Depressão após uma separação: tratamentos e apoio

18 Junho, 2020
Passar por uma fase de luto e tristeza é normal após uma separação. No entanto, quando os sintomas não desaparecem ou pioram, você pode estar com depressão. Nesse caso, o tratamento e o apoio das pessoas mais próximas a você são essenciais para a sua recuperação.
 

Algumas pessoas são capazes de superar o fim de uma relação rapidamente. No entanto, outras acham mais difícil e precisam de mais tempo. Isso é normal, mas em casos extremos, algumas pessoas podem ter depressão após uma separação. Neste artigo, mostraremos quais são os sintomas da depressão e como podemos superar essa situação.

Depressão ou uma reação normal após a separação?

Ficar triste é normal

Depressão após uma separação
É normal sentir tristeza após o término de um relacionamento, já que estamos encerrando um projeto futuro com outra pessoa.

Primeiro, é essencial distinguir entre o que é uma reação normal a uma separação e a depressão. Na verdade, mesmo que o relacionamento não fosse muito importante, é perfeitamente normal apresentar certos sentimentos e emoções quando ele acaba. Assim, dentro do que é considerado normal, podemos encontrar:

  • Frustração
  • Tristeza
  • Choro
  • Insônia
  • Perda de interesse

Portanto, é perfeitamente normal passar por uma “fase de luto” por um relacionamento que morreu. Afinal, é uma perda. Portanto, não há necessidade de se preocupar. O tempo deste luto dependerá de cada pessoa. De fato, algumas precisam de mais tempo, enquanto outras conseguem superar mais rapidamente.

Não deixe de ler: O apego nos relacionamentos

 

A depressão

Em caso de depressão após a separação, os sintomas não desaparecem em semanas, nem com o passar dos meses. Inclusive, eles podem piorar. Entre seus sintomas, podemos destacar:

  • Perda de interesse por qualquer tipo de atividade
  • Baixa autoestima
  • Falta de energia
  • Dormir muito pouco ou dormir muito
  • Sensação intensa de vazio e desesperança
  • Perda de apetite ou aumento do mesmo
  • A pessoa deprimida se move devagar, inclusive fala e pensa devagar
  • Dificuldade de concentração
  • Em casos extremos, pensamentos ou tendências suicidas

O que fazer em caso de depressão após uma separação?

A melhor e mais eficaz maneira de superar a depressão é procurar um profissional. Ele será capaz de orientar a pessoa deprimida e iniciar o tipo de terapia mais apropriado para cada caso. Nesse sentido, ele pode recomendar:

Tratamento psicológico

Terapia após o divórcio
Uma gestão emocional correta após uma separação pode trazer benefícios em termos de amor próprio, aceitação pessoal, maturidade e tomada de decisão.

A terapia interpessoal ou cognitivo-comportamental envolve mudar os pensamentos negativos e superar ou evitar a obsessão ou idealização da outra pessoa ou do relacionamento rompido, ou o sentimento de raiva, se ele existir. Nesse sentido, a terapia cognitivo-comportamental e a psicanálise são as formas mais comuns de terapia.

 

Além disso, podem ser recomendadas técnicas de relaxamento que terão um impacto muito positivo na pessoa deprimida.

Tratamento psicofarmacológico

Dependendo da gravidade do caso, certos medicamentos antidepressivos poderão ser prescritos pelo médico.

Recomendamos que você leia: Filofobia: o medo de se apaixonar e experimentar o amor

Outras recomendações

Existem outros tipos de recomendações para enfrentar a depressão nesses casos:

  • O exercício físico é altamente recomendado. A liberação de endorfinas vai ajudar a pessoa deprimida a se sentir melhor e a conseguir superar a sua condição. Não é necessário ir a uma academia, basta caminhar ou andar de bicicleta.
  • Outra recomendação é manter-se ocupado. Nesse sentido, recomenda-se iniciar algo novo. Isso, por sua vez, pode variar de algo tão simples quanto começar a ler um livro ou iniciar um novo projeto de vida.
  • Além disso, como veremos mais adiante, é importante não se isolar e promover o contato e a amizade com outras pessoas.
  • Evitar as drogas e o álcool como meio de fuga ou conforto.
  • Comer bem e de maneira equilibrada, ou seja, buscar o equilíbrio físico com hábitos saudáveis. 
  • Dormir e descansar adequadamente.

Apoio na depressão após uma separação

A ajuda dos amigos para superar uma separação
Socializar é uma das chaves que ajudam a enfrentar o que aconteceu e a superar o processo de luto de uma maneira saudável.
 

Para a pessoa deprimida, é essencial ter o apoio da família e dos amigos. Nesse sentido, também é aconselhável fazer novos amigos, expandir o círculo social, recuperar o contato com amigos antigos, etc.

Uma das chaves para superar o problema é socializar. Isso ajudará a desviar o foco da atenção da pessoa ou do relacionamento que acabou e a melhorar o humor. Além disso, no caso da depressão, expressar emoções e conversar sobre a situação com as pessoas mais próximas pode ser de grande ajuda.

Muitas vezes, a pessoa deprimida é incapaz de socializar e evita o contato com os demais. Nesse sentido, surge a questão de como ajudar uma pessoa que está sofrendo de depressão após o fim de um relacionamento:

  • Antes de tudo, é recomendável se informar a respeito do que é depressão e de quais são os seus sintomas. O conhecimento é sempre uma arma e a ferramenta mais importante.
  • Conversar com a pessoa deprimida e incentivar o tratamento. É importante indicar que a sua condição tem uma solução, que ela se sentirá melhor se for tratada e aprender a gerenciar adequadamente a situação. No entanto, a decisão de iniciar o tratamento deve sempre ser tomada pela pessoa afetada.
  • Procurar ajuda imediatamente diante da presença de pensamentos ou ideias suicidas.
  • Oferecer suporte. Ouça, reforce pensamentos positivos, faça planos com a pessoa deprimida (faça compras, tome uma bebida, etc.).
  • Ser paciente. Sair da depressão pode ser um processo lento e difícil. No entanto, sempre devemos oferecer o nosso apoio.
 
  • Alan R. Teo et al. “Social Relationships and Depression: Ten-Year Follow-Up from a Nationally Representative Study”, PLoS One. 2013; 8(4): e62396.
  • Jack Mearns, “Coping With a Breakup: Negative Mood Regulation Expectancies and Depression Following the End of a Romantic Relationship”, Journal of Personality and Social Psychology 60(2):327-34 · March 1991
  • Sociedad Española de Psiquiatría, Terapia Cognitivo Conductual, 2009. http://www.sepsiq.org/file/Royal/LA%20TERAPIA%20COGNITIVO-CONDUCTUAL.pdf
  • Ministerio de Sanidad, Servicios Sociales e Igualdad, Guía de Práctica Clínica sobre el Manejo de la Depresión en el Adulto, 2014. http://www.guiasalud.es/GPC/GPC_534_Depresion_Adulto_Avaliat_compl.pdf