8 benefícios de tocar um instrumento musical na infância

Aprender a tocar um instrumento musical é um dos melhores recursos para estimular as habilidades cognitivas e sociais na infância. Além disso, o contato com a música se torna essencial para liberar emoções.

Última atualização: 01 Março, 2021

Hoje em dia são conhecidos muitos benefícios de tocar um instrumento musical na infância. Embora a maioria das crianças o faça por entretenimento, sua prática regular incide de maneira significativa em seu processo de desenvolvimento cognitivo, social e artístico.

A partir do início do processo de aprendizado, são exercitadas importantes habilidades cerebrais. O ouvido fica mais afiado, e a capacidade de expressão é melhorada. Além disso, o fortalecimento dessa arte:

  • Facilita a formação da personalidade da criança.
  • Melhora sua autoestima.

Existem mais motivos para aprender a tocar um instrumento na infância? Claro que sim! Tendo em vista que muitos pais ainda não sabem, a seguir queremos rever os benefícios de se promover essa atividade desde os primeiros anos de vida.

1. Promove o bem-estar emocional

O contato com instrumentos e brinquedos musicais ajuda a promover a sensação de bem-estar emocional nas crianças. Ao desfrutar da música mediante sua prática, os pequenos liberam energias reprimidas e se sentem melhor consigo mesmos.

Esse efeito resulta particularmente benéfico para as crianças que costumam se frustrar com facilidade ou que não sabem verbalizar seus sentimentos. As melodias e canções se transformam em um dos principais recursos de expressão e comunicação.

Recomendamos: A importância da família no crescimento de uma criança

2. Melhora as habilidades cognitivas

Tocar um instrumento musical na infância tem efeitos importantes sobre o desenvolvimento do cérebro e o fortalecimento das habilidades cognitivas. As crianças que tocam violão, tambores, piano ou qualquer outro dispositivo musical tem uma melhor concentração e capacidade para resolver problemas.

Por outro lado, a música estimula a atividade dos neurônios e os torna mais eficientes na transmissão de sinais. Desse modo, com o tempo, conduz a um pensamento mais rápido e uma melhor memória. Além disso, favorece o desenvolvimento de pensamento crítico e lógico e estimula as áreas cerebrais relacionadas à matemática.

3. Reforça as habilidades de linguagem

A relação com a música desempenha um papel muito importante no desenvolvimento das habilidades linguísticas das crianças. Tanto os instrumentos musicais como as letras das canções podem ajudar a:

  1. Ampliar o vocabulário.
  2. Fazer um uso correto da língua.

4. Promove habilidades sociais saudáveis

As pessoas que aprendem a tocar um instrumento musical na infância têm mais facilidade para se relacionar em seu ambiente social. Dado que a autoestima e a autoconfiança da criança se fortalece, ela sente menos medo ao estar em contato tanto com adultos como com outras crianças.

Por outro lado, quando compartilha esse talento com seus amigos, aprende o trabalho cooperativo e a brincadeira associativa. Se os pequenos brincam de “banda” descobrem juntos a magia da música e aprendem a resolver diferenças e a trabalhar juntos.

5. Fomenta a criatividade

Os instrumentos musicais são um excelente recurso para estimular a criatividade e a curiosidade nas crianças pequenas. Quando improvisam em sua flauta, xilofone ou violão, fortalecem a área do cérebro que lhes permite inovar e criar em qualquer outra área.

6. Ensina a paciência: tocar um instrumento musical na infância

Os padrões de aprendizado da música ajudam a fortalecer a habilidade da paciência nas crianças. Como bem sabem alguns, os pequenos não costumam apreciar com facilidade esse valor. Por isso, quando fazem o exercício de tocar um instrumento, aprendem que é necessário tempo para que soe perfeito.

No entanto, é importante guiá-los e apoiá-los para que não desistam quando encontram alguma dificuldade. Às vezes, quando não há alguém para lhes dizer que serão capazes, preferem desistir da ideia de aprender a tocar o instrumento.

7. Desenvolve habilidades motoras grossas e finas

Para tocar as cordas de um violão ou manter a coordenação ao tocar piano ou bateria, é necessário um bom exercício das habilidades motoras grossas e finas. Na verdade, qualquer instrumento requer essas habilidades.

Por isso, ao tocar um instrumento musical na infância, os menores consolidam algumas de suas capacidades motoras e descobrem como coordenar suas extremidades para criar música. Além disso, eles aprendem a controlar seus músculos e movimentos, pois muitos instrumentos exigem essa habilidade.

8. Proporciona um aprendizado contínuo

A relação com a música e os instrumentos lhes ensina a valorizar o aprendizado contínuo. Muitas crianças se apaixonam por essa arte e tomam a decisão de explorá-la em muitos aspectos. Por isso, depois de dominar um instrumento, é normal que queiram aprender a usar outro.

Confira também: A arte de não perder a calma durante uma discussão: 5 dicas para o sucesso

Ao mesmo tempo, ao encontrarem uma infinidade de possibilidades no ambiente musical, outras decidem que querem aprender a cantar ou a compor suas próprias obras de arte. Sendo assim, todo o conjunto implica em aprender mais sobre o que assunto.

Em resumo, aprender a tocar um instrumento musical na infância é um grande apoio para o processo de formação integral. Por isso, assim como incentivamos outras artes, seria bom presentear as crianças com brinquedos musicais ou instrumentos desde cedo.

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Descubra uma música para fazer os bebês rirem

Acreditamos que o uso dos sons universais ou ruídos diários e o ritmo alegre da música podem fazer conexões com os bebês. O que acha de experimentar?



  • Tobar, C. (2013). Beneficios de la música en el aprendizaje. Revista EducAcción. https://doi.org/10.1039/c4nr04453c
  • Arias Gomez, M. (2007). Música y neurología. Neurologia. https://doi.org/7109116 [pii]
  • Yáñez Amorós, B. (2011). Musicoterapia en el paciente oncológico. Cultura de Los Cuidados. Revista de Enfermería y Humanidades. https://doi.org/10.7184/cuid.2011.29.07
  • Rubia, V. (2009). Música y cerebro. Anales de La Real Academia de Medicina (Madrid).
  • Ballesteros Egea, M., & García Sánchez, M. (2010). Recursos didácticos para la enseñanza musical de 0 a 6 años. Revista Electrónica de LEEME.