Contato visual: segredos e curiosidades

Você acha que o olhar não é importante durante uma conversa? Mostraremos 7 curiosidades sobre contato visual que podem fazer você mudar de ideia sobre esse assunto.
Contato visual: segredos e curiosidades

Última atualização: 29 Novembro, 2021

A comunicação gestual representa cerca de 55% da experiência comunicativa. Nesse sentido, o que você faz com as mãos, rosto e corpo é mais importante do que o que você diz explicitamente com a boca. Todos nós valorizamos o contato visual como um elemento fundamental em um diálogo; mas até que ponto ele afeta o nosso interlocutor ou revela coisas sobre nós mesmos?

Nas linhas a seguir respondemos a essa pergunta, e faremos isso com base em estudos de especialistas na área. Escolhemos algumas curiosidades e segredos do contato visual para mostrar, alguns dos quais irão te surpreender. Se você acha que o seu olhar não tem muita importância, então se prepare para mudar de ideia com o que você descobrirá em breve.

7 curiosidades sobre o contato visual

Fazer contato visual é algo que, para a maioria das pessoas, ocorre automaticamente. Enquanto você se comunica não costuma pensar em aumentar ou reduzir o contato visual, você apenas o faz naturalmente para acompanhar as palavras.

É claro que neste caso falamos de uma conversa cotidiana, pois, quando está flertando, falando na frente de um grande número de pessoas ou em uma entrevista de emprego, você altera conscientemente o seu comportamento. Os pesquisadores concordam que o contato visual modula a atividade das estruturas na rede social do cérebro.

Dessa forma, a maneira como usamos o contato visual pode revelar as nossas intenções e criar certas reações nas outras pessoas. Vejamos algumas curiosidades sobre esse assunto que te ensinarão que, de fato, um olhar diz mais que mil palavras.

1. Pode impedir que os outros mintam para nós

O contato visual pode prevenir mentiras.
Guardadas as devidas proporções, um contato visual persistente pode impedir que outra pessoa minta para nós regularmente.

De acordo com um estudo publicado na Consciousness and Cognition em 2018, olhar os outros diretamente nos olhos pode reduzir o comportamento desonesto do nosso interlocutor. Isso pode explicar por que a maioria das pessoas prefere evitar contato visual ao contar uma mentira.

Durante os interrogatórios policiais é muito importante que o suspeito faça contato visual com os seus entrevistadores, para que as respostas sejam o mais honestas possível (juntamente a outras técnicas). Isso pode ser usado na vida cotidiana, como em entrevistas de emprego ou conversas com amigos, família ou até mesmo com o seu parceiro(a).

2. É um indicador da nossa autoestima

Isso é confirmado por um estudo publicado na Self and Identity, em 2011. Os pesquisadores descobriram que pessoas com uma autoestima elevada mantêm o contato visual por mais tempo, enquanto aquelas com uma autopercepção mais negativa tendem a interrompê-lo com mais frequência.

Autoestima é a percepção que uma pessoa tem de si mesma. Alguém com baixa autoestima frequentemente sente medo de ser julgado, desconfia das próprias habilidades, corpo e opiniões, e se desvaloriza na frente dos outros. Tudo esses fatores se combinam, e a pessoa prefere fazer contatos visuais mais curtos em relação a alguém com uma boa autoestima.

3. Diminui a nossa capacidade de persuasão

Muitas vezes acreditamos que o contato visual direto é muito importante para persuadir uma pessoa. Isso está em sintonia com o que já comentamos: quem mantém esse contato demonstra autoconfiança e está menos sujeito a contar mentiras. No entanto, e de acordo com uma pesquisa publicada na Psychological Science em 2013, também pode ocorrer o efeito oposto.

O estudo descobriu que uma insistência em manter contato visual permanente reduz a capacidade de persuasão. Mas não interprete essa afirmação de maneira errada: claro que é importante olhar para o nosso interlocutor para persuadi-lo, porém, quando isso é feito de forma excessiva, esse objetivo é prejudicado.

4. Aproxima pessoas que não se conhecem

Um estudo publicado na Biology Letters em 2011 descobriu que a frequência e a forma de olhar podem aproximar duas pessoas que acabaram de se conhecer. Os pesquisadores acreditam que o contato visual aumenta o mimetismo entre dois estranhos.

Ou seja, aumenta a capacidade de imitar os gestos e expressões do outro, o que por sua vez se traduz em uma maior intimidade. Quando estamos na frente de uma pessoa que se expressa, age e se comporta como nós, é mais provável que nos sintamos confortáveis perto dela. Isso tem efeitos num primeiro encontro ou quando tentamos fazer novos amigos.

5. É fundamental no romance

Contato visual apaixonado.
Olhar nos olhos denota interesse, algo especialmente válido em um relacionamento amoroso. O poder do olhar é valioso nesse contexto.

