O que é uma dieta pró-inflamatória e quais são seus riscos?

Existem alimentos capazes de causar inflamação no sistema digestivo e no resto do corpo. Veja quais são e como mudar seus hábitos para evitar problemas de saúde.
O que é uma dieta pró-inflamatória e quais são seus riscos?

Última atualização: 04 Agosto, 2021

A dieta tem um grande impacto na saúde. No entanto, existem alguns tipos de dieta que contribuem para aumentar o risco de certas doenças crônicas, como a dieta pró-inflamatória.

Existem 2 tipos de inflamação. A aguda, que ocorre em resposta a uma lesão como mecanismo de defesa, e a crônica, que ocorre quando o corpo tenta eliminar certas substâncias nocivas. O excesso de gordura na barriga também pode causar inflamação crônica.

Uma dieta pró-inflamatória pode predispor o corpo a doenças como diabetes, doenças cardíacas e alguns distúrbios intestinais. A partir dessa perspectiva, o Dr. David Seaman explica que certos alimentos específicos (açúcares e óleos de sementes) promovem a inflamação.

Como a dieta pode causar inflamação?

A inflamação é um tipo de defesa natural e um sinal protetor do organismo. No entanto, quando persiste ou é mantida por fatores dietéticos, trabalha contra nós.

Existem certos marcadores no sangue, como a proteína C reativa, a interleucina-6 e o ​​fator de necrose tumoral alfa, que indicam inflamação crônica. Como explicam alguns especialistas, a dieta influencia esses marcadores. A dieta ocidental está associada a altos níveis de inflamação.

A revista Obesity Reviews afirma que alimentos ultraprocessados, ricos em calorias e muito pobres em vegetais e frutas estão associados a níveis mais altos de inflamação. Por outro lado, um ensaio clínico mostrou que a dieta mediterrânea, rica em frutas, leguminosas, azeite, peixes oleosos, vegetais e grãos integrais, tem sido associada a menores marcadores inflamatórios.

A importância das dietas para melhorar a saúde foi publicada na revista Advances in NutritionÉ utilizada uma ferramenta conhecida como índice inflamatório da dieta (IID) para determinar o potencial pró ou anti-inflamatório de uma forma de alimentação.

Esse índice leva em consideração compostos, nutrientes e alimentos com propriedades a favor ou contra o processo inflamatório. Esses padrões alimentares pró-inflamatórios foram associados a um risco aumentado de doenças crônicas.

Como a dieta pode causar inflamação?
Alimentos ultraprocessados, açúcares e doces são considerados inflamatórios.

Quais alimentos são considerados pró-inflamatórios?

Muitos alimentos consumidos regularmente podem afetar a inflamação no corpo. A seguir, revisaremos aqueles com características pró-inflamatórias .

Gordura trans

As gorduras trans são as menos saudáveis no mundo. Elas são formadas pela adição de hidrogênio às gorduras insaturadas para torná-las mais estáveis ​​na hora do armazenamento. Boa parte delas são conhecidas como óleos parcialmente hidrogenados.

Nesse sentido, um grupo de especialistas esclarece que o óleo de soja hidrogenado causa mais inflamação do que o óleo de palma e girassol.

Durante o processo de fabricação das margarinas, também se formam gorduras trans. Um estudo menciona os efeitos inflamatórios e o risco de doenças crônicas dessas gorduras. Marcadores inflamatórios, como a proteína C reativa, são reconhecidos por aumentarem a inflamação.

Uma pesquisa mostrou que as gorduras trans podem afetar a função das células endoteliais que revestem as artérias, sendo este um fator de risco para doenças cardíacas. Também foi encontrado que o consumo dessas gorduras aumentou os marcadores inflamatórios em homens saudáveis com níveis elevados de colesterol.

Outros alimentos ricos em gordura trans incluem fast food, pipoca, batata frita, manteigas vegetais, alimentos processados, bem como bolos e biscoitos.

Açúcar de mesa e xarope de milho

A dieta ocidental usa açúcar de mesa e xarope de milho com alto teor de frutose como adoçantes principais. A diferença entre os dois é que o açúcar contém partes iguais de glicose e frutose, mas no xarope de milho mais da metade é frutose.

Como um estudo revela, o açúcar é um produto dietético pró-inflamatório. A respeito, foi evidenciado que ratos alimentados com uma dieta rica em sacarose desenvolveram câncer de mama.

Em um ensaio clínico randomizado em grupos de pessoas que consumiram refrigerantes regulares e diet, leite ou água, aqueles que ingeriram refrigerantes regulares apresentaram níveis aumentados de ácido úrico, causando inflamação e resistência à insulina.

