Como saber se o seu filho está consumindo drogas?

· 4 de maio de 2018
Como pais, devemos aprender a identificar se as mudanças de comportamento de nossos filhos correspondem ao seu desenvolvimento ou correspondem a alguma outra coisa, como o uso de drogas, por exemplo. Aprenda a reconhecer esse comportamento para saber se seu filho está consumindo drogas.

Hoje em dia, as drogas são uma das maiores preocupações dos pais. Saber se seu filho está consumindo drogas é vital para buscar ajuda a tempo. Os números que são tratados anualmente são alarmantes. Embora tenha sido generalizado que é “normal” que nestes tempos o jovem “experimente” tudo e não seja um viciado. 

Os pais de jovens com algum tipo de vício dizem que reconhecer o problema cedo não é fácil, porque os sinais não são clarosA adolescência é um estágio de rebelião em que o jovem pode se comportar de maneira incomum e não estar usando drogas.

Os jovens entre os 11 e 21 anos de idade, muitas vezes têm uma percepção distorcida do risco. Isso explica por que eles tendem a assumir comportamentos dos quais, depois de um tempo, se arrependem.

Adolescência desenfreada e drogas

Menina consumindo álcool e drogas

Adolescentes, por definição, são ousados ​​e rebeldes. Eles experimentam uma idade cheia de mudanças difíceis de enfrentar. Inicia o desenvolvimento do interesse sexual e a necessidade de pertencer e se identificar com seus pares. 

Esse período é caracterizado por experimentar e tentar permanecer na “mesma onda” de seus amigosA influência das amizades em cada jovem está intimamente relacionada ao ambiente em que se desenvolvem.

E caso não haja um canal saudável de comunicação familiar através do qual as pessoas falam abertamente sobre todos os tipos de questões, pode ser mais complicado agir a tempo e salvar o jovem deste terrível flagelo.

Drogas: um inimigo subestimado

Muitos adolescentes e pais veem o uso de drogas como uma prática simples que eles irão abandonar um dia mais tarde. Eles não assumem o risco de serem submersos nela por toda a vida, causando sérios problemas em sua vida pessoal e profissional, assim como em sua saúde em geral.

Os jovens não medem até que ponto a experimentação com drogas pode se tornar um problema sério. Os pais, por outro lado, se recusam a aceitar que seu filho não esteja isento desse tipo de experiência. Portanto, tendemos a não nos preparar, sem saber como agir se isso acontecer.

A primeira coisa que devemos fazer é determinar se as atitudes irreverentes de nosso filho são devidas às mudanças hormonais típicas de sua idade, ou não. É essencial ver um pouco além do estágio difícil em que estão e verificar se o comportamento estranho se deve ao uso de drogas.

Comportamentos a considerar

Aqueles jovens que estão usando drogas logicamente tentarão esconder isso. Portanto, é crucial que você preste atenção a qualquer alteração do comportamento, por mais insignificante que possa parecer para descobrir se seu filho está consumindo drogas, ou não.

1. Preste atenção aos cheiros

Pessoa consumindo drogas

As drogas, tal como cigarrilhas ou cigarro, têm um cheiro forte que se impregnam nas pessoas que as consomem, assim como em suas roupas. A estratégia utilizada pelos consumidores para evitar serem descobertos é aplicar repetidamente perfume, mascar chiclete e lavar as mãos de maneira exagerada.

2. Olhe para os seus olhos

Os olhos são indicadores muito claros de vícios. Cada droga em particular tem efeitos diversos. Por exemplo, a cannabis causa vermelhidão nos olhos e olhos sonolentos. Por outro lado, a cocaína e o ecstasy produzem dilatação das pupilas, com as quais os olhos se tornam muito abertos e os olhos muito arredondados.

3. Apresenta irritabilidade em excesso

Menino que consome drogas sentindo abstinência

As alterações hormonais em mulheres e homens geralmente causam alterações de humor, mas as geradas por drogas são frequentemente exageradas em comparação com as alterações comuns da idade. Os jovens se mostram mais irritáveis ​​e agressivos, especialmente quando não consomem drogas, porque o corpo está pedindo a droga.

Eles se tornam solitários e tendem a se afastar especialmente dos pais, pois dessa forma podem consumir sem dar explicações.

4. Tiram medicamentos do seu armário de remédios

Quando eles começam a consumir drogas, eles geralmente experimentam várias drogas, por ser “apenas um teste”. O kit de primeiros socorros da família é geralmente uma fonte de drogas sem nenhum custo para eles. O diazepam ou os populares xaropes para a tosse são os mais recomendados por aqueles que já tentaram e tentam induzir os outros.

Se alguns medicamentos desaparecerem de sua casa, é hora de conversar com seu filho.

5. Ele se tornou irresponsável

Pai conversando com filha sobre o consumo de drogas

Um dos efeitos mais devastadores do vício é um mau hábito de largar tudo e começar a se interessar apenas pelo entretenimento. O jovem consumidor deixa de lado seus estudos e tudo o que requer comprometimento. Baixo desempenho escolar e evitar ocupar-se de tarefas que antes gostavam é motivo de alerta e pode indicar que seu filho está consumindo drogas. 

Avaliação geral

As mudanças no comportamento de um filho que usa drogas é muito óbvio para os pais que os conhecem, que suspeitam disso na mesma hora. Dependendo sobre o tipo de drogas (estimulante ou relaxante) terá certas evidências.  

Se andar e falar muito rápido, pode estar consumindo anfetaminas. Outro sinal é que, se passa dois dias sem dormir, é muito provável que esteja ingerindo cocaína. Mas se pelo contrário, ele está muito cansado e lento, ele pode estar usando cannabis.

Devemos esclarecer que os pontos indicados nos parágrafos anteriores, por si só, não são indicadores decisivos de que o jovem é viciado. No entanto, quanto mais dessas mudanças comportamentais o jovem evidenciar, maior a probabilidade de ele estar usando drogas

O importante é estar alerta, estar muito atento aos nossos filhos, ter consciência do que eles fazem, para onde vão, quem são seus amigos, com quem se relacionam. A comunicação diária e eficaz é a base para ficar perto deles e prevenir situações como vícios.