Desanimar é normal, ser pessimista não

25 Setembro, 2020
O pessimismo pode chegar a afetar todas as esferas da nossa vida e nos paralisar. Quando esse estado está presente, é importante buscar apoio e se deixar ser ajudado.

Quem nunca se sentiu desanimado alguma vez na vida? Desanimar é algo totalmente normal que pode acontecer com qualquer pessoa, mesmo sem nenhuma razão aparente. No entanto, desanimar e ser pessimista são coisas totalmente distintas.

O pessimismo pode nos afetar mais do que imaginamos e pode acabar complicando a nossa vida. É possível que não tenhamos consciência disso até ser tarde demais. Além disso, o pessimismo é algo que, uma vez enraizado e dentro de nós, é difícil de eliminar.

De desânimo ao pessimismo

Para algumas pessoas, do desânimo ao pessimismo só é preciso dar um passo. O que acontece então? Por que o pessimismo surge? O mais provável é que apareça quando prolongamos esse estado de desânimo no qual nos encontramos.

Descubra: 4 conselhos para vencer o desânimo e a tristeza

Desanimar não é ruim. É algo pelo qual todos nós passamos alguma vez e que pode nos ajudar a reunir forças e desenvolver resiliência para que possamos enfrentar muito mais preparados o que está nos esperando.

O problema é que sair desse estado de desânimo, às vezes, é algo difícil. Seja porque as circunstâncias da vida não estão fáceis ou porque não conseguimos ver a luz de esperança em meio a tanta escuridão.

A única verdade é que acabaremos sob as garras do pessimismo. Você quer saber como esse estado pode nos afetar?

1. Muda sua visão

O pessimismo muda sua visão em relação à vida e a tudo que a rodeia. De repente, você vê tudo escuro. E também pode ter a impressão de estar se tornando alguém muito pessimista. Esse círculo vicioso faz com que você não consiga encontrar a porta de saída.

Quando você está perdido no pessimismo, não consegue ver nenhuma nova oportunidade, ter nenhuma nova experiência. Tudo isso tem um motivo muito claro: o medo.

2. Muda sua maneira de escutar

Quando você está nesse estado, tudo o que você ouve é amplificado por seus ouvidos. Basta que alguém diga algo negativo ou que respondam mal para que você exagere o que aconteceu de tal forma a provocar uma grande sensação de mal-estar.

Leia também: Os efeitos das emoções e pensamentos negativos no nosso corpo

As frases que surgem na sua cabeça nesses momentos são: “Ninguém me valoriza”, “Cedo ou tarde isso ia acontecer mesmo,” “Ninguém me ajuda”, “O mundo está contra mim”. Essas palavras podem nos desanimar ainda mais, se for possível, e vão nos manter presos nesse estado de pessimismo em que já nos encontramos.

3. Muda sua maneira de falar

Assim como começamos a escutar coisas negativas e modificamos a nossa visão em relação às coisas, a nossa forma de falar também vai se transformar em algo muito diferente do que era antes.

Nesses momentos, da sua boca vão sair apenas palavras tristes, cheias de dor e que refletem o sentimento de pessimismo absoluto em que você se encontra.

A solução? Forçar a saída de expressões não tão extremas, mas realistas. Um exemplo de expressões extremas que costumamos quando estamos para baixo pode ser: “Tudo dá errado na minha vida”. Pode ser uma boa ideia prestar atenção aos momentos que você usa essas expressões para modificá-las e tentar usar uma linguagem mais realista.

4. Ser pessimista pode afetar suas relações pessoais

Todo esse pessimismo vai afetar suas relações pessoais, pois talvez você já não queira sair tanto ou contagie seus amigos com o pessimismo em que está imerso.

Isso pode provocar um afastamento que vai te mergulhar em uma solidão nada positiva. O melhor conselho é tentar conversar sobre o seu problema com as suas amizades, tentar se divertir e, principalmente, não se afastar de todos. Seus amigos e familiares serão os seus melhores aliados contra o pessimismo.

5. Coloca o seu futuro em perigo

O pessimismo, o desânimo e o fato de ser pessimista com frequência podem fazer com que você fique paralisado e veja com tristeza (e sem vontade de lutar) como as coisas escapam de suas mãos, o que pode fazer você se sentir pior.

Quando você se sentir assim, peça ajuda. Não guarde o mal-estar nem se isole. Pelo contrário, solicite ajuda profissional para iniciar uma terapia de acordo com o que você precisa para seguir em frente.

Não é uma vergonha pedir ajuda para se sentir melhor. Todos – em algum momento – podemos passar por momentos ruins e nos sentir mal com isso, mas o importante é sempre lembrar que é possível seguir em frente e, além disso, fortalecidos, resilientes.

Aprenda a falar com os demais sobre os seus problemas, a aliviar o peso que você carrega. Sua visão é única e, nesse momento, não é a mais acertada. Permita que os demais ajudem a abrir seus olhos. E, claro, não hesite em consultar um psicólogo se o seu desânimo persistir.

Nota: o que foi apresentado aqui são orientações. Caso considere que não se aplicam ao seu caso, recomendamos consultar um psicólogo para conseguir encontrar a melhor estratégia para você.

  • Martínez-Correa, A., Reyes Del Paso, G.A., García-León, A., and González-Jareño, M.I. (2006). Optimismo/pesimismo disposicional y estrategias de afrontamiento del estrés. Psicothema 18, 66–72.
  • Fernández-González, L., González-Hernández, A., and Trianes-Torres, M.V. (2015). Relaciones entre estrés académico,apoyo social,optimismo- pesimismo y autoestima en estudiantes universitarios. Electronic Journal of Research in Educational Psychology 13, 111–130.
  • Contreras, F. (2006). (2006). Psicología positiva: una nueva perspectiva en psicología. Diversitas: Perspectivas En Psicología 2, 311–319.
  • del Valle, C. H. C., & Mateos, P. M. (2008). Dispositional pessimism, defensive pessimism and optimism: The effect of induced mood on prefactual and counterfactual thinking and performance. Cognition and emotion, 22(8), 1600-1612.