Droal: o que é e para que é utilizado?

Droal é um medicamento usado no tratamento a curto prazo de dores moderadas a graves no pós-operatório, ou no tratamento de dores causadas pela cólica renal.
Droal: o que é e para que é utilizado?

Última atualização: 23 Novembro, 2020

Droal é um medicamento cujo ingrediente ativo é o cetorolaco de trometamina. Pertence ao grupo de medicamentos denominados analgésicos, anti-inflamatórios e antipiréticos.

É um medicamento usado no tratamento a curto prazo de dor moderada a intensa no pós-operatório, ou no tratamento da dor causada por cólica renal.

Como o droal atua e para que é indicado?

Remédio injetado

Este medicamento inibe a atividade da ciclo-oxigenase e, portanto, a síntese de prostaglandinas. Em doses analgésicas, tem um efeito anti-inflamatório menor do que outros AINEs.

O cetorolaco de trometamina pode ser apresentado como uma solução injetável e em comprimidos para tomar por via oral:

  • forma injetável é usada para o tratamento a curto prazo de dor pós-operatória moderada ou grave e dor causada por cólica nefrítica.
  • Os comprimidos de cetorolaco de trometamina são utilizados para o tratamento a curto prazo da dor leve ou moderada no período pós-operatório.

Como usar o cetorolaco de trometamina

A dose de cetorolaco de trometamina deve ser ajustada de acordo com a gravidade da dor e a resposta do paciente, tentando administrar a dose mínima eficaz.

A dose inicial recomendada por via intramuscular ou intravenosa é de 10 mg. Em seguida, a dose seria de 10 a 30 mg a cada 4 a 6 horas, dependendo das necessidades do paciente em controlar a dor. Nos casos de dor intensa ou muito intensa, a dose inicial recomendada é de 30 mg. A dose diária máxima recomendada é de 90 mg para adultos não idosos e 60 mg em idosos.

O tratamento com cetorolaco de trometamina deve ser iniciado no hospital. Em geral, a duração máxima do tratamento não deve exceder 2 dias. No entanto, no caso de tratamento oral subsequente, a duração total do tratamento não pode exceder 7 dias. 

Para o tratamento da dor da cólica renal, recomenda-se uma dose única de 30 mg por via parenteral. Na maioria dos pacientes, o tratamento parenteral com cetorolaco fornece uma analgesia adequada. No entanto, pode ser utilizado em conjunto com analgésicos opioides quando, devido à intensidade da dor, as doses máximas recomendadas de cetorolaco não são suficientes.

Quando o droal é contraindicado?

Úlcera estomacal

Este medicamento apresenta uma série de contraindicações, entre as quais encontramos:

  • Hipersensibilidade ao cetorolaco de trometamina ou outros AINEs.
  • Úlcera péptica ativa.
  • Angioedema ou broncoespasmo.
  • Insuficiência cardíaca grave.
  • Insuficiência renal moderada a grave.
  • Distúrbios na coagulação.

Outras contraindicações são gravidez, parto, lactação e crianças menores de 16 anos. O cetorolaco não deve ser utilizado em associação com outros AINEs, ASAs ou terapia anticoagulante.

Possíveis efeitos colaterais do droal

Os comprimidos de droal podem ter efeitos colaterais gastrointestinais, como úlcera péptica, sangramento ou perfuração gastrointestinal. Às vezes, elas podem ser fatais, principalmente se o paciente for idoso.

Outros efeitos colaterais podem ser:

  • Náuseas.
  • Vômito.
  • Diarreia.
  • Gases.
  • Constipação.
  • Desconforto.
  • Dor abdominal.

Também podem ocorrer inflamação do estômago, sangue nas fezes e agravamento da colite ulcerosa e da doença de Crohn.

Outros distúrbios que podem ser desencadeados pelo uso deste medicamento são os seguintes:

  • Distúrbios metabólicos ou nutricionais, como anorexia ou aumento do potássio e do sódio.
  • Sistema nervoso: meningite, convulsões, tontura, sonolência, dor de cabeça, hiperatividade e diminuição da capacidade de concentração, insônia, formigamento e dormência.
  • Psiquiátrico: sonhos anormais, alteração do pensamento, ansiedade, depressão, euforia, alucinações, reações psicóticas, nervosismo.
  • Renal e urinário: insuficiência renal aguda, dor nos rins, aumento da frequência de micção, retenção urinária, diminuição da produção de urina ou outros sinais de inflamação nos rins.
  • Cardíaca e vascular: inchaço, hipertensão, insuficiência cardíaca, arritmias, ondas de calor, palpitações, hipotensão, dor no peito, palidez.
  • Sistema reprodutivo e da mama.
  • Hepatobiliar: exames hepáticos comprometidos, hepatite, icterícia, insuficiência hepática.
  • Músculoesquelético e tecido conjuntivo: dor muscular.
  • Alterações na visão e zumbido nos ouvidos.

Conclusão

A relação risco-benefício do droal pode ser considerada favorável desde que as condições de uso sejam rigorosamente seguidas. Ou seja, é necessário cumprir as indicações, dosagem e duração do tratamento indicados pelo médico.

Pode interessar a você...
8 sintomas de insuficiência renal que muitos ignoram
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
8 sintomas de insuficiência renal que muitos ignoram

Transtornos nos rins podem causar vários problemas de saúde, e alguns são graves, como a insuficiência renal. Saiba como identificar os seus sintomas.



  • Lopez-Alarcon, & Ibañez, D. A. (1998). Ketorolaco: Indicaciones terapéuticas y vías alternativas a las contempladas en la ficha farmacológica. Rev. Soc. Esp. Dolor.
  • Gómez-Rojas, J. P. (2013). Tramadol-ketorolaco versus tramadol-dexketoprofeno en pacientes postoperados de prótesis de cadera y rodilla. Revista Mexicana de Anestesiologia.

  • S??nchez-Zerme??o, M. E., Guevara-L??pez, U., Medina-Rodr??guez, F., Serratos-V??zquez, M. C., G??mez-Fuentes, S., & Espinosa-Betancourt, J. (2014). Analgesia postoperatoria en pacientes polifracturados con morfina-ketorolaco versus analg??sicos no opi??ceos. Revista Mexicana de Anestesiologia.