A revista The Journal of Nutrition relatou que consumir muita frutose está associado à obesidade, resistência à insulina, diabetes, esteatose hepática, doença renal crônica e câncer. Uma revisão menciona que a frutose também é considerada um fator de risco para doenças cardíacas e aumenta vários marcadores inflamatórios em ratos e humanos.

Considere que o açúcar também é usado como ingrediente adicionado em doces, chocolates, bolos, donuts e cereais matinais.

Carboidratos refinados

Pesquisas relatam que os carboidratos refinados podem causar inflamação, estimulando o crescimento de bactérias intestinais que aumentam o risco de obesidade e doença inflamatória intestinal.

Esse tipo de carboidrato tem um índice glicêmico muito alto, ou seja, aumenta o açúcar no sangue muito rapidamente. Em adultos mais velhos, descobriu-se que comer alimentos com alto índice glicêmico pode aumentar em quase 3 vezes a chance de morrer de uma doença inflamatória.

Outro estudo com homens jovens apoia essa descoberta. Quando as pessoas no estudo comeram 50 gramas de pão branco, elas apresentaram níveis elevados de açúcar no sangue e marcadores inflamatórios.

Doces, pães, bolos, refrigerantes açucarados, biscoitos, massas, farinha refinada e alimentos processados ​​com açúcar são fontes de carboidratos refinados.

Óleos vegetais

Alguns estudos defendem que os óleos com ácidos graxos ômega 6 são pró-inflamatórios, e esse tipo de gordura é característico da dieta ocidental. Certos óleos de sementes, como óleos de soja, podem ativar a inflamação.

Esse é um dos motivos para recomendar o consumo de gordura ômega 3, como a encontrada em peixes gordurosos. Os ômega 3 têm um importante poder anti-inflamatório.

Nesse sentido, um estudo em ratos alimentados com 20 vezes mais ômega 6 do que ômega 3 mostrou que eles tinham níveis de marcadores inflamatórios muito mais elevados do que aqueles alimentados com proporções iguais ou 5 vezes maiores de ômega 6 para ômega 3. No entanto, em humanos ainda não há evidências suficientes a respeito.

Carne processada

A relação entre o consumo de carnes processadas (bacon, linguiça, presunto, charque e carne defumada) com o aumento do risco de doenças crônicas, como diabetes, câncer de estômago e cólon, é reconhecida há muito tempo.

A presença de produtos finais de glicação (AGEs) nesses alimentos pode causar inflamação, conforme revelado por alguns estudos. Em particular, o câncer de cólon está intimamente associado ao consumo de carnes processadas, como uma resposta inflamatória.

Álcool em excesso

Um ensaio clínico mostrou que o marcador inflamatório proteína C reativa é aumentado em pessoas que bebem muito álcool. Além disso, podem ocorrer problemas com certas toxinas bacterianas que são produzidas no cólon e chegam ao sangue.

A revista Lancet revelou que o álcool em excesso pode causar intestino permeável, uma condição que causa inflamação generalizada no corpo e danifica diferentes órgãos. Nesse sentido, recomenda-se um máximo de 2 drinques padrão por dia para homens e 1 para mulheres.

Carnes processadas
As carnes processadas têm influência comprovada como fatores de risco para certos tipos de câncer, como o câncer de cólon.

Riscos de uma dieta pró-inflamatória

O consumo consistente de uma dieta pró-inflamatória pode levar à inflamação crônica relacionada à doença coronariana, depressão e obesidade, entre outros.

Aumenta o risco de doenças cardiovasculares

Em estudos de longo prazo, foi demonstrado que pessoas que consomem alimentos pró-inflamatórios apresentam um risco 38% maior de desenvolver doenças cardiovasculares crônicas. Outro estudo também descobriu o efeito prejudicial dos alimentos pró-inflamatórios nos níveis de colesterol, ao contrário da dieta anti-inflamatória.

Pode estar associado à depressão

Embora a relação ainda não esteja clara, foi descoberto que pessoas depressivas que consumiram mais açúcares, gorduras trans e carboidratos refinados têm marcadores inflamatórios aumentados no sangue. Os resultados também associam a dieta pró-inflamatória a um pior estado dos sintomas.

Aumenta o risco de mortalidade por doenças crônicas

Um grupo de especialistas divulgou que a inflamação crônica é um fator causal de incapacidade e mortalidade em todo o mundo. De acordo com a revista Nutrients, os alimentos pró-inflamatórios, como alimentos ultraprocessados ​​e gorduras trans, promovem a inflamação sistêmica crônica.

