Como superar o medo do abandono

O medo do abandono pode te impedir de desfrutar de seus relacionamentos. Para poder te ajudar, mostraremos o que você deve levar em consideração para superá-lo.
Como superar o medo do abandono

Última atualização: 09 agosto, 2022

Para que um relacionamento seja estável, vários ingredientes devem convergir ao mesmo tempo. A soma de tudo isso se traduz em bem-estar, prosperidade e satisfação. O medo de que nosso parceiro nos deixe pode nos impedir de aproveitar plenamente o relacionamento. Hoje ensinamos como superar o medo do abandono por meio de 7 reflexões.

Claro, o medo de ser abandonado não é exclusivo dos relacionamentos de casal. Você pode sentir esse medo com sua família, seus amigos, seus colegas e até mesmo seus animais de estimação. Como a ligação emocional que se faz com uma pessoa íntima é muito profunda, é natural que seja mais comum nesses casos. Apesar disso, nossas ideias para superar o medo do abandono serão úteis  também em outros contextos.

7 dicas para superar o medo do abandono

Em geral, o medo do abandono é uma consequência dos padrões de apego que desenvolvemos durante a infância. O estilo de apego que tínhamos com nossos pais ou cuidadores determina quais comportamentos teremos em nossa adolescência e idade adulta.

O trauma infantil também pode ser o culpado (como o divórcio, segundo o que as evidências indicam), sem mencionar que pode ser um sintoma de uma fobia (atazagorafobia, pistantrofobia, autofobia e muitas mais). Em casos mais raros, pode ser desencadeado como consequência de um transtorno mental (como o transtorno de personalidade limítrofe ).

Em qualquer caso, o medo do abandono é um problema muito comum. Infelizmente afeta milhões de pessoas em todo o mundo, principalmente durante o relacionamento. Segundo especialistas, isso pode causar insegurança no relacionamento, o que muitas vezes resulta no fim do relacionamento. Apresentamos 7 dicas para superar o medo do abandono que você pode usar.

1. Identifique o início do seu medo

Como já observamos, o medo do abandono geralmente está relacionado a experiências anteriores. Quer sejam experiências na infância, no início da juventude ou na idade adulta, sempre há uma faísca que acende a chama do medo. Identificar onde tudo começou pode ajudá-lo a superar o medo do abandono.

Nesse sentido, faça um exercício retrospectivo no qual você avalie como se relacionou com as pessoas no passado. Você sempre teve medo de ser abandonado? Você conseguiu identificar quando começou? Qual foi o motivo? É algo que começou com seu novo relacionamento? Fazer esse tipo de perguntas é uma ferramenta para descobrir a verdade.

2. Trabalhe a sua autoestima

Para superar o medo do abandono é preciso trabalhar a autoestima
A autoestima é o pilar fundamental da saúde emocional, portanto, inevitavelmente influenciará todos os aspectos da vida.

Muitas vezes, o medo de ser abandonado pelo parceiro é devido a problemas de autoestima. Na verdade, esse medo não é algo que se manifesta isoladamente; frequentemente é acompanhado por ciúme, inseguranças, problemas de confiança e assim por diante.

Pode interessar a você: Benefícios da arte para a saúde

Tudo isso aponta para um problema de autopercepção, que não é necessariamente amigável conosco. Você deve trabalhar na sua autoestima sem falta, pois isso é algo que pode ajudá-lo a reduzir o medo do abandono. Deixamos aqui algumas idéias de como fazer isso.

3. Fale com o seu parceiro

Algo paradoxal sobre o medo do abandono é que ele se desenvolve mesmo quando nosso parceiro não demonstra desejo de nos abandonar. É uma reação que não tem correspondência com a realidade; então às vezes é preciso enfrentar isso cara a cara.

É por isso que conversar com seu parceiro sobre o futuro do relacionamento, os interesses que existem em comum, os sentimentos mútuos que ambos professam, o grau de apoio e amor incondicional que compartilham e o desejo de construir um relacionamento estável pode ser de grande ajuda. No final das contas, é um alívio saber que seus pensamentos não estão relacionados às intenções de seu parceiro.

