Como usar a urtiga e aproveitar ao máximo as suas propriedades

Se vamos usar a urtiga fresca, devemos ter muito cuidado ao manipulá-la, já que suas propriedades urticantes demoram a desaparecer. Após 12 horas de coleta, podemos fazê-lo sem problema.
Como usar a urtiga e aproveitar ao máximo as suas propriedades

Última atualização: 16 Março, 2021

A urtiga é uma planta que cresce de forma selvagem e que é comumente considerada uma “erva daninha" quando aparece em jardins. Apesar disso, demonstrou ter vários usos medicinais.

Além de ser um remédio para múltiplas doenças, também tem sido usado há muito tempo um alimento usado para complementar receitas de guisados ​​e sopas.

A seguir, contaremos mais sobre todos os benefícios da urtiga, bem como as diferentes formas de consumi-la.

A urtiga

A urtiga maior (Urtica dioicaé uma planta silvestre encontrada em áreas úmidas, e também podemos cultivá-la em casa. Destaca-se como um remédio para tratar distúrbios diferentes, tanto oralmente quanto topicamente.

Além desses usos, devemos enfatizar que a urtiga é usada como fertilizante e inseticida natural.

Suas folhas frescas são ricas em provitamina A, clorofila, carotenoides, flavonoides, sais minerais (cálcio, ferro, enxofre, silício, cobre, potássio, manganês), ácidos orgânicos e outras substâncias que podem ser úteis.

Além disso, a raiz da planta é rica em taninos, fitoesterois, polifenois, polissacarídeos, entre outros.

Geralmente, suas folhas frescas são utilizadas para preparar diferentes receitas (tanto de comidas quanto de remédios), embora suas raízes também sejam utilizadas (tanto raladas quanto em pó).

Como podemos coletar a urtiga?

  • O mais importante antes de coletar a urtiga é sempre evitar áreas tratadas com pesticidas.
  • Se quisermos coletá-la por conta própria, devemos usar luvas grossas para evitar a urticária.
  • Podemos colher ao longo do ano todo, embora o melhor momento seja desde a primavera até ao outono.
  • Devemos escolher apenas as 4 ou 5 folhas da parte superior, que são as mais tenras.
  • Se vamos manipulá-las, devemos esperar 12 horas para que percam o seu efeito urticante.

Propriedades para a saúde

De acordo com o documento divulgado pelo Ministério para a Transição Ecológica e o Desafio Demográfico (MITECO) da Espanha, a urtiga tem várias propriedades medicinais.

Anti-inflamatória

As propriedades anti-inflamatórias da urtiga a tornam um excelente remédio para reduzir muitas dores. É eficaz tanto se consumida ou aplicada localmente na área afetada.

Antianêmica

Graças ao seu conteúdo em ferro, ácido fólico, vitamina C e muitos outros nutrientes, a sabedoria popular considera que a urtiga é ideal para combater a anemia. Também podemos usar a urtiga para evitar outros sintomas relacionados, como a fadiga.

Antioxidante

A urtiga contém diferentes compostos antioxidantes (como os flavonoides e polifenois) que previnem e retardam o envelhecimento celular causado pelos radicais livres.

Seus efeitos ocorrem tanto interna quanto externamente.

Reduz o açúcar?

Controle do açúcar no sangue

Diz-se que, ao beber a infusão de suas folhas, você pode regular os níveis de açúcar e colesterol no sangue. No entanto, não há evidências científicas para apoiar essas crenças.

Para a pele

Em várias regiões, são preparados cataplasmas e máscaras com urtiga para aliviar alguns problemas de pele, como: frieiras, eczemas, cortes superficiais, inflamações e coceiras.

Para o cabelo

No caso do cabelo, a urtiga ajuda a combater a casparegula o excesso de sebo do couro cabeludo e evita a queda de cabelo.

Podemos usar a urtiga em uma infusão concentrada como um produto de lavagem depois de lavar o cabelo com o nosso xampu habitual. Existem também produtos específicos com urtiga no mercado.

Analgésica

Dor no joelho

Costuma-se dizer que esta planta tem um certo efeito analgésico, ajudando a reduzir as dores musculares e articulares.

Diurética

Beber ou consumir alguma preparação com urtiga pode ser benéfico para combater a retenção de líquidos, pois tem efeito diurético.

Expectorante

Também diz-se que ingerir a urtiga em infusões e sopas nos ajuda a expelir o muco em casos de resfriados e gripes.

Durante a amamentação

Segundo as crenças, o consumo de urtiga estimula a produção de leite materno durante a amamentação. Por outro lado, não é recomendável consumi-la de forma alguma durante a gravidez, pois pode induzir a atividade uterina.

Nota importante: em várias partes do mundo esta planta tem sido usada como remédio anticoncepcional e também como abortivo, portanto, você deve ter muito cuidado ao consumi-la se estiver grávida ou quiser engravidar.

Combate a constipação

Esta planta silvestre estimula os movimentos peristálticos intestinais e melhora a função dos órgãos relacionados do intestino.

Desta forma, é um excelente remédio para combater a constipação sem irritar este órgão como a maioria dos laxantes.

Como devemos consumir e usar a urtiga?

  • Infusão: Podemos fazer uma infusão com as folhas da planta. Não devemos deixar ferver.
  • Sopa: A sopa de urtiga é um prato tradicional muito aromático.
  • Saladas e sucos: Podemos também consumi-la crua e adicioná-la como ingrediente em nossas saladas e sucos.
  • Suplemento: Pode-se encontrá-la tanto em cápsulas quanto gotas.

Nota importante: é ideal consultar o seu médico antes de começar a incorporar preparações com urtigas na sua dieta. Especialmente se você deseja obter um benefício específico. Não é aconselhável começar a consumi-la sem a autorização do profissional.

Pode interessar a você...
Por que a urtiga faz bem para o cabelo?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Por que a urtiga faz bem para o cabelo?

A urtiga faz bem para o cabelo, embora seja considerada uma erva daninha. Saiba mais sobre como podemos usá-la neste artigo.



  • Roemheld-Hamm, B., Dahl, N. V., Wojcikowski, K., Johnson, D. W., Gobé, G., Yarnell, E., … Wu, C. (2015). Botanical medicines for the urinary tract. Journal of Ethnopharmacology. https://doi.org/10.1007/s00345-002-0293-0
  • Upton, R. (2013). Stinging nettles leaf (Urtica dioica L.): Extraordinary vegetable medicine. Journal of Herbal Medicine. https://doi.org/10.1016/j.hermed.2012.11.001
  • Farag, M. A., Weigend, M., Luebert, F., Brokamp, G., & Wessjohann, L. A. (2013). Phytochemical, phylogenetic, and anti-inflammatory evaluation of 43 Urtica accessions (stinging nettle) based on UPLC-Q-TOF-MS metabolomic profiles. Phytochemistry. https://doi.org/10.1016/j.phytochem.2013.09.016