Como parar de roncar com remédios naturais?

· 4 de janeiro de 2019
É possível acabar com os roncos sem recorrer a cirurgias e medicamentos? Aqui oferecemos várias alternativas naturais. Continue lendo e conheça-as.

Roncar é algo que muitas pessoas fazem ao dormir. No entanto, é muito incômodo para aqueles que estão próximos da pessoa que ronca, já que o ruído não a deixa dormir.

Roncar, por sua vez, ainda que seus motivos sejam diversos, pode nos indicar sobre algum tipo de distúrbio um pouco mais grave. É por isso que neste artigo responderemos a um questionamento básico: como parar de roncar com remédios naturais? Confira.

Dormir com mais travesseiros

Em função do ronco ser produzido por problemas no conduto que permite a passagem do ar, uma recomendação muito simples e prática é dormir colocando alguns travesseiros extras em nossa cabeça e pescoço. Desta maneira, conseguiremos abrir o conduto de ar e evitar os roncos.

Dormir de lado pode ajudar a parar de roncar

Outra excelente ideia para deixar de roncar, ou pelos menos diminuir sua potência, é dormir de lado. Sabemos que dormir com a barriga para cima permite que a língua obstrua a passagem de ar, ocasionando os roncos. Dormindo de lado, evitaremos isso.

Hortelã

A hortelã é um produto natural muito efetivo para parar de roncar, principalmente quando se trata de roncos ocasionados por problemas respiratórios como catarro ou gripe. Neste caso, basta adicionar uma gota de essência de hortelã em um copo de água fria e fazer gargarejos. Desse modo, a nossa garganta se refresca e permite a passagem de ar.

Chá de urtiga

A urtiga é outro produto natural muito efetivo para parar de roncar. Para isso, o melhor é preparar uma infusão de urtiga e deixá-la repousar durante dez minutos. Depois coe e beba.

Pode te interessar: Como usar a urtiga e aproveitar ao máximo as suas propriedades

O chá de urtiga pode ser um bom aliado para parar de roncar

Perder peso

A obesidade ou o sobrepeso é um dos principais fatores que nos fazem roncar. Portanto, uma recomendação excelente é perder peso. Isto se pode conseguir de diferentes maneiras. Evidentemente, todas elas requerem paciência e, sobretudo, um grande compromisso e esforço.

Apesar disso, cuidar do nosso peso é algo muito importante, visto que desta maneira desfrutaremos de mais saúde, além de pararmos de roncar.

Parar de fumar

Igual a obesidade, fumar é uma das principais causas dos roncos. Como sabemos, este é um hábito sumamente daninho para o nosso organismo, já que, entre outras coisas, pode ocasionar sérios problemas como o enfisema pulmonar ou algum tipo de câncer.

É assim que, ao deixar de fumar o nosso organismo se beneficiará em todos os sentidos. Além do benefício da boa saúde, os roncos podem diminuir consideravelmente.

Leia também: Como parar de fumar e desintoxicar os pulmões?

No-Fumar

Não consumir bebidas alcoólicas pouco antes de dormir

Beber álcool também pode propiciar os roncos. O álcool relaxa a língua e outras partes do nosso corpo, o que ocasiona a obstrução da passagem de ar. Portanto, o melhor é não consumir bebidas alcoólicas antes de ir dormir.

Aliviar a acidez estomacal

Alguns especialistas sugerem que prestemos atenção à nossa acidez estomacal, pois ela pode ser a causadora dos roncos. Para solucionar isto existem distintos remédios, muitos deles naturais.

Além disso, devemos prestar atenção aos tipos de roncos que uma pessoa produz, já que por meio deles podemos detectar se se trata de outra doença como a apneia do sono.

  • Del Campo Matias, F., Irigoyen, J. A., Ariza, M. D. G., Aguirán, E. A., Matarredona, A., Olivares, M. A., … & Albort, J. (1992). Roncar o no roncar. Arch Bronconeumol, 28, 209-211.
  • Balbani, A. P. S., & Formigoni, G. G. S. (1999). Ronco e síndrome da apnéia obstrutiva do sono. Revista da Associação Médica Brasileira, 45(3), 273-278.
  • Burger, R. C. P., Caixeta, E. C., & Di Ninno, C. Q. M. S. (2004). A relação entre apnéia do sono, ronco e respiração oral. Rev. CEFAC, 6(3), 266-71.
  • Mancini, M. C., Aloe, F., & Tavares, S. (2000). Apnéia do sono em obesos. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia, 44(1), 81-90.