4. Cuide-se bem

Para aumentar a autoestima, outra coisa que você pode fazer para superar o medo do abandono é cuidar de si mesmo. Você deve começar a praticar a bondade consigo mesmo, além de reunir uma série de hábitos que visam garantir seu bem-estar e prosperidade. A seguir apresentamos algumas idéias:

  • Comece a praticar esportes.
  • Comece uma dieta balanceada.
  • Expanda seu círculo de amigos.
  • Inclua atividades divertidas que você possa fazer sem a participação de seu parceiro ou amigos.
  • Evite situações estressantes.
  • Cuide de sua aparência física.
  • Pare de se julgar ou exigir muito de si mesmo.
  • Considere fazer ioga, meditação e outras atividades relaxantes.

Resumindo, qualquer tipo de atividade que te faça feliz é bem-vinda. Através dela você vai descobrir que a felicidade se materializa de diferentes maneiras (não apenas no protótipo de um parceiro ao seu lado) e que você também pode alcançá-la tanto sozinho quanto com as pessoas ao seu redor.

5. Considere ir à terapia

Sem querer soar insistente, lembramos que o estilo de apego que caracteriza o medo do abandono está frequentemente associado a problemas não resolvidos. Embora nada o impeça de tentar descobri-los por conta própria, muitas vezes a mediação de um especialista é de grande ajuda para abreviar o processo.

Tente fazer terapia sozinho e, se quiser, depois, opte pela terapia de casal. Felizmente, os estilos de fixação que desenvolvemos não são gravados em pedra. Podemos modificá-los com um pouco de esforço, para que os padrões que nos caracterizaram no passado não tenham que nos condicionar hoje.

6. Observe os sinais

Para superar o medo do abandono, você tem que fazer uma introspecção
Refletir sobre nossos problemas é uma das etapas fundamentais para saber como enfrentá-los no futuro.

Não se esqueça de identificar os sinais de alerta de que o medo irracional de ser abandonado o invadirá. Eles são quase idênticos aos de um ataque de pânico, e aos do transtorno de ansiedade. Você pode levar em consideração as seguintes reflexões:

  • O que você estava fazendo antes desse sentimento tomar conta de você?
  • Quais sentimentos passam pela sua cabeça?
  • Quanto controle você tem sobre as emoções que desenvolve?
  • Sua mente está turva ou você está totalmente ciente de tudo?
  • O que exatamente você faz quando se sente abandonado? Chorar? Se desesperar?
  • Qual é a sua atitude em relação ao seu parceiro? Você vai embora? Você se aproxima? Você luta? Você fica irritado?

Além disso, tente encontrar uma resposta para que tipo de apoio você gostaria de receber quando o sentimento o invadir. Depois de coletar todas as informações, você terá uma ideia de como esse ataque se desenrola. Desta forma, você será capaz de identificar quando ele está se manifestando para que você possa controlá-lo melhor.

7. Continue trabalhando em si mesmo

Já mencionamos que os estilos de apego podem ser modificados. No entanto, você nem sempre será capaz de superá-los tão rapidamente quanto deseja; e você pode até encontrar outras coisas para trabalhar ao longo do caminho. Seja como for, saiba que a paciência é uma grande aliada para superar o medo do abandono.

Outros aliados óbvios são o apoio do seu parceiro ou da pessoa que está mais próxima de você agora. Continuar trabalhando no polimento dos detalhes é uma tarefa constante, que só terminará quando você decidir. Apostar em você, na sua integridade e estabilidade emocional nunca é um esforço perdido.

Se você levar em consideração essas 7 dicas para superar o medo do abandono do seu parceiro, você poderá iniciar e concluir o processo de forma mais prática. Também leve em consideração cada um dos pontos e, claro, também inclua seu parceiro para trabalharem juntos.

Pode interessar a você...
Qual é a diferença entre ciúme e inveja?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Qual é a diferença entre ciúme e inveja?

Você não conhece a diferença entre ciúme e inveja? Não sabe como gerenciar essas emoções? Saiba mais sobre o tema neste artigo.



  • De Dios, M. L. M., & Lim, N. N. T. A look at rejection sensitivity, fear of intimacy, and fear of abandonment as possible predictors of attachment style in current romantic relationships. 2009.
  • Wolchik, S. A., Tein, J. Y., Sandler, I. N., & Doyle, K. W. Fear of abandonment as a mediator of the relations between divorce stressors and mother–child relationship quality and children’s adjustment problems. Journal of abnormal child psychology. 2002; 30(4): 401-418.