Como deve ser a dieta para diabéticos tipo 2?

13 Outubro, 2020
A dieta para diabéticos tipo 2 faz parte do tratamento. Juntamente com o exercício físico e os medicamentos indicados pelo médico, constitui um dos pilares para o sucesso no controle da glicemia.

Embora a diabetes seja uma doença crônica, ela pode ser tratada com nutrição, atividade física adequada e terapia medicamentosa. Não devemos concentrar nossos esforços apenas nos fármacos; a dieta para diabéticos tipo 2 é um dos pilares para a qualidade de vida desses pacientes.

Como já sabemos, a diabetes é uma patologia que pode surgir porque o corpo ataca a si mesmo e o pâncreas perde a capacidade de produzir insulina. Ou pode se desenvolver por meio de estilos de vida inadequados que, com o tempo, alteram a produção e o uso do hormônio.

Considerando que a diabetes pode se manifestar de diversas formas, devemos ter claro que o tipo 2 é a forma mais comum da doença, estando associada ao acúmulo excessivo de gordura abdominal, obesidade e sedentarismo.

Dieta para diabéticos tipo 2

Deve-se levar em consideração que a alimentação correta é um dos pilares fundamentais no tratamento dessa doença. Não buscamos apenas perder peso, mas também controlar a glicemia e prevenir complicações futuras.

Não devemos nos esquecer de que quem desenvolveu diabetes tipo 2 tem alteração no metabolismo de carboidratos, proteínas e gorduras.

Como primeira medida, busca-se a redução da ingestão calórica para tentar normalizar o peso. Além disso, o fracionamento da quantidade de alimentos é fundamental. Segundo a Fundación Española del Corazón, o ideal é fazer 5 refeições por dia. Ou seja, café da manhã, almoço e jantar, acrescentando dois lanches entre essas refeições.

Estabelecer um horário para as refeições

Determinar horários que se adaptem a cada um é o que permitirá cumprir a dieta do dia. O objetivo é evitar passar muitas horas sem comer, mantendo assim os níveis normais de açúcar no sangue. Desta maneira, também evitamos a hipoglicemia.

Em algumas pessoas, nas quais a alteração da glicose é muito complicada, é conveniente adicionar um lanche noturno.

Mulher atacando a geladeira
É muito importante que o diabético tenha horários definidos para se alimentar, evitando comer em momentos atípicos

Leia também: Diabetes tipo 2: o que é e quais são suas causas?

Cuidar da ingestão de carboidratos

O enfoque deve ser direcionado aos tipos de carboidratos consumidos, visto que são fundamentais no controle da glicemia, pois determinam até 50% da resposta glicêmica.

Os grãos integrais, as leguminosas e os tubérculos são considerados as principais fontes de carboidratos na dieta. Eles não são apenas ricos em amido, mas também contêm vitaminas, minerais e fibras. A porção ideal é de um quarto do prato.

Em relação às frutas, a recomendação atual é aumentar o consumo, selecionando aquelas com baixo índice glicêmico e, sempre que possível, consumi-las com a casca, pois é nela que está a fibra.

Evitar a queda dos níveis de glicose

Como já mencionamos, a queda da glicose pode ocorrer a qualquer momento, por isso, é aconselhável sempre ter algum alimento disponível, como frutas ou doces. Ele deve ser consumido quando o paciente detectar uma queda glicêmica.

A contagem de carboidratos é uma ferramenta extremamente eficaz na prevenção e deve ser trabalhada com as orientações de um profissional.

Alimentos para incluir na dieta para diabéticos tipo 2

Além dos já mencionados, pode-se consumir:

  • Vegetais: devem ocupar metade do prato.
  • Laticínios: dê preferência aos que contenham um baixo teor de gordura e não tenham açúcar, ou que contenham os adoçantes adequados.
  • Carnes magras, ovos e queijo.
  • Sementes, oleaginosas e azeites.
  • Produtos enlatados: sem adição de açúcar.
  • Compotas e doces: com adoçantes permitidos.

Hidratação

Um aspecto que não deve ser negligenciado é a hidratação. Em geral, as pessoas com diabetes sofrem de poliúria (aumento da quantidade de urina), por isso é essencial beber água ao longo do dia.

As bebidas sem açúcar, e infusões como chá, mate ou café também são permitidas, desde que sejam adoçadas com os adoçantes permitidos. Ocasionalmente, os sucos de fruta podem ser bebidos, mas diluídos com água.

O diabético deve cuidar da hidratação
A hidratação é uma parte considerável da dieta para pacientes com diabetes tipo 2.

Você também pode se interessar: Dispositivos de controle da diabetes

O que deve ser evitado?

  • Álcool: por possuir um alto poder hipoglicemiante, principalmente quando o ingerimos sem consumir alimentos.
  • Cigarro: o cigarro faz mal a todos, mas nos diabéticos as alterações no sangue e nos vasos sanguíneos podem ter consequências a longo prazo.
  • Excesso de sal: não podemos nos esquecer de que, assim como o cigarro, o sódio pode aumentar a pressão arterial.

Alimentação programada como a chave na dieta para diabéticos tipo 2

Em conclusão, a alimentação programada é um dos pilares do tratamento da diabetes tipo 2. Sem ela, é difícil manter o controle metabólico, mesmo com o uso de hipoglicemiantes. Em muitos casos, junto com o exercício físico, esta constitui a única medida terapêutica.

  • Durán Agüero S, Carrasco Piña E, Araya Pérez M. Alimentación y diabetes. Nutrición Hospitalaria. 2012;27(4):1031-6.
  • Moreno C, García MJ, Martinez C. Análisis de situación y adecuación de dietas para disfagia en un hospital provincial. Nutrición Hospitalaria. 2006;21(1):26-31.
  • Ontiveros L. Dieta para la diabetes – hiperglucemia e hipoglucemia [Internet]. Fundación Española del Corazón. [citado 18 de abril de 2020]. Disponible en: https://fundaciondelcorazon.com/nutricion/dieta/1252-dieta-para-la-diabetes.html
  • Factores de riesgo para la diabetes tipo 2 | NIDDK [Internet]. National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases. [citado 18 de abril de 2020]. Disponible en: https://www.niddk.nih.gov/health-information/informacion-de-la-salud/diabetes/informacion-general/factores-riesgo-tipo-2
  • Brajkovich I, Izquierdo M, Nieto R, Cordero M. Tratamiento no farmacológico: aspectos nutricionales, estilo de vida y actividad física. Cirugía bariátrica. Revista Venezolana de Endocrinología y Metabolismo.2012;10:47-57.