Doença de Willis-Ekbom ou síndrome das pernas inquietas

9 de maio de 2019
Um excesso no movimento das extremidades inferiores pode significar sintomas claros da chamada síndrome das pernas inquietas. É uma patologia que deve ser controlada o mais cedo possível após a sua aparição.

O desejo incessante de mover as pernas pode ser um sintoma de uma patologia. Se na hora de dormir sentirmos a necessidade de sacudir as extremidades inferiores, podemos estar padecendo da doença de Willis-Ekbom, ou a síndrome das pernas inquietas. Embora possa não parecer, esse é um fenômeno médico previamente tipificado e identificado.

O problema com essa condição é que sua origem ainda é desconhecida. Argumenta-se que este é um distúrbio neurológico, embora de pouca importância. No entanto, 3% da população mundial pode sofrer com esse problema de forma severa.

O que se sabe sobre a doença de Willis-Ekbom ou a síndrome das pernas inquietas?

O que se sabe sobre a doença de Willis-Ekbom ou a síndrome da pernas inquietas?

Existem estatísticas que indicam que quase 10% da população mundial apresenta sintomas relacionados a essa condição. Sabe-se também que afeta homens e mulheres de todas as idades. No entanto, os sintomas podem ser vistos em sua maior expressão após os quarenta anos.

Uma origem clara também não foi identificada, além disso, poderíamos estar diante de uma doença que pode ter muitas causas. Anemia, insuficiência renal e a administração de alguns medicamentos estão relacionados à sua aparição. Nas mulheres, acredita-se que o problema possa aparecer após a gravidez.

Atualmente, acredita-se que esta doença está relacionada com a ativação da dopamina. O movimento depende deste neurotransmissor e da sua coordenação através do sistema nervoso central.

Apesar da falta de conhecimento, ele foi separado em dois tipos. A chamada doença de Willis-Ekbom é dividida em primária e secundária. No primeiro caso, a origem dessa manifestação corporal ainda é desconhecida, enquanto na segunda, entendemos essa condição quando ela é causada por outras doenças.

Sintomatologia variada e confusa

Outro problema relacionado com a síndrome das pernas inquietas é que seus sintomas são variados e difíceis de serem percebidos. Em alguns casos, é apenas a predisposição para mover as pernas. Mas esta condição tem outras manifestações que podem ser irritantes.

Alguns pacientes demonstram desconforto e sensações desagradáveis ​​nas pernas. Às vezes, isso pode se transformar em cãibras e formigamento. Como muitos desses sintomas são evidentes à noite, alguns afetados sentem dificuldade em adormecer.

Claro, isso gera fadiga, cansaço e sonolência durante o dia. Além disso, essa necessidade de movimento é paralela ao ritmo circadiano. Isso quer dizer que entre a tarde e a noite, tendem a aumentar. Assim, a doença de Willis-Ekbom é crônica e progressiva ao longo do tempo.

Não deixe de ler: Síndrome das pernas inquietas: 7 estratégias efetivas que irão ajudá-lo

Identificando a doença de Willis-Ekbom

Identificando a doença de Willis-Ekbom

Para ajudar a identificar a síndrome das pernas inquietas, listamos os seguintes sinais e sintomas:

  • A necessidade de movimento ocorre em repouso: quando nos referimos a essa doença, não podemos confundi-la com reflexo ou hiperatividade. Na verdade, o movimento geralmente ocorre quando estamos descansando e não durante a vida cotidiana.
  • Os sintomas se manifestam à noite: esse é um dos requisitos para determinar se a condição existe. Na prática, a maioria dos pacientes diagnosticados não tem essa necessidade de movimentar as pernas durante o dia.
  • Espasmos noturnos: o movimento periódico dos membros ocorre durante o sono. Este é em si outro tipo de condição relacionada à síndrome. O espasmo pode ocorrer até mesmo durante o sono.
  • Alívio no movimento: a boa notícia é que, quando nos movemos, podemos sentir que o formigamento ou a sensação que sentimos são aliviados. Não importa se sentirmos coceira, desconforto ou dor. Geralmente diminui quando as extremidades inferiores são movimentadas.

Confira ademais: 6 dicas para tratar hiperatividade em adultos

Possíveis tratamentos 

Em primeiro lugar, se sentirmos desconforto, a coisa certa a fazer é se movimentar. É até aconselhável sair da cama e caminhar por alguns minutos. A desvantagem é a baixa qualidade de vida dos afetados, que está associada à dificuldade de se conseguir um sono reparador.

Portanto, é aconselhável realizar terapias e tratamentos que melhorem a qualidade do sono. Existem também abordagens a nível psicológico, com as quais você pode experimentar algumas melhorias. Alguns recomendam a terapia cognitivo-comportamental, porque às vezes essa síndrome tem a ver com aspectos psicológicos e emocionais.

  • Sociedad española del sueño. Síndrome de las piernas inquietas. Extraído de: http://www.ses.org.es/docs/guias-spi.pdf
  • Medigraphic. 2007. Síndrome de las piernas inquietas: clínica, manejo y estudio polisomnográfico. Extraído de: http://www.medigraphic.com/pdfs/plasticidad/prn-2007/prn071_2d.pdf