Dicas para uma alimentação saudável

Para evitar problemas de inflamação, você deve se concentrar em melhorar sua dieta, em vez de se concentrar apenas em um alimento ou nutriente. Muitos deles interagem entre si.

É sempre aconselhável ampliar a variedade de alimentos vegetais (frutas, verduras, legumes, grãos integrais e azeite). Eles contêm fibras e fitoquímicos, como polifenóis, com efeito antioxidante.

Ervas, especiarias, chá e café também são excelentes fontes de polifenóis. Portanto, você pode consumi-los regularmente. Os peixes oleosos, por sua vez, são fonte de ômega 3.

Para manter a saúde e aumentar a expectativa de vida diante das doenças crônicas, você deve parar de manter uma dieta pró-inflamatória e passar a consumir alimentos saudáveis.

Pode interessar a você...
Dieta para tratar a inflamação
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Dieta para tratar a inflamação

A dieta pode ajudar a tratar a inflamação, reduzir os fatores de risco e melhorar a saúde. Saiba mais detalhes sobre o tema neste artigo.



  • Marx W, Veronese N, Kelly JT, Smith L, Hockey M, Collins S, Trakman GL, Hoare E, Teasdale SB, Wade A, Lane M, Aslam H, Davis JA, O’Neil A, Shivappa N, Hebert JR, Blekkenhorst LC, Berk M, Segasby T, Jacka F. The Dietary Inflammatory Index and Human Health: An Umbrella Review of Meta-Analyses of Observational Studies. Adv Nutr. 2021 Apr 19:nmab037.
  • Seaman DR. The diet-induced proinflammatory state: a cause of chronic pain and other degenerative diseases? J Manipulative Physiol Ther. 2002 Mar-Apr;25(3):168-79.
  • Lopez-Garcia E, Schulze MB, Fung TT, Meigs JB, Rifai N, Manson JE, Hu FB. Major dietary patterns are related to plasma concentrations of markers of inflammation and endothelial dysfunction. Am J Clin Nutr. 2004 Oct;80(4):1029-35.
  • Lane MM, Davis JA, Beattie S, Gómez-Donoso C, Loughman A, O’Neil A, Jacka F, Berk M, Page R, Marx W, Rocks T. Ultraprocessed food and chronic noncommunicable diseases: A systematic review and meta-analysis of 43 observational studies. Obes Rev. 2021 Mar;22(3):e13146.
  • Chrysohoou C, Panagiotakos DB, Pitsavos C, Das UN, Stefanadis C. Adherence to the Mediterranean diet attenuates inflammation and coagulation process in healthy adults: The ATTICA Study. J Am Coll Cardiol. 2004 Jul 7;44(1):152-8.
  • Marx W, Veronese N, Kelly JT, Smith L, Hockey M, Collins S, Trakman GL, Hoare E, Teasdale SB, Wade A, Lane M, Aslam H, Davis JA, O’Neil A, Shivappa N, Hebert JR, Blekkenhorst LC, Berk M, Segasby T, Jacka F. The Dietary Inflammatory Index and Human Health: An Umbrella Review of Meta-Analyses of Observational Studies. Adv Nutr. 2021 Apr 19:nmab037.
  • Nestel P. Trans fatty acids: are its cardiovascular risks fully appreciated? Clin Ther. 2014 Mar 1;36(3):315-21.
  • Lopez-Garcia E, Schulze MB, Meigs JB, Manson JE, Rifai N, Stampfer MJ, Willett WC, Hu FB. Consumption of trans fatty acids is related to plasma biomarkers of inflammation and endothelial dysfunction. J Nutr. 2005 Mar;135(3):562-6.
  • Han SN, Leka LS, Lichtenstein AH, Ausman LM, Schaefer EJ, Meydani SN. Effect of hydrogenated and saturated, relative to polyunsaturated, fat on immune and inflammatory responses of adults with moderate hypercholesterolemia. J Lipid Res. 2002 Mar;43(3):445-52.
  • Bendsen NT, Stender S, Szecsi PB, Pedersen SB, Basu S, Hellgren LI, Newman JW, Larsen TM, Haugaard SB, Astrup A. Effect of industrially produced trans fat on markers of systemic inflammation: evidence from a randomized trial in women. J Lipid Res. 2011 Oct;52(10):1821-8.
  • Baer DJ, Judd JT, Clevidence BA, Tracy RP. Dietary fatty acids affect plasma markers of inflammation in healthy men fed controlled diets: a randomized crossover study. Am J Clin Nutr. 2004 Jun;79(6):969-73.