Todos nós sabemos que o olhar é um ingrediente indispensável para o romance. Isso não é apenas algo que confirmamos em mais de uma ocasião, mas é apoiado pela ciência. Um estudo publicado na Computers in Human Behavior em 2o2o descobriu que o contato visual nas primeiras interações românticas reduz a incerteza e aumenta a intimidade.

Ao contrário, quando o contato visual é reduzido, nosso interlocutor tende a ter mais incerteza, que ele compensa por meio de perguntas para conseguir maior intimidade e conforto. Além disso, e de acordo com as evidências, o contato visual tem um papel direto na excitação física. Tudo isso faz com que o olhar seja uma peça muito importante para o romance.

6. Aumenta o afeto dos nossos interlocutores

Conforme mencionamos anteriormente, e como apontam os pesquisadores, um olhar direto aumenta o afeto positivo que nossos interlocutores sentem por nós. Quando estabelecemos um contato visual permanente, nosso interlocutor é mais gentil conosco, nos mostra mais confiança e geralmente é mais carinhoso e afetuoso.

Isso também pode ser interpretado ao contrário, ou seja, quando fazemos contato visual com alguém é porque sentimos um afeto que nos induz a fazer isso. Ao contrário, quando estamos com pessoas que não nos deixam à vontade, tendemos a evitar o contato visual, ou reduzi-lo ao estritamente necessário.

7. Pode ser sintoma de um problema subjacente

Não podemos nos despedir desta seleção de curiosidades sobre contato visual sem mencionar as condições que podem impedir uma pessoa de estabelecê-lo. Existem muitas explicações para alguém não fazer contato visual, e aqui estão duas das mais comuns:

  • Fobia social: os especialistas afirmam que evitar o contato visual é um dos sintomas mais característicos do transtorno de ansiedade social. As pessoas o evitam para fugir do escrutínio e do medo de serem julgadas pelo interlocutor.
  • Transtorno do espectro autista (TEA): Por outro lado, as evidências indicam que padrões anormais de contato com os olhos são comuns no autismo. Essas pessoas podem apresentar um olhar excessivamente direto ou, pelo contrário, evitar qualquer contato visual.

Obviamente nem todo mundo que apresenta padrões considerados como anormais de contato visual sofre de algum desses transtornos. Existem pessoas que simplesmente optam por evitar o olhar o interlocutor ao falar; outras, ao contrário, preferem um contato visual mais direto.

Em qualquer caso, um olhar nunca passa despercebido; isso é algo corroborado pela ciência. Por isso, da próxima vez que você estiver conversando com alguém, observe como os padrões de visualização dela te afetam, e vice-versa. Você pode descobrir que um olhar diz muito mais do que você imaginava.

Pode interessar a você...
Por que os bebês olham fixamente as coisas?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Por que os bebês olham fixamente as coisas?

Para os recém-nascidos, o mundo é completamente novo. Os bebês olham fixamente as coisas porque elas se mexem, dançam, brilham, etc.



  • Chen FS, Minson JA, Schöne M, Heinrichs M. In the eye of the beholder: eye contact increases resistance to persuasion. Psychol Sci. 2013 Nov 1;24(11):2254-61.
  • Croes, E. A., Antheunis, M. L., Schouten, A. P., & Krahmer, E. J. The role of eye-contact in the development of romantic attraction: studying interactive uncertainty reduction strategies during speed-dating. Computers in Human Behavior. 2020; 105: 106218.
  • Helminen TM, Kaasinen SM, Hietanen JK. Eye contact and arousal: the effects of stimulus duration. Biol Psychol. 2011 Sep;88(1):124-30.
  • Hietanen JO, Syrjämäki AH, Zilliacus PK, Hietanen JK. Eye contact reduces lying. Conscious Cogn. 2018 Nov;66:65-73.
  • Hietanen, J. K. Affective eye contact: an integrative review. Frontiers in psychology. 2018; 9: 1587.
  • Senju A, Johnson MH. The eye contact effect: mechanisms and development. Trends Cogn Sci. 2009 Mar;13(3):127-34.
  • Senju A, Johnson MH. Atypical eye contact in autism: models, mechanisms and development. Neurosci Biobehav Rev. 2009 Sep;33(8):1204-14.
  • Schneier FR, Rodebaugh TL, Blanco C, Lewin H, Liebowitz MR. Fear and avoidance of eye contact in social anxiety disorder. Compr Psychiatry. 2011 Jan-Feb;52(1):81-7.
  • Vandromme, H., Hermans, D., & Spruyt, A. Indirectly measured self-esteem predicts gaze avoidance. Self and Identity. 2011; 10(1): 32-43.
  • Wang, Y., Newport, R., & Hamilton, A. F. D. C. Eye contact enhances mimicry of intransitive hand movements. Biology letters. 2011; 7(1): 7-10.