4 dicas para prevenir e controlar as birras das crianças

As birras das crianças podem levar os pais a perderem a paciência e a responder de forma inadequada. Descubra por que elas ocorrem e como lidar com isso.
4 dicas para prevenir e controlar as birras das crianças

Última atualização: 03 Julho, 2021

Os 2 anos são uma idade muito temida pelos pais, pois é nessa fase que surgem aquelas birras difíceis de controlar. Gritar, chorar, bater, recusa em obedecer, resistência às orientações. Muitos comportamentos infantis surgem nesta fase e podem confundir e colocar à prova a paciência dos pais.

Ir embora do parque, entrar ou sair do banho, escovar os dentes, se vestir … qualquer atividade diária pode provocar acessos de raiva. E se você não entende o que está acontecendo, é fácil perder a paciência e reagir de forma inadequada. Por este motivo, queremos explicar a que se devem as birras das crianças e como podemos evitar que elas ocorram.

Por que há uma etapa em que as crianças começam a fazer birra?

As birras são uma parte normal do crescimento infantil e estão relacionadas ao desenvolvimento cognitivo e social de crianças pequenas. Até este momento, a criança exercia um papel passivo, sendo cuidada e atendida pelos pais. Além disso, ainda não conseguia se perceber como um ser independente, com desejos e interesses próprios.

Depois dos 18 meses, isso começa a mudar; a criança toma consciência de si mesma e deseja expressar sua personalidade de forma mais autônoma. Ela “sabe” o que quer, mas não tem controle sobre a sua própria vida. Além disso, não possui ferramentas para se expressar. Assim, quando seus desejos não são satisfeitos, o que resta é recorrer às birras.

Menino chorando
As birras são uma expressão do desenvolvimento infantil esperado para uma certa idade, especialmente por volta dos 2 anos.

Dicas para prevenir e controlar as birras das crianças

Esta fase pode durar até os 4 anos de idade, mas nem todas as crianças a vivenciam da mesma forma. Seu próprio caráter e a maneira como os pais lidam com as birras serão decisivos. Portanto, compartilhamos algumas orientações para evitar o seu aparecimento.

1. Evite possíveis gatilhos

Talvez você tenha descoberto que seu filho tem mais probabilidade de ter um acesso de raiva quando está com fome, cansado ou superestimulado. Nesse caso, você pode tomar algumas medidas para evitar que isso aconteça.

Em primeiro lugar, estabeleça um cronograma e uma rotina na vida do seu filho e tente cumpri-la. Tente definir a hora do almoço ou do cochilo e ajuste o resto das atividades a essas necessidades básicas. Levar sempre um lanche para oferecer à criança também pode ajudar.

2. Avise-o com antecedência

É normal que as crianças não queiram deixar de fazer uma atividade que lhes dá prazer. Portanto, avise-a de 5 a 10 minutos antes que ela terá que sair do parque ou parar de brincar para jantar.

Ela pode resistir mesmo assim, mas será mais fácil para ela se acostumar com a ideia se você avisar com antecedência o que vai acontecer. As crianças são capazes de entender isso.

3. Seja flexível

Muitas vezes as birras das crianças surgem quando nós, adultos, insistimos em impor a nossa vontade. Lembre-se de que seu filho está começando a definir seu caráter e quer se sentir mais autônomo. Não há nada de errado em dar a ele pequenos momentos de liberdade para decidir.

Para isso, você pode escolher entre várias opções que estão dentro dos seus limites. Por exemplo, deixe-o decidir em que xícara quer tomar o café da manhã, se prefere assistir a um ou outro desenho animado, ou se quer vestir a camisa azul ou a vermelha.

Existem decisões inegociáveis ​​(por exemplo, colocar o cinto de segurança no carro ou se agasalhar ao sair de casa), mas em muitos outros há espaço para flexibilidade.

4. Valide suas emoções

As birras ocorrem porque a criança ainda não sabe como administrar e expressar adequadamente seus sentimentos. Portanto, educar em inteligência emocional é muito útil.

Quando seu filho experimentar uma emoção, reconheça-a e valide-a. Deixe-o saber que você entende como ele se sente e que ele tem o direito de sentir isso. Dessa forma, se você oferecer um espaço para os seus sentimentos, ele não precisará expressá-los com gritos.

Considerações extras para controlar as birras das crianças

As orientações que mencionamos podem ajudar a prevenir as birras das crianças, mas como agir quando estamos no olho do furacão? Acima de tudo, evite perder o controle das suas ações e palavras.

Lembre-se sempre de que a criança não está tentando humilhá-lo em público; ela simplesmente é incapaz de controlar suas emoções. Escolha o caminho da empatia e acompanhe-a com amor e paciência. Cuide para que suas ações não prejudiquem nem a ela e nem aos outros. Além disso, deixe-a se expressar e, quando ela se acalmar, receba-a sem rancor.

Ter empatia com as crianças
O papel dos pais deve ser superior ao das crianças com acessos de raiva para não piorar o problema.

Controlar as birras das crianças é um desafio

As birras infantis podem ser difíceis e desafiadoras para os pais, mas as crianças também sofrem com a frustração e a falta de recursos para se expressar. Por isso, cabe aos adultos agir com respeito e amor, sendo um exemplo positivo para os pequenos.

Gritar ou atacar só criará ressentimento e prejudicará o vínculo e o desenvolvimento emocional da criança. Não proporcionará nenhum aprendizado e nem acabará com os acessos de raiva. Pratique a empatia e tente tratar seu filho como gostaria de ser tratado.

Pode interessar a você...
Transtorno negativista desafiante em crianças: como agir?  
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Transtorno negativista desafiante em crianças: como agir?  

Você conhece a transtorno negativista desafiante em crianças? É possível que você esteja procurando informações. Hoje trazemos os dados mais releva...



  • Pernasa, P. D., & de Lunab, C. B. (2005). Las rabietas en la infancia: qué son y cómo aconsejar a los padres. Revista Pediatría de Atención Primaria7(25).
  • Pérez Vallejo, M. (2010, junio). Las rabietas. Recuperado febrero de 2021, de https://archivos.csif.es/archivos/andalucia/ensenanza/revistas/csicsif/revista/pdf/Numero_31/MARIA_PEREZ_2.pdf
  • Tabango, K. R. (2013). Manejar emociones en el proceso de enseñanza aprendizaje. Elaboración de una guía sobre el control de las rabietas en los niños de 4 años para los docentes del centro de educación inicial “María Guillermina García” en el sector norte del distrito metropolitano de Quito año 2013 (bachelor’s thesis).