  • Jiang Y, Pan Y, Rhea PR, Tan L, Gagea M, Cohen L, Fischer SM, Yang P. A Sucrose-Enriched Diet Promotes Tumorigenesis in Mammary Gland in Part through the 12-Lipoxygenase Pathway. Cancer Res. 2016 Jan 1;76(1):24-9.
  • Stanhope KL, Havel PJ. Fructose consumption: considerations for future research on its effects on adipose distribution, lipid metabolism, and insulin sensitivity in humans. J Nutr. 2009 Jun;139(6):1236S-1241S.
  • Glushakova O, Kosugi T, Roncal C, Mu W, Heinig M, Cirillo P, Sánchez-Lozada LG, Johnson RJ, Nakagawa T. Fructose induces the inflammatory molecule ICAM-1 in endothelial cells. J Am Soc Nephrol. 2008 Sep;19(9):1712-20.
  • Ma X, Lin L, Yue J, Pradhan G, Qin G, Minze LJ, Wu H, Sheikh-Hamad D, Smith CW, Sun Y. Ghrelin receptor regulates HFCS-induced adipose inflammation and insulin resistance. Nutr Diabetes. 2013 Dec 23;3(12):e99.
  • Spreadbury I. Comparison with ancestral diets suggests dense acellular carbohydrates promote an inflammatory microbiota, and may be the primary dietary cause of leptin resistance and obesity. Diabetes Metab Syndr Obes. 2012;5:175-89.
  • Buyken AE, Flood V, Empson M, Rochtchina E, Barclay AW, Brand-Miller J, Mitchell P. Carbohydrate nutrition and inflammatory disease mortality in older adults. Am J Clin Nutr. 2010 Sep;92(3):634-43.
  • Dickinson S, Hancock DP, Petocz P, Ceriello A, Brand-Miller J. High-glycemic index carbohydrate increases nuclear factor-kappaB activation in mononuclear cells of young, lean healthy subjects. Am J Clin Nutr. 2008 May;87(5):1188-93.
  • Patterson E, Wall R, Fitzgerald GF, Ross RP, Stanton C. Health implications of high dietary omega-6 polyunsaturated Fatty acids. J Nutr Metab. 2012;2012:539426.
  • Yang LG, Song ZX, Yin H, Wang YY, Shu GF, Lu HX, Wang SK, Sun GJ. Low n-6/n-3 PUFA Ratio Improves Lipid Metabolism, Inflammation, Oxidative Stress and Endothelial Function in Rats Using Plant Oils as n-3 Fatty Acid Source. Lipids. 2016 Jan;51(1):49-59.
  • Micha R, Wallace SK, Mozaffarian D. Red and processed meat consumption and risk of incident coronary heart disease, stroke, and diabetes mellitus: a systematic review and meta-analysis. Circulation. 2010;121(21):2271-2283.
  • Oliveira A, Rodríguez-Artalejo F, Lopes C. Alcohol intake and systemic markers of inflammation–shape of the association according to sex and body mass index. Alcohol Alcohol. 2010 Mar-Apr;45(2):119-25.
  • Bjarnason I, Peters TJ, Wise RJ. The leaky gut of alcoholism: possible route of entry for toxic compounds. Lancet. 1984 Jan 28;1(8370):179-82.
  • Li J, Lee DH, Hu J, Tabung FK, Li Y, Bhupathiraju SN, Rimm EB, Rexrode KM, Manson JE, Willett WC, Giovannucci EL, Hu FB. Dietary Inflammatory Potential and Risk of Cardiovascular Disease Among Men and Women in the U.S. J Am Coll Cardiol. 2020 Nov 10;76(19):2181-2193.
  • Anand SS, Hawkes C, de Souza RJ, et al. Food Consumption and its Impact on Cardiovascular Disease: Importance of Solutions Focused on the Globalized Food System: A Report From the Workshop Convened by the World Heart Federation. J Am Coll Cardiol. 2015;66(14):1590-1614.
  • Furman D, Campisi J, Verdin E, Carrera-Bastos P, Targ S, Franceschi C, Ferrucci L, Gilroy DW, Fasano A, Miller GW, Miller AH, Mantovani A, Weyand CM, Barzilai N, Goronzy JJ, Rando TA, Effros RB, Lucia A, Kleinstreuer N, Slavich GM. Chronic inflammation in the etiology of disease across the life span. Nat Med. 2019 Dec;25(12):1822-1832.
  • Shivappa N, Godos J, Hébert JR, Wirth MD, Piuri G, Speciani AF, Grosso G. Dietary Inflammatory Index and Cardiovascular Risk and Mortality-A Meta-Analysis. Nutrients. 2018 Feb 12;10(2):200.