical evoked potentials to an auditory illusion: binaural beats. Clin Neurophysiol. 2009 Aug;120(8):1514-24. doi: 10.1016/j.clinph.2009.06.014. Epub 2009 Jul 18. PMID: 19616993; PMCID: PMC2741401.
  • Schwarz DW, Taylor P. Human auditory steady state responses to binaural and monaural beats. Clin Neurophysiol. 2005 Mar;116(3):658-68. doi: 10.1016/j.clinph.2004.09.014. PMID: 15721080.