Como reduzir a ansiedade em crianças

11 de janeiro de 2020
Seu filho está com raiva ou de mau humor? Sua cabeça ou estômago doem regularmente? Estes podem ser sintomas de ansiedade em crianças. Descubra tudo neste artigo.

A ansiedade é a resposta normal a algo que é percebido como um perigo ou ameaça. Quando uma pessoa experimenta um medo exagerado, falamos sobre transtorno de ansiedade. Agora, como podemos ajudar a reduzir a ansiedade em crianças?

Junte-se a nós para descobrir o que é a ansiedade na infância, quais os seus sintomas e o melhor conselho para ajudar os pequenos para lidar com a ansiedade, a fim de evitar o desenvolvimento de um distúrbio psicológico.

O que é ansiedade em crianças?

Acompanhe seu filho

A ansiedade é uma emoção básica. Todos nós já experimentamos ansiedade em algum momento da vida. Lembra quando você teve que fazer o seu último exame da universidade? Ou aquele dia que teve a entrevista pelo trabalho que tanto desejava? Você sabe o que é sentir ansiedade, certo?

As crianças começam por volta de dois ou três anos a experimentar medos que podem gerar ansiedade. Por exemplo, um monstro que vive debaixo da cama? O que aconteceria se meus pais morressem? E se um ladrão entrasse em casa?

Além disso, até andar de bicicleta e ter medo de cair pode causar ansiedade. O problema ocorre quando esse sentimento é tão forte, tão excessivo, que se torna um distúrbio.

Sintomas da ansiedade em crianças

A ansiedade afeta seu filho física e emocionalmente.

Assim por exemplo, para aquelas crianças que vivem medos excessivos e falham em controlar sua angústia, a ansiedade pode se tornar um (indesejável) companheiro. Agora, vamos examinar juntos os possíveis sintomas da ansiedade em crianças:

  1. Dores de cabeça ou estômago muitas vezes sem razão médica.
  2. Também, músculos tensos, tremores e suor excessivo.
  3. Alterações do sono: ou problemas para dormir (insônia) ou manter o sono.
  4. Ademais, sensibilidade extrema, e angústia evidente através de gritos habituais.
  5. Irritação sem motivo aparente.
  6. Mau humor.
  7. Por outro lado, medo excessivo de cometer erros
  8. Ataques de pânico.
  9. Fobias e medos exagerados: a criança tem um medo extremo, por exemplo, de algum fenômeno animal ou natural, como um furacão.
  10. Também, medo de não ser amado.
  11. Inquietação e nervosismo habitual.
  12. O seu filho pode dizer ¨não quero ir para à escola¨ ou não quer comer lá, muito menos usar o banheiro do colégio.
  13. Além disso, ele procura a aprovação constante de seus pais.
  14. Por outro lado, ele pode se perguntar constantemente o que aconteceria se …?
  15. Sente que não pode fazer coisas que ainda não tentou.

Como você pode ver, essa sintomatologia pode sobrepor-se a outros problemas, como o bullying, por exemplo. Se você acha que seu filho tem ansiedade, não hesite e consulte um médico. Ele, melhor do que qualquer um, pode diagnosticá-lo.

Você pode estar interessado em saber sobre: Ataques de pânico: o que são e como enfrentá-los?

Transtornos de ansiedade

A ansiedade pode se tornar um transtorno e, entre estes, os mais comuns são:

  • Fobias: a criança sente um medo extremo e irracional de algo, animal ou situação, por exemplo, insetos, ou de ir ao médico.
  • Ansiedade da separação: a criança tem medo de se separar dos pais.
  • Ansiedade social: a criança fica ansiosa quando precisa frequentar um lugar com um grande fluxo de pessoas, como a escola ou o shopping.
  • Transtorno do pânico: a criança sua, fica tonta e trêmula, tem dificuldade para respirar, e sente que seu coração está batendo aceleradamente diante de uma situação que cria medo intenso.
  • Ansiedade geral: a criança se preocupa com tudo ao seu redor.

