Como a dispraxia afeta a algumas crianças

30 de agosto de 2019
Se alguns movimentos simples são difíceis de executar para o seu filho tiver, como colocar a colher na boca ou jogar bola, é possível que ele seja um filho dispráxico. Esta condição afeta a algumas funções cerebrais e geralmente causa problemas de autoestima em quem sofre dela.

A dispraxia em crianças é uma condição que poucos pais conhecem. Reflete uma alteração na coordenação motora que é frequentemente confundida com falta de jeito. Por isso, quem sofre pode parecer lento e descuidado. Mas, esta síndrome pode ser identificada olhando atentamente para a criança.

Ele pode ter dificuldade em amarrar os sapatos, abotoar a camisa ou, por exemplo, bate nos marcos das portas e nas paredes com relativa facilidade. As ações comuns que são simples para outras crianças da sua idade, geralmente são um desafio para o dispráxico. Eles geralmente têm dificuldade em andar de bicicleta, chutar uma bola ou cortar uma bola.

Este distúrbio impede o desenvolvimento adequado de habilidades de coordenação motora fina (pintar, escrever, corte) e coordenação motora grossa (patinar, correr, nadar). Além disso, em alguns casos mais graves pode afetar os músculos faciais com a consequente dificuldade de articular corretamente as palavras.

Tipos de dispraxia

Tipos de dispraxia

Assim como a maioria dos distúrbios do desenvolvimento, a dispraxia em crianças pode comprometer várias áreas e se apresentar em graus variados.

Oromotora

Afeta a coordenação dos músculos necessários para pronunciar palavras. Eles acham difícil dizer frases longas, pulam palavras ao falar frases ou organizam essas palavras de maneira desordenada.

Ideomotora

Impede que execute com sucesso uma ação simples, como dizer adeus com a mão ou pentear o cabelo, por exemplo. Isso ocorre porque a sequência de pensar e agir é interrompida.

Ideatória

Obstrui a execução de uma sequência de movimentos (por exemplo, escovar os dentes ou amarrar os sapatos). A série de atividades de rotina é muito difícil de implementar.

Construtiva

Isso dificulta a capacidade de entender as relações espaciais entre os objetos. Alguns exemplos desse tipo de dispraxia são a incapacidade de usar blocos de construção ou copiar formas geométricas.

Veja também: Transtorno negativista desafiante em crianças: como agir?  

Possíveis causas de dispraxia em crianças

Embora as causas dessa condição ainda não tenham sido determinadas com exatidão, existem alguns fatores que são considerados responsáveis ​​por ela.

  • Predisposição genética
  • Nascimento prematuro
  • Baixo peso ao nascer
  • Mães que consumiam álcool ou drogas durante a gravidez

A imaturidade dos neurônios (talvez devido a lesão cerebral) é uma condição fundamental para essa síndrome.

Diagnóstico e tratamento

Não há avaliações específicas para diagnosticar a dispraxia em crianças. Os sintomas geralmente aparecem a partir de um ano de idade, tornando-se mais evidentes no estágio escolar.

Se você observar que seu filho não tem habilidades para realizar tarefas simples, é prudente monitorar seu desempenho por pelo menos 6 meses. Também é muito útil para o especialista que você anote as situações, frequentes ou isoladas, nas quais a criança apresenta dificuldades.

Depois de avaliar a criança e revisar suas anotações, o médico deve descartar uma condição neurológica fazendo testes neuropsicológicos. Nestes, habilidades motoras e intelectuais serão tomadas como referência de acordo com a idade da criança.

Tratamento da dispraxia

A maneira de tratar a dispraxia e sua evolução dependerá de certos fatores, como tipo, grau e idade em que é diagnosticada. Além disso, a constância e comprometimento dos pais durante o tratamento é importante. A terapia é bastante simples, mas é essencial que toda a família se envolva nela para alcançar os melhores resultados.

Os pais devem adquirir treinamento especial para ajudar seu filho de forma eficiente. O especialista fornecerá ferramentas e estratégias para enfrentar as dificuldades mais comuns. Aumentar as habilidades da criança ajudará a fortalecer sua autoestima. Da mesma forma, as técnicas do terapeuta devem ser aplicadas para treinar as habilidades que ele não possui.

Leia também: Crianças que querem dormir na cama dos pais

Considerações finais

Menino brincando

Deve-se esclarecer que a dispraxia é uma patologia que não implica em deficiência intelectual. A maioria dos afetados tem inteligência normal. É bom explicar à criança que ela tem um distúrbio que complica seu desenvolvimento, mas não afeta sua inteligência.

Esta é uma condição em que você terá que ter muita paciência para apoiar a criança. Também é ideal usar truques que facilitam a sua vida, por exemplo, sapatos com velcro em vez de cadarço, camisetas em vez de camisas ou pratos de plástico para evitar que quebrem.

Evite atribuir tarefas que excedam suas habilidades até que a terapia ajude a superá-las. Dispense comentários que o deixem em evidência ou prejudiquem sua autoestima.

Não o compare com os outros, expresse o quanto você valoriza o esforço dele, celebre o progresso dele e desculpe os acidentes que ele pode ter durante o processo. Com isso, você não apenas demonstrará amor ao seu filho: você também fará dele um ser mais otimista e feliz.

  • Gibbs, J., Appleton, J., & Appleton, R. (2007). Dyspraxia or developmental coordination disorder? Unravelling the enigma. Archives of Disease in Childhood. https://doi.org/10.1136/adc.2005.088054
  • Drew, S. (2012). Dyspraxia. In Neurodiversity in Higher Education: Positive Responses to Specific Learning Differences. https://doi.org/10.1002/9780470742259.ch5
  • Lemonnier, E. (2010). Psychopathology in children with dyspraxia. Archives de Pédiatrie. https://doi.org/10.1016/j.arcped.2010.05.015
  • Dewey, D. (1995). What Is Developmental Dyspraxia. Brain and Cognition. https://doi.org/10.1006/brcg.1995.1281