 

Dicas para prevenir a ansiedade em crianças

1. Ajude seu filho a enfrentar seus medos

Não fuja da ansiedade, mas aprenda a controlá-la.

Então não faças isso! O seu filho tem de aprender a enfrentar os seus medos, senão estará apenas adiando o problema e, portanto, prolongando sua ansiedade no tempo.

2. Dê o exemplo

As crianças observam seus pais para avaliar como agir em diferentes situações. Mostre ao seu filho que você sabe como controlar suas emoções, mesmo quando enfrentar situações que geram ansiedade. Seja o espelho no qual seus filhos se olham!

3. Converse com seu filho

Se você sabe que seu filho terá que enfrentar uma situação que gera ansiedade, converse com ele antes. Não é a mesma coisa enfrentar um medo sem saber que se deve fazer, que com conhecimento de causa. Saber o que acontecerá de antemão poder ajudar a reduzir a ansiedade das crianças.

Não perca este artigo: Ajude os seus filhos a controlar as emoções desde pequenos

4. Demonstre seus sentimentos

Demonstre seu amor incondicional para ajudar seu filho a lidar com a ansiedade.

Para reduzir a ansiedade é importante demonstrar empatia, ou seja, ouvir as crianças sem julgá-las. Para que seus filhos tenham confiança em você, abra seu coração e mostrar o que acontece com você em certas situações. Compartilhar suas emoções com as crianças aumentará a probabilidade de elas fazerem o mesmo com você.

5. Parabenize seu filho

Acompanhe seu filho no caminho de vencer sua ansiedade e parabenize-o por cada pequeno passo que dê em direção à superação dessa condição

6. Mostre seu apoio e amor

Seu apoio e seu amor são incondicionais… Faça seu filho entender! Não há nada mais importante para o seu pequeno do que saber que você sempre estará ao seu lado, aconteça o que acontecer.

7. Corrija suas ações

Acompanhe seu filho a cada passo do caminho.

Não hesite em corrigir suas ações, sem rotular sua maneira de ser. Lembre-se que é importante ser capaz de falar sobre suas atitudes, até mesmo criticando-as se estiverem erradas, mas sem associar a ansiedade à uma característica da personalidade da criança.

8. Procure ajuda profissional

Se a angústia do seu filho se intensificar a tal ponto que o impeça de manter uma vida normal, não hesite e vá ao médico. Sem dúvida alguma, o psicólogo ajudará a criança a enfrentar seus medos e tentará descobrir sua origem.

Em conclusão, a ansiedade nas crianças é mais comum do que você imagina. Como nós adultos, às vezes elas se sentem ameaçadas pelo ambiente que as cercam. O incerto gera medo, todos nós sabemos e passamos por isso. O importante é aprender a lidar com esse medo e não deixá-lo tomar conta de nosso ser.

  • Beesdo, K., Knappe, S., & Pine, D. S. (2009, September). Anxiety and Anxiety Disorders in Children and Adolescents: Developmental Issues and Implications for DSM-V. Psychiatric Clinics of North America. https://doi.org/10.1016/j.psc.2009.06.002
  • Hill, C., Waite, P., & Creswell, C. (2016, December 1). Anxiety disorders in children and adolescents. Paediatrics and Child Health (United Kingdom). Churchill Livingstone. https://doi.org/10.1016/j.paed.2016.08.007
  • Spence, S. H. (1998). A measure of anxiety symptoms among children. Behaviour Research and Therapy36(5), 545–566. https://doi.org/10.1016/S0005-7967(98)00034-5
  • Grondhuis, S. N., & Aman, M. G. (2012, October). Assessment of anxiety in children and adolescents with autism spectrum disorders. Research in Autism Spectrum Disorders. https://doi.org/10.1016/j.rasd.2012.04.006